Projeto quer liberar carros à gás do rodízio

Verdadeira função do rodízio está por ser definida
  1. Home
  2. Bolso
  3. Projeto quer liberar carros à gás do rodízio
Redação WM1
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- O vereador Alcides Amazonas, do PCdoB, deu entrada na Câmara Municipal de São Paulo em um projeto de lei que autoriza veículos movidos a gás natural a circularem pela cidade em dias de rodízio. O objetivo é estimular o uso deste combustível não poluente e facilitar a vida de pessoas que dependem de seus carros para trabalhar.


A iniciativa pretende questionar, sobretudo, o real objetivo do rodízio. Inicialmente, o argumento era reduzir a poluição. Aos poucos, houve uma distorção e a população passou a ver o rodízio como solução dos problemas de trânsito.

De acordo com órgãos responsáveis pela medição do estado atmosférico de São Paulo, a redução da frota praticamente não influenciou nos índices de poluição. Porém, como houve pequena redução nos congestionamentos, o rodízio prossegue. Mas suas vantagens foram praticamente anuladas por artimanhas como a utilização de veículos reservas.


O dado que explica o crescimento desse fenômeno vem da Associação Nacional dos Transportes Públicos ANTP. Com o rodízio, o aumento de passageiros transportados pelos ônibus e pelo Metrô foi de apenas 3% - enquanto no transporte informal e clandestino o aumento já chegou a 30%. Ou seja, a precariedade do sistema de transporte coletivo, em última análise, anula as vantagens iniciais do rodízio.


Diante desse quadro, o estímulo ao uso de combustível não poluente, como é o gás natural, ganha importância redobrada. Atualmente, cerca de 20% de utilitários, dos 400 mil utilitários existentes em São Paulo, são privados de circular a cada dia. Como as atividades profissionais de cada usuário desses veículos não se coincidem, ou seja, nem todos estão nas ruas ao mesmo tempo, estima-se que algo em torno de 50 mil deles deixam de circular devido ao rodízio.


Esses 50 mil utilitários representam uma gota no oceano diante do universo de 3 milhões de veículos, de uma frota estimada em 5 milhões, que trafega diariamente em São Paulo. Equivale a algo próximo de 2%. Além dessas questões, é relevante o fato de o projeto de lei proporcionar melhores rendimentos aos trabalhadores do setor. Afinal, com o rodízio, o profissional que depende do seu utilitário para trabalhar perde, no mínimo, quatro dias úteis por mês.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors