Novo Toyota Prius: trajetória verde

Enquanto não chega ao Brasil, híbrido remodelado mostra seus atributos no Salão de Tóquio
  1. Home
  2. Lançamentos
  3. Novo Toyota Prius: trajetória verde
  • Repórter, WM1
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Em 1997, quando o Prius foi lançado como o primeiro automóvel híbrido de série no mundo, poucos levaram fé na tecnologia de aliar motores a combustão e elétricos. Mas o tempo passou e as baterias se tornaram progressivamente mais leves, eficientes e baratas. E as tecnologias de redução do consumo também evoluíram consideravelmente. Além disso, o marketing ecologicamente correto ganhou força e as legislações sobre emissões estão cada vez mais rígidas nos principais mercados mundiais.

Não por acaso, hoje praticamente todas as marcas de automóveis do planeta têm projetos de utilização de motores híbridos. Como largou na frente, o hatch da Toyota colhe os frutos do pioneirismo. A fábrica de Tsutsumi, de onde sai o Prius, é considerada modelo de ação ambiental da Toyota em todo o mundo. Automóvel mais vendido no Japão e o híbrido mais comercializado no planeta, com 2,3 milhões de unidades emplacadas desde o lançamento – metade delas nos Estados Unidos –, esta terceira geração do Prius acaba de receber um face-lift. E sua versão 2012 é uma das atrações do Salão de Tóquio, que ocorre na capital japonesa entre 3 e 11 de dezembro. No Brasil, o desembarque do renovado híbrido já está confirmado para o segundo semestre de 2012.

As mudanças em relação ao modelo anterior foram sutis. O design preserva o estilo indisfarçavelmente nipônico. Na frente, é necessário um olhar muito atento para observar as diferenças na grade, ligeiramente mais aerodinâmica. Já os tradicionais faróis, que lembram duas labaredas, permanecem os mesmos. De perfil, a novidade aparentemente se restringe às novas rodas de alumínio de 15 polegadas, que recebem calotas de plástico, também aerodinamicamente mais eficientes. Na traseira, as lanternas preservam o mesmíssimo desenho trapezoidal, mas receberam uma nova disposição interna e leds, que lhes deram um aspecto bem mais moderno. Apesar dessa impressão de ausência de novidade, a engenharia da Toyota ajuda a explicitar diversas outras mudanças na carroceria. Algumas milimétricas, como no posicionamento das colunas dianteira e traseira e no formato do teto e dos paralamas. Todas para permitir a passagem do ar com o mínimo de turbilhonamento. Não por acaso, o coeficiente aerodinâmico do novo Prius é de 0,25 cx – índice digno de esportivos.

A principal mudança estética está no interior, onde o hatch apresenta um "upgrade" generalizado em relação ao modelo passado. Os revestimentos do painel estão mais requintados e receberam uma simpática textura que remete a uma folha de árvore – vale tudo para reforçar o inexorável marketing ecológico. O console central - que tem embaixo uma grande área vazada, que serve para abrigar uma bolsa – e os porta-copos foram redesenhados, ganhando aspecto mais moderno e jovial. E os bancos em couro também contribuem para aumentar a sensação de sofisticação interna. O painel, de estilo assimétrico, foi pensado para que o motorista possa visualizar mostradores e acionar comandos desviando o mínimo possível o olhar. Quando o motorista pisa no freio, por exemplo, um vistoso desenho do carro no painel mostra que o sistema de freios regenerativos está utilizando a energia cinética da frenagem – que em um carro convencional se dissiparia em forma de calor – para recarregar as baterias de níquel e abastecer o motor elétrico.

Baterias que, por sinal, têm importância vital para híbridos como o Prius. Até uma velocidade de aproximadamente 50 km/h – dependendo do nível das baterias –, o modelo funciona movido exclusivamente pelo propulsor elétrico de 42 cv. Daí para a frente, o motor elétrico é ajudado pelo motor a gasolina 1,8L de 96 cv – a potência total combinada chega aos 138 cv. Acima dos 100 km/h, apenas o propulsor a gasolina assume a responsabilidade de mover o Prius. A tração é dianteira e o câmbio automático é continuamente variável, com opção de modo econômico.

Apesar de seu hatch híbrido ser o automóvel mais vendido no Japão, para o Brasil as expectativas são bem mais modestas. "Acreditamos em uma média de vendas de 100 unidades mensais no mercado brasileiro", afirma Ricardo Bastos, diretor de Relações Públicas e Governamentais da Toyota do Brasil. O preço no Brasil ainda não está definido - mesmo porque existem propostas no Congresso Nacional para que os modelos elétricos e híbridos recebam alguns benefícios tributários a partir do ano que vem. Com as regras atuais – ou seja, sem isenção fiscal alguma –, estima-se que o carro possa beirar os R$ 110 mil. Mais ou menos o dobro do valor pelo qual é oferecido no Japão – o que ajuda a explicar a brutal diferença nas expectativas de performance de vendas nos dois países. Mantida a legislação vigente, o brasileiro levará para casa um Prius pela quantidade de reais suficiente para um japonês comprar dois ou um norte-americano comprar três unidades do hatch.

Primeiras impressões: lei do silêncio
Gamagori/Japão -
O declarado objetivo da engenharia da Toyota com a reformulação da terceira geração do Prius foi otimizar o uso de energia, aperfeiçoar a performance dinâmica e ampliar o prazer de dirigir. Mas sem fazer muito barulho. A primeira sensação ao ligar o Prius é que o carro simplesmente não ligou. Como o motor elétrico emite um nível de ruído baixíssimo, é importante atentar para os mostradores do painel, onde a expressão "Ready" avisa que o Prius está "acordado" e pronto para rodar. Se não olhar o aviso, a possibilidade do motorista tentar ligar o carro já ligado é grande. Apesar da falta de som, basta colocar o câmbio – cuja alavanca mais parece um "joystick" – na posição "drive" e pisar no acelerador que o Prius logo começa a ganhar gradual velocidade.

A Toyota afirma que – ao aliar o propulsor elétrico ao motor 1.8 a gasolina – o comportamento dinâmico do Prius é o equivalente ao de um modelo com motor 2.4 litros. Na pequena pista do Nishiura Motor Park, onde a empresa nipônica fez a apresentação do seu reformulado híbrido, diversos cones de sinalização cumpriam a inconveniente função de evitar maiores radicalidades. Lá, as retomadas obtidas ocorreram de forma normal e adequada para um modelo a gasolina com motor 1,8L - um comportamento honesto, mas nada que transmita maior esportividade.

Mas acelerar muito rápido nunca foi mesmo a proposta do Prius. A média de consumo de gasolina, que é o principal foco do modelo, fica em 25 km/l em circuito misto urbano/rodoviário, segundo a Toyota. Uma média para avarento nenhum botar defeito. Ainda de acordo com a marca japonesa, a autonomia do Prius ultrapassa impressionantes 1.200 km. Nos mostradores do painel do Prius, a performance do sistema híbrido é explicitada a cada momento. De um jeito que, de forma quase lúdica, acaba por induzir no motorista um comportamento mais "ecologicamente correto" ao volante, com menor desperdício de energia do motor.

Além de alardear ótimos números de desempenho, a engenharia da marca japonesa assegura também que o novo Prius também recebeu aperfeiçoamentos nos sistemas suspensivo e de frenagem. Nas retas, como a velocidade máxima atingida no circuito não ultrapassou os 115 km/h, não foi possível perceber qualquer tipo de flutuação. Nas curvas feitas de forma mais comedida, o Prius também se mostrou equilibrado. Já nos trechos sinuosos feitos em altas velocidade, o hatch híbrido exibiu alguma tendência de sair de dianteira - nada que o sistema de controle de estabilidade ESP não resolvesse imediatamente, de forma quase imperceptível. Um discreto indicador amarelo no painel avisa que ocorreu a "ajudinha" da eletrônica embarcada, pois o motorista fez a curva em velocidade acima do recomendável. Sem fazer maior alarde.

As opiniões expressas nesta matéria são de responsabilidade de seu autor e não refletem, necessariamente, a opinião do site WebMotors.

Confira também a avaliação em vídeo do Toyota Prius:

allowfullscreen="true" allowscriptaccess="always">

_________________

Gosta de hatches médios?

Então veja aqui no WebMotors as melhores ofertas para esse segmento:

Citroën C4

Ford Focus

Hyundai i30

Fiat Stilo

Nissan Tiida

Peugeot 307

Peugeot 306

Volkswagen Golf

Renault Mégane

Chevrolet Astra

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors