Afinal, o que é câmbio CVT? Saiba como funciona

Transmissão de 'marchas infinitas' tem se popularizado por conta da economia de combustível e do funcionamento suave

  1. Home
  2. Graxa
  3. Afinal, o que é câmbio CVT? Saiba como funciona
Redação WM1
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Como as bicicletas dotadas de marchas, os automóveis, especialmente aqueles movidos a motor de combustão interna, precisam de uma transmissão para entregar mais força em baixas velocidades, como para subir uma ladeira, e deixar o veículo mais "solto" em velocidades mais elevadas, quando o propulsor não precisa ser tão exigido. Isso acontece porque a potência, que está vinculada à velocidade, e o torque, que é a força propriamente dita, têm sua máxima eficiência em uma faixa limitada de rotações do motor. O câmbio se encarrega de manter o propulsor nessa faixa ideal - quando os giros estão abaixo ou acima dessa faixa, é o momento de, respectivamente, baixar ou subir a marcha.

Assim como bicicletas, as transmissões manuais ou automáticas usam para cada marcha um conjunto de engrenagens - uma de menor diâmetro acoplado a outra de maior para multiplicar ou desmultiplicar a força. Uma engrenagem menor, girando juntamente com o motor, acoplada a outra maior, que transfere a tração para as rodas, possibilita entregar mais força - quando você utiliza as marchas mais baixas.

Além desses dois tipos, também existe a transmissão CVT, de relações continuamente variáveis, que não requer troca de marchas e tem se popularizado, especialmente entre carros de marcas japonesas - Nissan e Renault (que integram o mesmo grupo automotivo), além de Toyota e Honda adotaram esse tipo de câmbio nos seus veículos. Abaixo, foto do Nissan Kicks, que tem CVT na maioria das suas versões - Versa e March, da mesma fabricante, também podem vir com essa tecnologia, muito popular em scooters.

icon photo
Legenda: Nissan Kicks SL 1.6 CVT
Crédito: Nissan Kicks SL 1.6 CVT

Até o esportivo WRX, da Subaru, utiliza essa modalidade de transmissão. As fabricantes alegam que ela traz como vantagens maior economia de combustível, menor desgaste do motor e funcionamento mais suave, adequado para condução sobretudo em trechos urbanos - além de manutenção mais simples e barata.

icon photo
Legenda: lifan x60 cvt 3
Crédito: lifan x60 cvt 3

Mas como isso é possível? O WM1 vai te explicar. Concebido ainda no final do século 19, portanto nos primórdios da indústria automotiva, o CVT de fato tem uma concepção muito mais simples. Em vez de conjuntos de engrenagens grandes e pequenas que se acoplam, esse câmbio é formado basicamente por duas polias - a principal, que gira em conjunto com o propulsor, ligada a um conversor de torque, e outra ligada ao diferencial e depois às rodas. Essas polias são conectadas por uma correia, geralmente metálica e banhada em óleo para controle da temperatura.

icon photo
Legenda: Câmbio Transmissão CVT
Crédito: Câmbio Transmissão CVT

Cada polia, basicamente, é formada por dois discos contrapostos que se distanciam e se aproximam, de acordo com a aceleração. Entre esses discos, por onde passa a correia, existe uma superfície cônica. No momento em que eles estão mais próximos, o diâmetro da polia aumenta e quando eles "abrem", o diâmetro diminui.

icon photo
Legenda: Câmbio Transmissão CVT
Crédito: Câmbio Transmissão CVT

É exatamente o mesmo princípio dos câmbios manual e automático, porém sem as engrenagens e também sem limitação de marchas, por isso que o CVT é uma caixa continuamente variável, com relações virtualmente infinitas. A abertura e o fechamento das polias acontece de acordo com a aceleração, com gerenciamento de uma central eletrônica, sempre buscando manter o motor na faixa de rotação ideal. Sem marchas para trocar, o funcionamento geral é realmente mais suave e, como há muito menos componentes internos, o conjunto é mais leve e existem menos peças para quebrarem. Tudo isso somado resulta em menor consumo de combustível.

Mas o CVT também tem seus detratores, sobretudo entre donos ou fãs de carros mais esportivos, porque não dá aquela sensação de "colar" as costas no banco quando o motorista reduz uma ou mais marchas - ele é mais pacato e linear. Ao pisar o pé no fundo do acelerador em um carro CVT, porém, os giros sobem muito e quase de forma instantânea, até que o carro atinja a velocidade pretendida e o condutor alivie o pé direito, para retomar a faixa ideal de rotações.

icon photo
Legenda: Câmbio Transmissão CVT
Crédito: Câmbio Transmissão CVT

Para dar mais flexibilidade e evitar esse incômodo, as fabricantes começam a oferecer marchas virtuais, para o motorista subir ou descer rotações de forma mais natural, para uma ultrapassagem, por exemplo, sem ter de "atolar" o pé no acelerador - o Toyota Corolla, por exemplo, traz sete marchas fictícias. Vale destacar, ainda, que o CVT tem evoluído com o passar dos anos e, como já mencionamos, até esportivos como o Subaru WRX usam essa tecnologia.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors