Guia de Compra – Volkswagen Saveiro

Leia as melhores dicas para a aquisição da picape VW Saveiro
  1. Home
  2. Bolso
  3. Guia de Compra – Volkswagen Saveiro
Mídia Motor
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Após o lançamento de Gol, Voyage e Parati no início dos anos 80, a Volkswagen via-se diante de um desafio a ser enfrentado, afinal, suas maiores rivais, Fiat e Ford, já possuíam suas picapes de pequeno porte (Fiorino e Pampa, respectivamente) com as quais dividiam a liderança do mercado. Com isso, seus excutivos decidiram que era chegado o momento de atacar este segmento e com isso, em setembro de 1982, apresentaram a Saveiro, nome inspirado em uma embarcação capaz de transportar passageiros e carga sem perder a elegância – pouco tempo depois a GM lançava a Chevy 500, ampliando a gama de concorrentes nesta faixa de mercado.

Embora seus irmãos Voyage e Parati já tivessem recebido em suas primeiras gerações o motor MD 270 1.5 refrigerado a água, para a Saveiro foi destinado o 1.6 refrigerado a ar que equipava o Gol e com seus 66 cv de potência, tinha motor suficiente para dar conta de sua capacidade de carga (570 kg), entretanto, o estepe atrás do banco do passageiro resultava em um ressalto na caçamba que acabava por roubar espaço destinado a carga. Abolida no gol, a barra estabilizadora traseira foi incorporada à Saveiro, além de uma válvula equalizadora que ajudava a ampliar a estabilidade nas frenagens.

Mas o grande salto qualitativo nesta primeira fase do carro ocorreu em 1985, quando a Saveiro na versão LS recebeu o motor AP600, o que trouxe a credibilidade deste propulsor à picape, deixando-a mais rápida e econômica.

Dois anos mais tarde, em 1987, surgiria a primeira remodelação do carro: o para-choque tornava-se envolvente (mas com chapa de aço em seu interior) e recebia novos faróis, grade e lanternas; no ano seguinte, mais mudanças viriam, desta vez, contemplando painéis, rodas, espelhos retrovisores e volante.

Em 1989 o carro recebia novos faróis, logo batizados de “chinezinhos” devido à sua conformação – as lanternas traseiras também foram remodeladas e com isso, a parte da ré passava a ser envolvida em acrílico vermelho – e no ano seguinte, receberia também a versão AP800 do confiável motor da VW, abrindo um novo precedente de performance à picape, já que com isso, o carro ganhava mais cerca de 6 cv na versão a álcool e três na gasolina. Este motor surgiu como uma opção à versão 1.6, que passava a receber o AE 1600, da Ford, fruto da fusão com a Autolatina.

Em 1991 a Saveiro recebeu um face lift que a deixou com a aparência renovada e as nomenclaturas para identificar as versões mudavam: saíam de cena as L e LS e entravam as CL e GL. Mas foi em 1993, com o lançamento da versão Sunset, que a Saveiro despertou a atenção de um público mais jovem, que já via no carro apelos esportivos e joviais, além da praticidade para uso urbano e em viagens. A Sunset vinha equipada com motor AP800, bancos Recaro aveludados, quatro faróis de neblina, santantonio, rodas de liga-leve aro 14, ganchos para amarração de carga na caçamba, lanternas traseiras fumê, faixa decorativa na caçamba em tons vermelho e laranja. Em 1996 surgia a Summer, mas embora apresentasse alguns itens diferencias, não tinha a mesma personalidade de sua antecessora.

As novas gerações

Os modelos 1997 foram os últimos que marcaram a primeira geração da Saveiro, já que em 1998 o carro recebeu a mesma inspiração de design que marcou a remodelação da família BX. Batizada de “bolinha”, pelo fato de as linhas arredondadas terem conferido este apelido ao Gol, a Saveiro agora saía de fábrica com caçamba e entre-eixos maior o que elevou sua capacidade de carga para 700 kg, além de também apresentar extensão da cabine, ampliando o conforto para os ocupantes e possibilitando carregar alguns objetos e mochilas em seu interior. No ano seguinte saía a versão TSi, cujo apelo esportivo estava nas motorizações 1.8 e 2.0 (esta última com 109 cv) e no logotipo aplicado à grade.

Em 2000 o carro entraria em sua terceira geração e muito embora tenha recebido uma nova frente e interior, a traseira continuava a mesma, sem alterações nas lanternas ou tampa traseira. foi somente em 2002 que os engenheiros da Volkswagen conseguiram tirar o estepe de dentro da cabine e o colocaram na caçamba, acabando de vez com a limitação de espaço ao passageiro.

2002 - foi o ano que a Volkswagen viu a liderança neste segmento ser perdida para a Fiat Strada e neste ano surgia mais uma versão da Saveiro, a SuperSurf, devido ao patrocínio da marca ao Campeonato Brasileiro da modalidade. Esta buscava sensibilizar mais uma vez uma parcela dos consumidores jovens e para isso, além do nome, o carro trazia alguns diferencias, entre eles, capota marítima, soleira das portas pintadas de preto para os carros pintados em cores claras, janela traseira corrediça, aro tubular de proteção, banco do motorista com regulagem de altura e rodas de liga-leve aro 15”, além, claro, do logotipo de identificação da série com ondas em azul degradê.

Em 2003 a Saveiro recebia o motor 1.6 Flex e em 2004 mais uma versão era lançada, desta vez, a Crossover 1.8 e em 2005, saía de fábrica com selos com o número do chassi gravado, aplicado em diversas partes do carro. Em 2006 a VW reeditaria duas versões da Saveiro: a Crossover – desta vez com motor 1.6 Flex – lançada em fevereiro e a SuperSurf, lançada em março e limitada a apenas 4.000 unidades e que trazia interior cinza, lanterna traseira fumê, para-choques, espelhos e grade na cor do carro, entre outros itens diferenciais.

Em 2006, numa tentativa de oferecer um diferencial que baixasse o valor dos seguros do carro, a Volkswagen lançava o rastreador nas Saveiros (mas com habilitação e manutenção do serviço por conta do proprietário) vendidas na Grande São Paulo e Grande Rio de Janeiro. 2007 foi a vez da edição da Série Titan, equipada com motor Flex 1.6 e da Surf, esta com motorização 1.6 e 1.8, ambas flexíveis e em 2008 saem de linha as versões City e Plus, enquanto que versão titan recebe pneus de uso misto (all terrain).

Este foi o último ano da segunda geração da Saveiro, já que em 2009 o carro recebia os eflúvios da 5ª. geração do Gol; com ela surgia as versões 1.6 (destinada a frotas), Trend, a intermediária e a Trooper, com opção de cabine estendida ou simples e rodas aro 15”, claçadas com pneus 205/60. A versão Cross com cabine estendida surgia em 2010, mais incrementada que a tímida Trooper que não conseguiu sensibilizar suficientemente o comprador da Fiat Strada Adventure, porém, disponível apenas com motorização 1.6 Flex.

Ao completar 30 anos, a Volkswagen não preparou nenhuma novidade para comemorar a data festiva para a Saveiro, Para 2012, a Trooper continuou e mudanças cosméticas foram aplicadas no carro. As versões CE e CS receberam novas faixas laterais, lanternas escurecidas, rodas de aço pintadas de escuro e preparação para som. Opcionalmente, podem receber rodas de liga-leve escurecidas e revestimento interno na cor Native Vienna – o motor 1.8 Flex ficou de fora da lista.

Fique Atento

Se você está interessado em adquirir uma Saveiro usada, fique atento a alguns pequenos detalhes. Por ser um carro bastante admirado por jovens, alguns as compram e realizam modificações em sua mecânica e suspensões. Portanto, atente para eventuais ruídos no motor, abas internas dos para-lamas rebatidas para a colocação de rodas maiores e até mesmo, eventuais trincas nas colunas de direção, já que carros rebaixados que recebem pneus de perfil baixo podem sofrer apresentar este tipo de dano em função dos buracos. Estas trincas também podem aparecer na parede de fogo, aquela chapa de metal que separa o habitáculo do motor, pelo mesmo motivo.

Modelos 1993 a 1996, equipados com carburador eletrônico, também não costumam ser muito bem vistos pelo mercado, devido a alguns problemas que surgem na peça.

Além disso, também analise o estado da caçamba e se notar arranhados em excesso, pode ser que o carro tenha sido malhado em transporte.
Problemas de ruídos e de desgaste excessivo dos freios são relatados por alguns proprietários da Saveiro G5. Não é difícil encontrar na internet relatos de pessoas que sofreram acidentes devido à falhas nos freios.

Por fim, veículos utilitários têm seguro mais caro que os convencionais. Faça uma consulta ao seu corretor antes de fechar o negócio, para evitar sustos posteriores.

Recall

Apesar dos problemas com os freios da Saveiro G5, a VW do Brasil até hoje não convocou um recall para solucionar o problema deste sistema. O cavalete e pinça do freio dianteiro já havia sofrido um pedido de recall da marca em 2002 e um novo em 2007, mas até agora, nenhuma comunicação oficial da marca foi feita para a G5.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors