Dicas de como economizar com o carro 0 km

Automóvel traz a reboque outras despesas, mas é possível pesquisar os custos de cada modelo antes de fechar negócio

  1. Home
  2. Bolso
  3. Dicas de como economizar com o carro 0 km
Fernando Miragaya
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Comprar um automóvel é sempre sinônimo de entusiasmo. Mas é preciso pôr na balança que carro precisa de manutenção, demanda custos de impostos e seguro e também gasta combustível. Por isso, relacione os veículos que estão no seu radar de compra e faça uma pesquisa prévia sobre cada um.

Boa parte deste levantamento pode ser feita de casa ou do smartphone. Informações sobre consumo e revisões estão disponíveis na internet ou em aplicativos para celular. Desempenho dos modelos e reputação da marca também estão acessíveis nas avaliações e reportagens do WM1 e em sites de defesa do consumidor.

É fundamental somar todos os custos e considerar o impacto dentro do orçamento. O professor de Finanças e coordenador do Curso de Administração do Ibmec-RJ, Samuel Barros, ressalta que um carro econômico deve representar gasto (sem contar o combustível) de 12,5% do valor do veículo por ano.

“O consumidor tem que ficar bem atento, pois, às vezes, o carro é 'barato' na compra e muito 'caro' na manutenção. Ele deve lembrar que carros antigos pedem mais manutenção que carros novos, normalmente”, diz. Veja como economizar com o carro e o que ponderar na compra do veículo.

Manutenção

Talvez seja o ponto mais importante a se considerar após a compra do veículo. Pesquise nas concessionárias ou no mercado de reposição o custo de peças que requerem mais trocas, como filtros de óleo e ar, pastilhas e discos de freio, pneus, correias e correntes, velas e amortecedores e outros componentes da suspensão.

Observe qual tipo de óleo o carro usa e o seu custo. Jamais use produto fora das especificações determinadas pelo fabricante, pois isso compromete a vida útil do motor. Leia reportagens a respeito dos carros e sobre as marcas. Muitos fabricantes têm fama de pós-venda complicado e com peças difíceis de achar e com reposição demorada.

icon photo
Legenda: Custos com manutenção e revisões devem ser observados antes da compra do veículo
Crédito: Divulgação

A propósito, a manutenção preventiva e o uso de componentes de marcas renomadas pode até parecer mais cara. Mas minimizam problemas futuros que vão cobrar uma conta mais salgada. E inconvenientes, como ficar com o automóvel parado no meio de uma viagem.

Peças externas

Pesquise itens externos mais vulneráveis a avarias, como faróis, lanternas e retrovisores. Geralmente no segmento de entrada e compactos, são componentes de baixo custo. Mas, conforme o modelo, o conjunto de farol de um SUV compacto pode custar mais de R$ 2.500. E tem muito kit de retrovisor de sedã que passa dos R$ 1.500.

Outra fonte interessante é o Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi Brasil), que elabora o Car Group, índice de reparabilidade dos veículos - que serve de parâmetro para as companhias de seguro e para o mercado de reposição. Há tabelas comparativas e é possível verificar se um automóvel é mais caro de reparar e manter do que outro.

Revisões

Em seus sites, a maioria das marcas já divulga e agenda as visitas com preço fixo e com a relação do que será verificado e trocado. Se o seu seminovo tem pouco uso ou você comprou carro 0 km, lembre-se que fazer as revisões nas concessionárias é condição para ter o veículo coberto pela garantia de fábrica.

Basta ir no portal da montadora na internet, escolher o modelo e selecionar a quilometragem das revisões que precisam ser feitas. Muitos fabricantes ainda têm tabela de revisões após os 60.000 km, como Chevrolet, Ford, Renault e Volkswagen.

Se o seu carro já passou da garantia e você prefere o mecânico de confiança, converse com ele. Pergunte ao profissional como é a manutenção dos modelos da sua pesquisa, a facilidade em encontrar peças e o custo médio de revisões na oficina independente. Fale também com outros donos e pesquise em fóruns na internet.

Consumo

Você pode conferir o consumo e o índice de eficiência dos carros como se comprasse uma geladeira. Os adesivos estão disponíveis nos carros 0 km e fazem parte do Programa Brasileiro de Etiquetagem Veicular, mas também podem ser conferidos no site ou no aplicativo para smartphone do Conpet.

Índice verdinho significa que o carro bebe pouco. Basta selecionar o carro e o ano para se ter informações das médias de consumo na cidade e na estrada - carros flex trazem as informações com etanol e com gasolina -, as notas de classificação de E (menos eficiente) a A (mais eficiente) na comparação na categoria e no geral, além do selo (ou não) de eficiência energética.

icon photo
Legenda: Programa de etiquetagem veicular mostra a média de consumo de todos os carros vendidos no país
Crédito: Divulgação

Os testes de consumo são feitos pelo Inmetro desde 2009, mas só nos últimos anos todas as montadoras aderiram ao programa. O especialista em Finanças, Samuel Barros, adverte que gastos com combustíveis não devem comprometer mais do que 5% da renda mensal.

Seguro

Outra forma de pesquisa online prática toda vida. O AutoCompara da Webmotors e outros sites de corretoras e companhias de seguro têm um formulário digital onde é possível cotar as apólices de diferentes modelos. É preciso preenchê-lo com dados sobre a versão e ano do veículo, além de informações pessoais - como idade, filhos, CEP, tipo de garagem e o uso do carro - que servem para análise do seu perfil.

Muitos desses canais digitais cotam automaticamente o preço do seguro e da taxa de franquia de diferentes empresas - às vezes, são mais de 10 -, de acordo com seu perfil e com o índice de sinistralidade e reparabilidade do automóvel. E a diferença do custo não só de uma seguradora para outra, mas de um carro para outro, pode variar em mais de 300%.

IPVA

Esse é tão certo no início do ano como as metas de réveillon. Em média, o Imposto sobre Propriedade de Veículos Automotores incide entre 2% e 4% sobre o preço de mercado do carro. Uma dica é ver qual alíquota praticada no seu estado e ver o preço do carro na tabela Fipe. Aí, é fazer a conta da porcentagem para saber aproximadamente quanto você pagará do IPVA.

Reputação da marca

Converse com donos de veículos e marcas para saber como foi a experiência não só com o automóvel, mas principalmente do pós-venda. Acesse também páginas de órgãos de defesa do consumidor para avaliar e analisar como a marca se posiciona em relação às queixas dos consumidores.

Calculadora

Não há uma regra fixa, mas o prudente é que o carro não represente mais do que 10% do orçamento. “Cabe lembrar que as revisões são periódicas, o seguro e o IPVA são anuais, assim o consumidor deveria fazer reserva. Esses gastos não estão relacionados a combustíveis e consumíveis necessários para o dia a dia”, afirma Samuel Barros.

 

Comentários