Conheça a história do Honda Civic no Brasil

No Dia da Imigração Japonesa, veja a trajetória do sedã, um dos principais sucessos da marca nipônica em nosso país

  1. Home
  2. Cultura WM1
  3. Conheça a história do Honda Civic no Brasil
Fernando Miragaya
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

A chegada dos carros japoneses ao Brasil aconteceu décadas depois da vinda dos primeiros imigrantes nipônicos. Mas foi tão marcante quanto. As montadoras orientais se consolidaram no início dos anos 1990 já com a imagem de veículos com qualidade de construção e tecnologia.

Uma das primeiras a se destacar foi a Honda. E um dos carros que logo se tornou referência dentro da linha da fabricante no país foi o Civic. O atual segundo sedã médio mais vendido do país começou importado e, de cara, chamou a atenção pelo nível de conforto e de confiança mecânica.

O sucesso foi rápido e o Civic ganhou cidadania brasileira rapidamente. Começou a ser fabricado em Sumaré (SP), em 1997, e mudou algumas vezes de geração desde então. No Brasil, trava uma briga particular com o arquirrival Toyota Corolla pela liderança do segmento.

No Dia da Imigração Japonesa, trazemos a história do Honda Civic por aqui. O sedã já contabiliza mais de 700 mil unidades produzidas no Brasil e mais de 715 mil comercializadas desde 1992, quando desembarcou pela primeira vez em nossas terras.

Quinta geração - 1992

icon photo
Legenda: A história do Honda Civic no Brasil começou com o sedã, que desembarcou por aqui em 1992
Crédito: Reprodução

A história do Honda Civic no Brasil começa no embalo da flexibilização das importações. Os sedãs estreantes, em 1992, curiosamente vinham dos Estados Unidos (eram feitos em Ohio) e com motor 1.6 de 125 cv - com opção de câmbio manual de cinco marchas ou automático de quatro velocidades.

icon photo
Legenda: Lembra das versões hatch do Civic? Vieram com as primeiras levas do modelo japonês

Nesta fase inicial, o Civic também foi vendido em configurações icônicas e que se tornaram raras - e viraram verdadeiras preciosidades no segmento de usados. Entre elas, carrocerias hatch, cupê e até targa - lembram das versões CRX e VTI?

Sexta geração – 1997

Foi o primeiro produzido no Brasil e trouxe algumas inovações importantes para a história do Honda Civic. A sexta geração do sedã usava suspensão independente traseira e barras de proteção laterais. O motor 1.6 tinha bloco e cabeçotes de alumínio, algo inovador para a época. Gerava 106 cv ou 127 cv, na configuração com o comando variável de válvulas.

icon photo
Legenda: Primeiro Honda Civic nacional foi lançado em 1997 e inaugurou uma trajetória de sucesso
Crédito: Divulgação

Esse modelo também tinha opção de duas e quatro portas. As versões mais caras saíam de fábrica com freios ABS e airbag duplo frontal - itens que são obrigatórios nos dias de hoje. Controle de cruzeiro e opção de transmissão automática também fizeram parte do primeiro Civic nacional após o face-lift de 1999.

Sétima geração - 2001

Talvez uma das fases mais "queridas" do sedã médio da marca japonesa, por aliar design simpático e ótimo nível de conforto com novos motores e boa dose de equipamentos. O segundo Honda Civic brasileiro foi lançado em dezembro de 2000, já como linha 2001, e se destacava também pelo porta-malas maior, mais espaço interno e assoalho plano para os ocupantes traseiros.

icon photo
Legenda: A sétima geração foi marcante na história do Honda Civic por ter assumido a liderança do segmento
Crédito: Divulgação

A suspensão ganhou acerto mais macio - queixa dos clientes da primeira geração - e barra estabilizadora. O três-volumes só foi fabricado com quatro portas e motor 1.7 de 16V, com potências de 115 cv e 130 cv. No primeiro ano teve mais de 21 mil emplacamentos e assumiu a liderança do segmento de sedãs médios, à frente do Corolla. Passou por uma reestilização de meia-vida em 2004.

Oitava geração - 2006

Em 2006, a marca ousou bastante. Chamado de New Civic, o modelo quebrou paradigmas de um segmento para lá de tradicional e se tornou um ícone dentro da história do Honda Civic. O sedã médio estreou design arrojado - bem mais moderno que o do rival da Toyota - e inovações, como quadro de instrumentos em duas seções e painel voltado para o motorista.

Veio com motor 1.8 16V de 140 cv e câmbio automático de cinco marchas. Foi, sem dúvida, a geração que mais deu trabalho ao rival Corolla ao longo de sua existência. Em 2009, uma remodelação marcou os 300 mil Civic produzidos no Brasil e incorporou controle eletrônico de estabilidade para a versão mais cara da linha.

icon photo
Legenda: O New Civic quebrou a tradição classuda dos sedãs médios e mexeu com a categoria
Crédito: Divulgação

De ruim, o porta-malas de 340 litros, menor até do que o de sedãs compactos. Isso porque esta geração foi projetada para ter estepe de uso temporário, algo ainda não permitido pela legislação brasileira na época. O fabricante teve de elevar o assoalho e sacrificar o compartimento de bagagem.

O oitavo Honda Civic ainda marcaria a estreia, por aqui, da versão Si. Com motor 2.0 i-VTEC de 192 cv e transmissão manual de seis marchas, a variante esportiva do sedã tinha acerto firme de freios e suspensão, além de bloqueio do diferencial.

Nona geração – 2012

O Honda Civic voltou a beber em fontes mais tradicionais de design. Porém, cresceu novamente no comprimento (4,52 m) e no entre-eixos (2,66 m) - e passou a ter um porta-malas de modelo médio, com 449 litros de capacidade.

icon photo
Legenda: Civic de 9ª Geração ficou maior e mais confortável para roubar a liderança da Toyota
Crédito: Divulgação

A nona geração manteve o motor 1.8 - agora flex -, com 140/139 cv e a opção de caixa automática de cinco marchas. A direção passou a ter assistência elétrica adaptativa e o painel em dois níveis foi redesenhado. O sedã também estreou a central multimídia i-Mid, com tela de 5 polegadas e conexões Bluetooth e USB. As versões mais caras vinham com airbags laterais.

Um dos destaques desta leva do Honda Civic era justamente a ergonomia e dirigibilidade, o que fez o modelo ser o líder da categoria novamente, em 2013. No ano seguinte, nova opção de motor 2.0 i-VTEC de 155/150 cv e em 2014 o carro passou por retoques visuais. No mesmo ano, a esportiva Si foi importada do Canadá com motor 2.4, câmbio manual de seis marchas e na configuração cupê.

Décima geração - 2016

O Civic retornou ousado em agosto de 2016. Em vários sentidos. A atual "Geração 10" voltou a apostar no desenho futurista, com linhas integradas na frente, caimento acentuado da terceira coluna e traseira elevada e com lanternas em estilo bumerangue.

icon photo
Legenda: Honda Civic Geração 10: sedã mais uma vez aposta na ousadia e tecnologia
Crédito: Divulgação

O carro também cresceu. Com 4,63 metros de comprimento, 2,70 m de entre-eixos e porta-malas de 519 litros, incorporou o câmbio do tipo continuamente variável (CVT) com sete marchas simuladas em conjunto com o conhecido motor 2.0 flex aspirado.

Mas a grande novidade mecânica desta geração foi a estreia da versão turbo Touring. Com o 1.5 a gasolina de 173 cv e 22,4 kgf.m a 1.700 rpm, esta variante se destaca pelo desempenho forte, aliado a uma ótima média de consumo e baixo custo de manutenção.

Cabe à variante Si desta atual geração usar o motor turbo para fins de performance. O conjunto gera 208 cv de potência a 5.700 rpm e torque máximo de 26,5 kgf.m disponível a partir das 2.100 rpm. Suspensão mais firme e com amortecedores adaptativos, diferencial com escorregamento limitado, discos de freio de 12,3 polegadas na dianteira e pneus 235/40 R18 completam o pacote esportivo.

icon photo
Legenda: Novo Civic Si usa motor turbinado de 208 cv e amortecedores adaptativos
Crédito: Divulgação

Na linha 2020, o atual Honda Civic passou por mudanças pontuais e democratizou boa parte dos seus equipamentos. Além dos seis airbags e controles de estabilidade e tração, todas as versões saem de fábrica com ar-condicionado automático e rodas de liga leve aro 17”.

Assista ao vídeo com o duelo Civic x Corolla

Comentários