Fisker Karma propõe luxo e desempenho responsáveis

Capaz de ir de 0 a 100 km/h em menos de 6 s, modelo híbrido é capaz de rodar 50 km só com eletricidade
  1. Home
  2. Lançamentos
  3. Fisker Karma propõe luxo e desempenho responsáveis
Gustavo Ruffo
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Em 5 de novembro de 2007, o WebMotors trouxe a seus leitores o começo da história de um sedã que promete fazer história. Primeiro modelo inteiramente fabricado pela Fisker, ele ainda não tinha nome definido, mas já se sabia que ele poderia rodar quase todos os dias só com a carga de suas baterias. Em Detroit, a empresa revelou o nome do rebento: Karma.

Com preço estimado de US$ 80 mil e as primeiras entregas marcadas para o último trimestre do ano que vem, o Karma pode se tornar o primeiro híbrido de série que não usa motor a combustão para se locomover, mas sim para carregar suas baterias de íons de lítio. A maior parte de sua mobilidade será garantida por uma recarga em tomadas comuns de 110V, o que vem sendo chamado pelas fabricantes de “híbrido plug-in”. Contando apenas com a recarga em tomadas o sedã pode percorrer até 80 km por dia, distância mais do que suficiente para os deslocamentos da maioria das pessoas.

O primeiro veículo a propor essa solução foi o Chevrolet Volt, que também está cotado para ser produzido em série, mas deve chegar mais tarde ao mercado. O prazo estimado pela GM é 2010. A vantagem para o consumidor é que ele será bem mais acessível que o novo Fisker, ainda que isso o faça ter um desenvolvimento mais lento.

No caso do Karma, a vantagem dele é se destinar a um público muito sofisticado e, por isso, não sofrer muitas restrições orçamentárias para começar a ser vendido. Ele terá, por exemplo, apenas quatro lugares. Todos individuais, serão dois na frente e dois atrás. As rodas, de aro 22” de série, são um exemplo claro do que se pode esperar do Karma. Fora elas, haverá DVD individuais para os passageiros do banco de trás, navegador por GPS e outras utilidades eletrônicas.

Todas as referências de tamanho do Karma se ligam a seus concorrentes diretos. Segundo a Fisker, ele tem altura próxima da de um Porsche 911, o comprimento de um Mercedes-Benz CLS e a largura de um BMW Série 7.

Pode parecer exagero comparar o desempenho de um modelo híbrido ao do mítico 911, mas o Karma acelerará de 0 a 100 km/h em menos de 6 s e sua velocidade máxima será de mais de 200 km/h. Nada mal para modelos que normalmente são considerados lentos.

“Quando criamos a Fisker Automotive, procuramos em desenvolver uma linha de veículos bonitos e que ecologicamente corretos que fizessem sentido do ponto de vista ambiental sem comprometimentos. Nossa esperança é que o Fisker Karma será o início de uma nova tendência na indústria: menos concessões com mais eficiência”, diz Henrik Fisker, criador do carro e da montadora.

Outro mimo que a empresa reservará a seus clientes será a primeira tiragem do modelo. Os primeiros 99 Karma serão todos pintados na mesma cor do modelo exibido em Detroit, numerados e assinados pelo próprio Fisker. Se o carro, em si, já pode se tornar item de colecionador, numerado e assinado seu valor pode ir às alturas.

Uma das coisas que facilitaram a vida da Fisker foi a sorte de contar com um sistema de propulsão pronto, o Q-Drive, criado pela empresa Quantum Technologies. Ele consiste de baterias de íons de lítio que podem tanto ser alimentadas pela rede de eletricidade das casas quando postas para recarregar quanto por um pequeno motor a combustão.

Outras fontes de energia elétrica para o carro são provenientes do teto com células fotoelétricas, que mantém o ar-condicionado funcionando com o Karma estacionado, e da frenagem regenerativa, que recupera parte da energia gasta nas paradas.

Com isso, se a autonomia de 80 km for insuficiente para algum dos deslocamentos de seu proprietário, o motor a gasolina entra em funcionamento e recarrega as baterias. A vantagem em relação a usar este motor diretamente para impulsionar o sedã é que ele trabalha sempre com o melhor compromisso entre emissões e Com isso, o sedã Fisker poderá ter uma autonomia de até 1.000 km ou mais, dependendo do tamanho que o tanque do carro vai ter ainda não divulgado.

Para explicar a escolha do nome, a Fisker se preocupou em dizer o que ele significa. “No Budismo/Hinduísmo, carma é definido como a força gerada pelas ações boas ou ruins de alguém, que determina a natureza da próxima existência dessa pessoa”, informa o texto de apresentação do sedã. Não se sabe se o sedã vai influenciar ou não no carma de alguém, mas seu sucesso será determinante para a existência futura de sua fabricante.

Gosta de sedãs esportivos?

Então veja aqui no WebMotors as melhores ofertas para esse segmento:

BMW M5

Jaguar S-Type R

Maserati Quattroporte

Mercedes-Benz E 55 AMG

Leia mais sobre o Salão de Detroit:

Ferrari F430 Spider Biofuel

Honda Pilot Prototype

Rick Wagnoner analisa o futuro e faz aposta no etanol

Dodge Ram 2009

VW Passat CC

Audi R8 V12 TDI

Ford Verve Concept

Audi TTS, a nova versão do carro mais bonito do mundo

Toyota A-BAT, a picape conceito para Detroit

Buick Riviera: a evolução das portas asa-de-gaivota

Cadillac mostra sua versão do Chevrolet Sequel, o Provoq

Ford Explorer America, conceito próximo da realidade

Mazda Furai quer levar a marca de volta a Le Mans

Vision GLK, uma prévia do futuro utilitário da Mercedes

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors