Brasileiro é piloto mais velho no Dakar 2019

Lincoln Berrocal já rodou a América de moto e, aos 60 anos, vai enfrentar o maior desafio da sua vida em duas rodas

  1. Home
  2. Notícias
  3. Brasileiro é piloto mais velho no Dakar 2019
Agência Infomoto
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma pessoa com 60 anos é considerada idosa. Alheio a tal classificação, o empresário Lincoln Berrocal, de Curitiba (PR), vai alinhar junto com os pilotos de moto na largada do Rally Dakar, considerado o mais perigoso e desafiador do mundo. Para conseguir terminar a prova, Lincoln, que completou seis décadas de vida em outubro deste ano, treina muito com sua moto, pratica ciclismo e mantém a forma na academia.

Com seus treinos e dedicação, ele quer terminar a prova, na qual ele é o piloto mais velho entre os 138 inscritos na categoria Motos. O Dakar 2019 começa em 6 de janeiro e termina no dia 17 após percorrer 5.000 km dentro do Peru sendo 2.500 km em trechos especiais, quando os pilotos aceleram tudo numa briga contra o relógio.

Lincoln é um piloto experiente no mundo das competições. Ele tem dois títulos de campeão brasileiro de cross-country e diversas vitórias em competições regionais de motocross e velocross. Porém, isso não é bastante para participar do Dakar, o paranaense também teve de provar que pode suportar os dez dias de competições.

icon photo
Legenda: Lincoln já participou do Rali Ruta 40 que faz parte do Dakar Series
Crédito: Divulgação

Preparação

Para mostrar sua capacidade ele participou do Dakar Series – uma espécie de eliminatória para o grande desafio. “O Dakar Series foi uma ótima oportunidade para adquirir experiência em navegação e viver o dia a dia que é semelhante ao Dakar”. Foram quatro provas, a mais difícil aconteceu no Marrocos, o Rally do Merzouga. “Com dunas altíssimas e temperaturas próximas de 50 graus”, relembra.

Além de condições físicas, existe toda uma logística para fazer parte do Dakar. O investimento é de 50 mil Euros para contratar uma equipe de apoio e alugar a moto. Ele competirá com uma KTM 450 Enduro adaptada para Rally, segundo o piloto “ela é mais lenta, porém mais leve. Acho melhor para esse tipo de prova que será 80% nas areias e dunas”.

 Preparação física foi fundamental para Lincoln, aos 60 anos, vencer as dunas no Marrocos
Legenda: Preparação física foi fundamental para Lincoln, aos 60 anos, vencer as dunas no Marrocos
Crédito: Divulgação

Ele quer terminar todas as etapas e acredita que muitos competidores abandonarão a prova na etapa maratona quando a caravana passará pelas Dunas de Ica, próximo de Pisco – às margens do Oceano Pacífico. “Quero competir no dia a dia, completar todas as etapas e terminar a prova, aí realizo meu sonho”.

Sonho de aventureiro

O desejo de participar do Dakar sempre esteve na mente de Lincoln, assim como na da maioria dos aventureiros. Por falar nisso, ele é um motociclista ligado às viagens de aventura e tem no currículo muitas viagens de moto pelo mundo.

icon photo
Legenda: Lincoln também cultiva a paixão pelas aventuras, com sua KTM já percorreu a Transamazônica
Crédito: Arquivo Pessoal

Já percorreu todo o continente americano – do Alasca até Ushuaia – em três etapas. Com uma BMW G 650GS partiu de San Diego, na Califórnia, e foi até o Alasca. Depois veio dos Estados Unidos com sua KTM 990 até a Bolívia e entrou no Brasil. Na última perna da aventura, foi com sua KTM até Ushuaia – no extremo sul do continente americano, na Argentina.

icon photo
Legenda: Além da Transamazônica, o piloto já foi até o Alasca e também rodou para Ushuaia
Crédito: Divulgação

Mas a viagem mais desafiadora foi cortar a região nordeste em direção ao norte pela temida Transamazônica. Com seu amigo Marlon Bonilha enfrentou os enormes atoleiros entre Cabedelo, na Paraíba, e Lábrea, no Amazonas. As fotos mostram as enormes KTM 990 sendo engolidas pela lama.

icon photo
Legenda: Lincoln terminou o Rally do Merzouga, no Marrocos, e conquistou o passaporte para o Dakar

Mesmo com tantas viagens e aventuras em sua vida esse “idoso”, segundo a OMS, ainda tem muitos planos de viagens. Ele já estuda os mapas para ir da Europa até o extremo da Rússia chegando até a Mongólia. “Apesar dos meus 60 anos, sinto-me saudável, ativo e competitivo”, afirma o piloto aventureiro.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors