Com que câmbio eu vou?

Entre as quatro opções disponíveis, descubra a melhor para você
  1. Home
  2. Cultura WM1
  3. Com que câmbio eu vou?
Adriana Bernardino
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

O mercado automobilístico oferece quatro tipos de câmbio: manual, automático, automatizado e o CVT, transmissão continuamente variável. Veja tabela abaixo. Qual deles se adéqua melhor ao seu bolso e estilo de vida? Demorar-se nesse questionamento vale a pena; afinal, você e seu carro vão passar um bom tempo juntos segundo previsões, a paixão costuma durar três anos. A escolha certa pode garantir mais conforto, economia e segurança ao dirigir.

“Há trinta anos, o câmbio manual era a principal opção no mercado. Os poucos automáticos, também chamados de hidramáticos, disponíveis perdiam muito nas trocas de marcha. Eram considerados coisa de idoso ou de quem tinha alguma deficiência física. O ritmo de vida e a eletrônica embarcada, porém, estão mudando essa história”, diz Reinaldo Siffert, gerente de Marketing e Produto da Citroën do Brasil”.

Segundo Siffert, apesar do avanço tecnológico, os jovens de até 30 anos são os que menos preferem carros automáticos. “Isso acontece provavelmente porque eles ainda não entenderam as vantagens desse tipo de câmbio”. Já entre homens e mulheres, de acordo com estudos da marca francesa, não há diferença. “A quantidade que gosta e que não gosta é a mesma. O que muda mesmo é a idade”.

MENOS ESFORÇO

De acordo com Henrique Sampaio, gerente de Marketing do Produto da Volkswagen do Brasil, muitos motoristas no Brasil e na Europa ainda preferem a transmissão manual, uma vez que ela possibilita uma condução mais esportiva, “especialmente em regiões sem congestionamentos e, consequentemente, sem a necessidade de trocas constantes de marchas”.

Para o consumidor que trafega durante muitas horas nos congestionamentos das cidades, entretanto, o troca-troca de marchas talvez não seja a melhor escolha. “A transmissão automática convencional evoluiu muito tecnicamente nos últimos anos, graças aos recursos eletrônicos, ao bloqueio do conversor de torque, a suavidade na troca de marchas e ao controle sequencial. É uma boa opção para quem busca conforto ao volante”, avalia Henrique Sampaio.

Nem sempre o problema está no preconceito contra o câmbio automático, mas no bolso do consumidor. Uma transmissão automática eleva, em média, o preço do carro em R$ 4 mil. Essa é a diferença entre, por exemplo, um C3 manual e um automático. Um novo Jetta 2.0 ou Golf 2.0 com câmbio automático Tiptronic custará R$ 4.235 a mais.

Uma opção no meio do caminho é a transmissão automatizada. Segundo Henrique Sampaio, este conceito de transmissão foi desenvolvido para carros compactos e médios, pois não provoca perda de potência nem aumento de consumo, além de custar consideravelmente menos.

Para modelos Volkswagen, o motorista teria de desembolsar R$ 2,7 mil a mais por um Gol, Voyage, Fox, Polo, SpaceFox nas versões I-Motion. Segundo Sampaio, as principais vantagens dessa transmissão são o conforto similar ao das transmissões automáticas por um preço menor. “O desempenho é o mesmo de uma transmissão manual convencional, o motorista tem autonomia total na escolha da marcha a ser utilizada, há a possibilidade de atuação em modo automático esportivo, visando à maior agilidade e rapidez nas acelerações, além da durabilidade, plano de manutenção de componentes de desgaste e disponibilidade de peças similares aos de uma transmissão manual”, explica ele.

Entre os semiautomáticos, mas para o segmento de alto luxo, há ainda a opção de transmissão automatizada de dupla embreagem o chamado câmbio DSG, na VW; S-Tronic, na Audi; e Power-Shift, na Ford/Volvo. “Essa alternativa não apresenta desvantagens em termos de economia de combustível e desempenho do veículo, permitindo ainda números idênticos ou melhores nas acelerações e velocidade máxima. As trocas de marchas são suaves, oferecendo a vantagem adicional da utilização em modo manual através do sistema sequencial pela manopla de câmbio ou pelas borboletas no volante. Além disso, as trocas de marchas são mais rápidas e perfeitas, sem interrupção da potência de tração”, diz Sampaio.

A última– e menos comum – opção é a transmissão continuamente variável CVT. Usando polias ao invés de engrenagens, esse tipo de câmbio não possui um número limitado de marchas. “Entre as vantagens do CVT estão maior aproveitamento do torque do motor e trocas de marchas imperceptíveis”, diz o engenheiro Fernando Landulfo, professor de mecânica da escola Senai Vila Leopoldina-SP. Adotam esse câmbio o Nissan Sentra, alguns modelos da Audi e da Mercedes-Benz, o Ford Fusion híbrido e a primeira geração do Honda Fit.


CÂMBIO, TESTANDO

A WebMotors convidou a secretária Antônia Zaninette para testar o Citroën C4 hatch com transmissão automática. Além do fato de nunca ter guiado um carro que não fosse manual, outro aspecto nos interessou nessa motorista: a teimosia. “Nunca dirigi um carro automático, mas já aviso que não vou gostar”, garantiu, antes de virar a chave.

Depois de receber as instruções de como usar o câmbio, Antônia começou seu teste pelo quarteirão. Nas primeiras voltas, a mão direita insistia em interferir na marcha; e o pé esquerdo, transformar freio em embreagem. “Acho que não vou me acostumar”.

Passados cinco minutos, porém, a tensão no rosto foi desaparecendo. “Tenho de dar o braço a torcer, nunca imaginei que fosse tão bom dirigir um carro automático. Além do conforto, sobra mais atenção para o trânsito”, avaliou a secretária.

Seguimos para as subidas. A tecnologia que impede o carro de voltar para trás enquanto o motorista troca o freio pelo acelerador conquistou de vez a motorista. “É maravilhoso não ter de se preocupar se o carro vai descer, especialmente quando outros motoristas colam na traseira. Meu próximo carro vai ser um automático”, garantiu.

Essa, claro, é uma opinião muito pessoal. O ideal é você fazer sua própria avaliação. Para quem nunca dirigiu um carro automático, a dica é testá-lo com alguém que tenha experiência.

CÂMBIO A CÂMBIO

O engenheiro Fernando Landulfo explica, abaixo, como funciona cada câmbio, suas vantagens e desvantagens. Confira:


MANUAL
Constituído de pares de engrenagem que fazem as relações. Possui número fixo de velocidades marchas, definidas pela relação de dentes entre os pares engrenados. Os engates das marchas à frente são feitos com ou sem a ajuda de conjuntos sincronizadores nas caixas mais antigas. A marcha a ré geralmente não é sincronizada. A seleção de marchas se dá por meio de garfos, operados manualmente, através de cabos ou tirantes de comando pela alavanca de mudanças. Alguns modelos dispõem de uma caixa multiplicadora externa over drive operada eletricamente. Podem ser instaladas na dianteira ou traseira do veículo, na posição longitudinal ou transversal, incorporando ou não o diferencial. Uma manutenção corretiva - que proporcione durabilidade - exige mão de obra treinada. Necessita de troca periódica de óleo de acordo com as recomendações do fabricante.

VANTAGENS
Bastante robusto, tem uma vida útil longa quando bem utilizado e exige pouca manutenção. Na ocasião de uma revisão, após uso sob condições normais, via de regra, exige apenas a troca dos materiais mais sujeitos ao desgaste: rolamentos, garfos, conjuntos sincronizadores total ou parcial e vedadores. A disponibilidade de peças de reposição, originais ou paralelas, é relativamente grande. Além disso, se ligadas ao motor por meio de uma embreagem convencional, não dissipam potência por escorregamento.

DESVANTAGENS
Exige atuação quase que constante do condutor do veículo, que é bastante sacrificado, quando dirige sob tráfego pesado. Necessário treinamento para sua utilização: a seleção incorreta das marchas, para cada situação de condução, pode prejudicar o motor excesso ou falta de rotações, além de aumentar tremendamente o consumo. Além disso,  quando ligadas ao motor por um sistema de embreagens convencional, esta também deve ser corretamente operada, a fim de evitar desgaste prematuro do conjunto queima de embreagem, danos à caixa de marchas trancos e "arranhadas" durante a mudança, ou mesmo, acidentes. Alguns conjuntos transversais são relativamente barulhentos quando desengatados. Com o uso, o conjunto seletor de marchas tende a ficar com uma folga irritante, exigindo sua revisão. O conjunto de embreagem se desgasta exigindo substituição. A manutenção corretiva exige mão de obra treinada e, por vezes, ferramental especializado: uma coisa é consertar, outra é consertar bem, proporcionando durabilidade.


AUTOMÁTICO
Possui número fixo de marchas, definidas por um ou mais trens "epicicloidais" conectados entre si. As mudanças ocorrem quando se aciona ou freia partes desses "trens", por meio de cintas ou embreagens que, por sua vez, são acionadas por pistões hidráulicos. O sistema hidráulico é alimentado por uma bomba interna e comandado por válvulas que abrem e fecham, por diferença de pressão, ou através de solenóides, comandados com uma central eletrônica computadorizada. Podem ser instaladas na dianteira ou traseira do veículo, na posição longitudinal ou transversal, incorporando ou não o diferencial. A seleção das marchas é feita de forma automática, através de dispositivos mecânicos, ou comandada por uma central eletrônica, que seleciona o melhor momento de troca e a melhor marcha, tomando como base uma série de informações, recolhidas por sensores ou pela interação com outras centrais eletrônicas do veículo. Alguns modelos disponibilizam programas de "trocas esportivas", condução em pista congelada, ou a seleção manual das marchas, por meio de borboletas instaladas na coluna da direção, ou na alavanca seletora do sistema. É totalmente compatível com sistemas de tração nas quatro rodas ou integral. Necessita de troca periódica de óleo e filtro de acordo com as recomendações do fabricante, assim como ajuste das cintas de freio em alguns modelos.


VANTAGENS
Proporciona conforto ao condutor. É bastante robusto, tem vida útil longa quando bem utilizado e exige pouca manutenção. Na ocasião de uma revisão, via de regra exige apenas a troca dos materiais mais sujeitos ao desgaste: rolamentos, discos das embreagens internas, cintas de freio e vedadores, além de uma inspeção no conversor de torque acoplamento hidráulico que substitui a embreagem. As equipadas com comando computadorizado selecionam, de forma suave e impecável, a melhor hora de troca e a melhor marcha, visando à economia e/ou desempenho, dependendo do recurso selecionado. Em manual, permite uma condução mais esportiva, ou um melhor aproveitamento do freio motor em declives longos e acentuados.

DESVANTAGENS
É intolerante com uso fora das condições para as quais foram fabricadas. Sua durabilidade está diretamente atrelada à troca periódica do óleo e do filtro quando recomendado pelo fabricante. A manutenção corretiva é relativamente cara, pois exige mão-de-obra especializada. As peças só podem ser encontradas em casas especializadas ou nas concessionárias. Não aceita "quebra galho" na hora do reparo. O conversor de torque dissipa um pouco da potência do motor através do escorregamento entre suas partes. No entanto, os conversores mais modernos são equipados com sistema "lock-up" que, em determinadas situações, une mecanicamente cambio e motor eliminando o problema do escorregamento.


AUTOMATIZADO
Desenvolvido e aperfeiçoado na Fórmula 1, pode-se dizer, simploriamente, que são câmbios manuais, dotados de embreagem convencional, cujo acionamento da embreagem e do mecanismo seletor de marchas se dá por meio de servo atuadores, que são comandados eletronicamente. O condutor seleciona as mudanças por meio de borboletas instaladas na coluna da direção ou na alavanca seletora do sistema. Modelos de passeio também disponibilizam a seleção e troca das marchas totalmente automática. No modelo superesportivo a troca se dá em fração de segundos.

VANTAGENS
Para os populares, simplicidade e baixo custo de manutenção de um câmbio manual, aliados ao conforto e as demais vantagens de um sistema automático. Para os superesportivos trocas extremamente rápidas e precisas.

DESVANTAGENS
Maior custo de aquisição. Quanto à durabilidade, robustez e custo de manutenção, faltam informações mais precisas para uma análise mais profunda.


CVT
Sigla de "Continuously Variable Transmission", proporciona infinitas marchas. Dessa forma, tem-se uma aceleração contínua, mantendo a rotação do motor praticamente constante. Podem ser construídas por meio de polias variáveis, toróides ou cones. O controle do sistema é totalmente eletrônico.

VANTAGENS
Mudanças imperceptíveis. Enorme suavidade. Maior aproveitamento do torque do motor.

DESVANTAGENS
Altíssimo custo de reparação quando possível e maior limitação de torque. Quanto a durabilidade e robustez, por ser um sistema de uso restrito, faltam informações mais precisas para uma análise mais profunda.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors