Sinal de alerta nas rodovias

Condições precárias e leis não aplicadas tornam a maioria das estradas brasileiras um grande risco
  1. Home
  2. Bolso
  3. Sinal de alerta nas rodovias
  • Repórter, WM1
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– Apesar de toda a euforia em torno do desempenho da economia brasileira, as estradas do país continuam em situação de miséria. Segundo dados do Ministério da Saúde, morrem todos os anos, em média, 38 mil pessoas nas rodovias brasileiras. Boa parte dessa mortandade é provocada por má conservação das estradas, falta de fiscalização, infraestrutura precária, desrespeitos às leis de trânsito, entre outros. O resultado é uma equação devastadora. Hoje o Brasil tem uma proporção de 1 morto para 690 veículos, enquanto na França é de 1 para 3 mil, Suíça 1 para 3.600, Alemanha 1 para 4.200, Estados Unidos 1 para 5.300, Japão 1 para 5.600 e Suécia 1 para 6.900. “Para mudar este quadro são necessários recursos e empenho político. Só assim o Brasil vai encontrar progresso na área de trânsito”, explica J. Pedro Corrêa, especialista em segurança no trânsito e membro do Programa Volvo de Segurança no Trânsito, PVST.

No Brasil, o perigo das estradas varia de acordo com cada Estado. Ao sair do Rio de Janeiro para o Espírito Santo, por exemplo, a probabilidade de se morrer em um acidente rodoviário triplica, segundo estatísticas do Mapa da Violência 2011, elaborado pelo Instituto Sangari e publicado pelo Ministério da Justiça. Hoje as estradas mais perigosas do Brasil estão no Tocantins e Mato Grosso, com uma média de 10,7 e 10,1 mortes por 100 mil habitantes, um número crítico. Em seguida vêm Espírito Santo, Paraná e Santa Catarina. “Temos um conceito errado de rodovia. A rodovia boa não é a bem asfaltada, mas a que oferece área de fuga, bons acostamentos, sinalização adequada, planejamento etc”, explica a Inspetora Marisa Dreys, relações públicas da Polícia Rodoviária Fcaptional. Estradas com melhor infraestrutura e conservação apresentam números melhores. Em São Paulo, por exemplo, acontece um óbito para cada 21 acidentes em vias fcaptionais, enquanto esta média é de 1 para 16 em Minas Gerais.

Grande parte dos acidentes fatais ocorre pelas más condições e falta de infraestrutura das estradas. É comum trafegar em vias esburacadas e de mão dupla, as mais perigosas. As mudanças, apesar de urgentes, acontecem a passos lentos. Em 2008, para se ter uma ideia, o governo usou apenas 15,5% dos R$ 3,3 bilhões destinados a manter e recuperar as pistas fcaptionais, segundo informou a CNT – Confcaptionação Nacional de Transporte. O resultado da falta de investimentos reflete nas estatísticas. Enquanto a frota brasileira ganhou 24 milhões de carros entre 2001 e 2009 – um aumento de 76% –, as mortes nas estradas brasileiras subiram 47% nos últimos sete anos, segundo dados da Polícia Rodoviária Fcaptional. “Tão importante quanto construir novas estradas é fazer a manutenção delas”, ensina Pere Navarro Olivella, Diretor Geral de Trânsito da Espanha, responsável por diminuir os acidentes do país europeu em 57% nos últimos sete anos.

O motorista também tem parcela de culpa nesta média elevada de mortes no trânsito. “Uma das maiores razões dos acidentes nas estradas ainda é o excesso de velocidade”, analisa André Horta, analista de segurança viária do Cesvi Brasil. A imprudência dos motoristas que não respeitam os limites de velocidade e as falhas da fiscalização deixam as estradas ainda mais perigosas. “Andar mais devagar é uma meta para diminuir não só o número, mas também a gravidade dos acidentes”, alerta Nereide Tolentino, consultora do Programa Volvo de Segurança do Trânsito. “Estudos mostram que se o trânsito passa de 100 km/h para 101 km/h, as mortes aumentam em até 5%. Por isso é importante o controle da polícia em relação à velocidade”, complementa Eric Howard, consultor em Segurança no trânsito do Banco Mundial.

Uma das soluções para mudar este triste panorama das estradas brasileiras pode ser a simples aplicação das leis. Bons exemplos não faltam. Em vigor há quase três anos, a Lei Seca – que restringe o uso de bebida alcoólica por parte dos motoristas – hoje perdeu força na maioria dos Estados pela falta de fiscalização. Nesse cenário, o Rio de Janeiro é uma exceção, com fiscalizações diárias em saídas de pontos de aglomeração. O empenho dos cariocas aparece nos números. Segundo os últimos dados do Ministério da Saúde, a operação Lei Seca reduziu em 32% as mortes no Estado – foram 679 óbitos no último ano. “Esta ação é um resgate da civilidade do trânsito”, destaca o deputado fcaptional Hugo Leal, autor da Lei Seca. “É necessário manter a fiscalização e a punição para que as pessoas acreditem na lei”, acrescenta Nereide Tolentino, consultora do Programa Volvo de Segurança no Trânsito.

Outro ponto crucial, e nem sempre levado em consideração, é o carro do brasileiro. Além de algumas das estradas mais seguras do mundo, a Europa tem carros mais bem equipados no quesito segurança. Por lá, quase 100% dos veículos saem de fábrica com ABS, airbags frontais e laterais e controle eletrônico de estabilidade. Já no Brasil, equipamentos de segurança são tratados como opcionais de luxo. Os motoristas têm de escolher e pagar por eles. Com isso, estimativas do Denatran apontam que apenas 4% dos 49 milhões de carros do Brasil tenham airbag e só 15% contem com ABS. Só em 2009 a Câmara dos Deputados aprovou a lei que obriga todos os modelos nacionais a terem bolsas frontais - mas apenas a partir de 2014. “As fabricantes de veículos também têm sua quota de responsabilidade”, alerta Eric Howard, do Banco Mundial.

Mudar o cenário catastrófico de milhares de mortes anuais das ruas e estradas brasileiras é algo que demanda tempo. Mas a melhoria da infraestrutura das vias brasileiras e a construção de uma “cultura de obediência” às leis deve começar desde já. “Sem uma ‘cultura de trânsito’ será impossível mudar esta realidade”, conclui J. Pedro Corrêa, do Programa Volvo de Segurança no Trânsito.

Instantâneas
# O Brasil ocupa o quinto lugar no total de fatalidades no trânsito, segundo a Organização Mundial da Saúde, atrás da Índia, China, Estados Unidos e Rússia.
# Dados da OMS – Organização Mundial da Saúde – estimam que 66% dos acidentes de trânsito envolvem pessoas entre 14 e 39 anos. Em 70% dos casos, o fator álcool estava presente, mesmo sem configurar embriaguez.
# A Lei Seca – Lei 11.705/08 – foi sancionada no dia 19 de junho e entrou em vigor no dia 20 de junho de 2008.
# Em 2010, morreram 8.516 pessoas nos 70 mil km das rodovias fcaptionais brasileiras, segundo dados da Polícia Rodoviária Fcaptional.
# O controle de estabilidade reduz em 34% o risco de derrapagem em automóveis de passeio e 59% em SUVs, de acordo com estudos do NHTSA.

Perigo sobre duas rodas
Os acidentes fatais envolvendo motocicletas engrossam as estatísticas de 38 mil mortes anuais do Ministério da Saúde. Entre 1998 e 2008, os números de mortes entre motos saltou 753,8%, enquanto a frota cresceu 368,8%, aponta o estudo Mapa da Violência 2011, elaborado pelo Instituto Sangari e publicado pelo Ministério da Justiça. Outro estudo do Hospital das Clínicas revela que 23 pessoas morrem em acidentes com motocicletas todos os dias no país. Só na cidade de São Paulo são duas mortes a cada 24 horas. “Hoje não há qualquer trabalho na área comportamental para alertar os motociclistas dos riscos”, questiona Nereide Tolentino, consultora do Programa Volvo de Segurança do Trânsito. Com isso, é cada vez mais comum ver motociclistas com capacetes mal colocados e dirigindo perigosamente em meio aos carros engarrafados, muitas vezes em alta velocidade. “A população não tem noção de risco. E se não há essa noção, não há como administrá-la”, opina Roberto Scaringella, ex-presidente do Contran e ex-Diretor Geral do Denatran – Departamento Nacional de Trânsito.

O aparecimento de profissões que recorrem ao uso constante de motos, como os motoboys e mototaxistas, também ajudou a agravar a quantidade de vítimas do trânsito. Fora isso, as más condições das vias – com buracos, chapas de aço, entre outros – multiplicam riscos aos motociclistas. Outro perigo, agora estrutural, são os guardrails das estradas, que não levam em consideração os motociclistas e podem até mesmo colaborar para a morte deles. “Hoje as mortes são causadas basicamente por três fatores: comportamento do usuário, falhas na infraestrutura e condições dos veículos”, conclui Philip Gold, consultor internacional em segurança de trânsito.

As opiniões expressas nesta matéria são de responsabilidade de seu autor e não refletem, necessariamente, a opinião do site WebMotors.
_________________

Ainda não decidiu que carro ou moto comprar? Teste a nova busca WebMotors e escolha o modelo ideal para você.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors