Retrovisor por câmera: vale a pena investir?

Depois que a tecnologia chegou oficialmente ao país, algumas lojas de autopeças passaram a oferecer o mesmo sistema

  1. Home
  2. Bolso
  3. Retrovisor por câmera: vale a pena investir?
André Deliberato
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

A Audi foi a primeira marca automotiva a oferecer retrovisores totalmente virtuais no Brasil. Mas, afinal, como funciona esse tal de retrovisor por câmera? A tecnologia, na realidade, é simples, embora cara: um pequeno display colorido instalado no painel das portas dianteiras mostra as imagens captadas por câmeras externas posicionadas justamente no local dos espelhos.

O SUV elétrico e-tron, lançado no primeiro semestre de 2020, foi o primeiro carro a oferecer esse sistema. O segundo foi o e-tron Sportback, apresentado no fim do ano passado - nos dois casos, o equipamento é oferecido como opcional e custa R$ 13 mil. Só que a moda pegou: lojas de autopeças passaram a vender câmeras que projetam as imagens dos retrovisores na central multimídia. Vale a pena?

Vale lembrar que quem também oferece item parecido são os Honda Accord, Civic e outros carros com proposta de luxo da marca japonesa - desde meados desta década. Neles, os retrovisores são normais, mas câmeras instaladas na parte de baixo da peça projetam imagens na tela do multimídia sempre que o motorista aciona a seta para mudar de faixa ou fazer conversões.

Camera Nos Retrovisores
Dá para instalar uma câmera no seu retrovisor. Mas, cuidado: processo precisa ser bem-feito e pode anular garantia
Crédito: Reprodução

Se você curtiu a ideia, cuidado: qualquer tipo de instalação que mexa com o sistema elétrico do carro, feita fora de uma concessionária autorizada, pode anular a garantia oferecida pelo fabricante - obviamente, se for feita dentro do período de cobertura.

Pois agora vamos elencar os prós e contras de instalar essa câmera no retrovisor (que é feita sobre o vidro, e não no lugar da peça).

Pontos positivos

  • Facilidade para enxergar o meio-fio durante balizas.
  • Fim de pontos-cegos laterais.
  • Gravação de imagens em um back-up como forma de segurança.
  • Praticidade de poder olhar para a central multimídia, sem precisar utilizar o retrovisor.
  • Pontos negativos

    • O preço da câmera não é alto (de R$ 70 a R$ 180), mas problemas elétricos podem acontecer por não ser um equipamento original.
    • Algumas funções da central multimídia podem perder a configuração por não estarem preparadas para receber a nova função.
    • Câmeras plugadas sobre os retrovisores não trazem ganho aerodinâmico ao carro, como fazem as dos SUVs da Audi, que substituem os espelhos originais e são bem menores.
    • Distância de segurança de outros carros e objetos exagerada: em manobras, as câmeras mostram obstáculos extremamente perto do carro, mas que na realidade não estão tão próximos.
    • Como se vê, a tecnologia já existe e pode ser encontrada em oficinas e lojas de autopeças, mas há riscos na hora da aplicação. Coloque tudo na balança na hora de tomar a decisão.

      Nossa recomendação é a seguinte: para carros ainda cobertos por garantia, a sugestão é não optar por esse tipo de tecnologia por enquanto - se este for o seu caso, é melhor comprar duas lentes convexas de retrovisores que podem ser coladas nos vidros para facilitar em manobras.

      Agora, se o seu carro estiver fora da garantia, nossa sugestão é pesquisar muito sobre o lugar e seu histórico de serviços e procurar conhecer pessoas que já fizeram a instalação e a procedência de seus produtos. Tente "chorar", também, por algum tempo de garantia do trabalho, justamente para conseguir acompanhar o processo de adaptação do seu automóvel à nova tecnologia.

      Comentários