Lady Driver: app de transporte exclusivo para elas

Plataforma foi criada há três anos e já reúne 60 mil motoristas e 1,3 milhão de passageiras

  1. Home
  2. Bolso
  3. Lady Driver: app de transporte exclusivo para elas
Renan Rodrigues
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Desde 1962, o Brasil permite que mulheres trabalhem sem a necessidade de autorização dos seus maridos ou pais. No entanto, muitos homens, em plenos Século XXI, ainda não conseguem entender que mulher deve e pode fazer tudo que ela quiser, inclusive se vestir como quiser, trabalhar com o que quiser e ir para onde quiser. Em uma dessas situações, Gabryella Correa foi assediada em um carro de aplicativo.

Além de todo o espanto e raiva com a situação, aquele momento mudou a vida dela e de milhões de outras mulheres, graças à inspiração para criar a Lady Driver. Para quem ainda não conhece, essa é considerada pelo jornal The Financial Times a maior plataforma de transporte feminino do mundo.

Ela é composta por 60 mil motoristas e 1,3 milhão de passageiras. E só mulheres podem dirigir ou chamar corridas (homens apenas acompanhados de mulheres podem viajar).

Isso não é segregação?

Gabryella nos contou que muitos homens acusam a empresa de segregar, uma vez que não deixa homens dirigirem ou usarem a plataforma. No entanto, na verdade, é justamente o contrário.

A ideia é ingressar a mulher que deseja trabalhar ou fazer um renda extra nesse mercado. Uma vez que nas demais plataformas apenas 5% dos profissionais são mulheres.

mulher ao volante
icon photo
Legenda: Mulheres costumam dirigir de maneira mais segura
Crédito: iStock

As motoristas também sofrem outros problemas nas demais plataformas de transporte. Segundo nos contou a fundadora e CEO do Lady Driver, é comum cancelarem corridas somente pela motorista ser mulher, o que denota o velho preconceito que "mulher não dirige bem".

Bom, na verdade, segundo diversas pesquisas, mulheres dirigem com mais cuidado que homens. Até por isso, geralmente, o seguro automotivo para elas é mais barato.

Isso sem contar quando homens resolvem descer da corrida sem realizar o pagamento. E, por fim, a situação mais terrível possível: os inúmeros casos de assédios e estupros.

Mas nem todo homem

Essa frase virou mantra dos homens quando reclamam de alguma generalização. É óbvio que nem todo homem comete assédio ou tentará estuprar alguém. Porém, pense um pouco, para chegar ao ponto de uma mulher precisar criar toda uma plataforma pensando na segurança das mulheres, é que algo está errado? Mas onde?

Primeiro, no próprio comportamento desses homens, mas também nas plataformas. Gabryella ressalta que há pouco investimento dos concorrentes em treinamento e até mesmo no recrutamento dos motoristas. A seleção não é das mais rígidas, exigindo apenas um histórico de criminalidade.

O que as mulheres acham?

Os feedbacks, tanto nas redes sociais como internamente, são positivos. A grande maioria das passageiras diz se sentir mais segura e à vontade quando estão com uma motorista. As profissionais também, pois sabem que raramente vão sofrer algum tipo de violência.

mulher no banco do motorista colocando o cinto de segurança
icon photo
Legenda: Mulheres se sentem mais seguras com outras mulheres
Crédito: iStock

A prova está no número de downloads. Em 2019, o Lady Driver chegou a ficar uma semana como o aplicativo mais baixado do país, acima de sucessos como Instagram e WhatsApp.

Como empresas e homens podem ajudar?

Para Gabryella, que não considera Uber e 99 como concorrentes, uma vez que ela busca entregar qualidade e segurança diferenciados no Lady Driver, as empresas precisam investir em treinamentos para que os motoristas respeitem as passageiras.

Não é por que a mulher está como um "short tipo Anitta", que ela está querendo algo. Lembre-se, "não é não". Quanto aos homens, o primeiro passo é bem simples: respeito. Respeite a mulher que está trabalhando ou mesmo a que está como passageira.

Quais os próximos passos?

"A partir de abril, abriremos uma nova rodada de investimentos. A ideia é levar o Lady Driver para 30 ou 50 cidades nos próximos dois anos", explica Gabryella. Atualmente, o aplicativo funciona apenas em São Paulo, mas os planos são de ampliar para outras grandes cidades.

Segundo a executiva, há diversos interessados em levar a plataforma para outras localidades. E caso você seja um(a) interessado(a) em investir na Lady Driver e ser um licenciado na sua cidade, basta entrar em contato com a galera de lá, tanto nos e-mails (presentes no site oficial) ou através de alguma rede social.

Comentários