Como não ser enganado ao trocar o amortecedor

Tome cuidado com orçamentos que sejam muito extensivos, incluindo itens como até mesmo as molas da suspensão

  1. Home
  2. Graxa
  3. Como não ser enganado ao trocar o amortecedor
Renan Rodrigues
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Na última semana, o WM1 mostrou os sinais de quando o amortecedor do carro deve ser trocado. Entre as dicas estão o fim de curso, barulhos, desgaste dos pneus e afins.

No entanto, no segundo momento, quando você precisa trocá-lo, como é o procedimento? Há um prazo fixo para realizar a troca? Iremos responder essas dúvidas para que você não tome prejuízo ou seja enganado em mecânicas por aí.

Quando tenho que trocar?

Ao contrário do que acontece com a óleo, o amortecedor não tem um prazo fixo para troca. Alguns não chegam a 50.000 km, enquanto outros atingem 150.000 km sem qualquer tipo de problema. Tudo depende muito das condições de rodagem.

Um dos sinais mais claros, como já dissemos, é quando o carro baixa a altura ou você consegue observar vazamento do óleo presente dentro do amortecedor.

 Não é preciso trocar todo o conjunto no momento de substituir o amortecedor
Legenda: Não é preciso trocar todo o conjunto no momento de substituir o amortecedor
Crédito: Divulgação

Preciso trocar tudo?

Muitos já devem ter passado por uma oficina que tenta empurrar um orçamento caríssimo, querendo trocar todo o conjunto, por vezes condenando até as molas da suspensão. Não é bem assim.

Não é necessário realizar a troca de buchas, parafusos de fixação, coxins e batentes. No entanto, é o recomendado, uma vez que o desgaste desses itens pode diminuir a durabilidade do novo amortecedor.

Pesquise

Caso você não tenha um mecânico de confiança, é sempre bom pesquisar e fazer mais de um orçamento. Uma dica que pode te ajudar a economizar: pegue a lista de peças e compre você mesmo em mercados automotivos, por vezes há promoções e diferenças de valores que chegam a passar de 20%.

Comentários