Carro sem para-brisa exige uso de capacete?

Discussão surge após notícia de que Ibrahimovic foi multado por guiar Ferrari Monza sem capacete. Qual a regra por aqui?

  1. Home
  2. Cultura WM1
  3. Carro sem para-brisa exige uso de capacete?
André Deliberato
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Ibrahimovic é um cara polêmico, além de craque. Recentemente, o jogador sueco foi visto dirigindo uma rara Ferrari Monza SP2 - carro que lhe custou R$ 9 milhões - pelas ruas de Estocolmo e um detalhe chamou a atenção: ele estava sem capacete.

Na legislação sueca, carros sem qualquer tipo de vidro ou teto frontal exigem obrigatoriamente o uso do equipamento, que não estava sendo utilizado por Ibra propositalmente - afinal, ele queria ser visto. Mas como a regra para carros como estes funciona aqui no Brasil? E se o para-brisa quebrar? Vamos descobrir tudo agora.

Ibrahimovic e sua Ferrari Monza SP2
icon photo
Legenda: Ibrahimovic e sua Ferrari Monza SP2: na Suécia, dirigir o carrão sem para-brisa e sem capacete dá multa
Crédito: Reprodução

Multa na Suécia

Ibrahimovic postou em seu Instagram que a Ferrari em questão havia sido um presente de aniversário (recebido dele mesmo) no ano passado. O que Ibra não sabia (ou talvez soubesse, mas preferiu arriscar) é que rodar com esse tipo de carro - sem teto e para-brisa - em vias públicas da Suécia, sem capacete, é proibido. Isso lhe renderá uma "multa pesada", de acordo com o diário britânico "The Sun", embora o valor não tenha sido revelado.

O motivo da ilegalidade é a vulnerabilidade do carro. Segundo a Agência de Transportes da Suécia (ATS), para rodar com esse tipo de automóvel é preciso ter uma licença especial e usar capacetes, porque não há teto e/ou qualquer tipo de vidro que proteja os passageiros em caso de acidentes.

Com isso, de acordo com Mikael Andersson, da ATS, Ibra teve sua autorização para andar com o carro cassada por não obedecer às regras, já que a única condição que lhe permitia dirigir sem capacete era a de ir até uma agência para regularizar a situação, que não aconteceu.

E como funciona no Brasil?

Por aqui, não há uma legislação própria para carros desse tipo - mas era necessário existir, já que não há só a Ferrari Monza, mas também modelos pontuais vendidos em situações extraordinárias como o Lamborghini Aventador Roadster e o McLaren Elva, por exemplo.

No Brasil, segundo o Contran, o para-brisa não é considerado acessório ou equipamento obrigatório, mas sim um componente do automóvel. Sabemos que ele tem fundamental importância para o veículo, pois em conjunto com os sistemas de limpador e lavador (estes obrigatórios), deve permitir um campo de visão em um ângulo de 180º à frente do motorista, garantindo boa visibilidade, mesmo em condições climáticas adversas.

E pela finalidade de redução dos riscos de lesões aos ocupantes, é obrigatório que o vidro do para-brisa seja laminado, atendendo ao recomendado pela Resolução 254/07 do Contran.

 Ibrahimovic poderia rodar sem capacete se estivesse no Brasil. Mas e o perigo?
Legenda: Ibrahimovic poderia rodar sem capacete se estivesse no Brasil. Mas e o perigo?
Crédito: Reprodução

Desse modo, o descumprimento às normas acima indicadas (existência de danos em áreas proibidas, acima da quantidade permitida ou com limites superiores ao estabelecido) é considerado infração de natureza grave, de competência estadual, sujeitando o infrator à multa de R$ 127,69 e retenção do veículo para regularização.

Tem mais: a ausência de gravação do número de produção do veículo no para-brisa também é considerada infração grave, que sujeita o infrator à mesma multa de R$ 127,69 e retenção do veículo para regularização.

Se não for possível sanar a falha no local, o agente de trânsito poderá recolher o Certificado de Licenciamento do veículo, assinalando ao motorista um prazo para sua regularização - o veículo só é liberado para outro condutor habilitado.

Vale lembrar que dirigir um carro em mau estado de conservação, sem para-brisa ou com para-brisa quebrado, também é infração grave. A multa também é de R$ 127,69, com cinco pontos na CNH.

Esse emaranhado de regras acima significa que, no Brasil, Ibrahmovic não poderia ser multado, pois não há legislação específica para esse tipo de carroceria - afinal, é fato bem raro carros como esse serem produzidos e vendidos.

Mesmo assim, a recomendação da equipe do WM1 seria usar capacete, já que ninguém aqui rodaria a 100 km/h na estrada correndo riscos e comer mosquito a todo instante - ou algo muito pior em caso de acidente.

icon photo
Legenda: Zlatan Ibrahimovic também é um dos seletos donos de uma Ferrari LaFerrari
Crédito: Reprodução

Como é a Ferrari de Ibra

Ficou aguçado para saber do carro né? Pois vamos falar um pouco sobre ele agora. As Ferrari Monza SP1 e SP2, que têm um e dois lugares, respectivamente, fizeram parte de uma edição limitada de apenas 499 unidades, vendidas especialmente para os clientes mais fiéis da empresa, escolhidos a dedo pelos membros da cúpula italiana - como Ibrahimovic.

Ele comprou seu "presente" no começo de outubro do ano passado, ao completar 38 anos, pela "bagatela" de 1,6 milhão de euros - na época, o equivalente a R$ 9 milhões.

Superesportivos, ambos são equipados com motor V12 6.5 aspirado de 810 cv - 10 cv a mais que a 812 Superfast, modelo de rua tradicional das quais derivam - e 71,3 kgf.m de torque. Segundo os dados oficiais da fabricante, o carro acelera de 0 a 100 km/h em 2,9 segundos e de 0 a 200 km/h em 7,9 s. A velocidade máxima não foi divulgada, mas a empresa garante ser acima de 300 km/h.

 Ferrari SP1 e SP2 foram modelos especiais feitos com base na 812 Superfast e voltados para colecionadores
Legenda: Ferrari SP1 e SP2 foram modelos especiais feitos com base na 812 Superfast e voltados para colecionadores
Crédito: Divulgação
Comentários