Kasinski Comet 250 agora tem painel digital e cobertura no farol

Única 250 cm³ street com motor de dois cilindros em “V”, a Kasinski Comet 250 custa 40% a mais que as concorrentes
  1. Home
  2. Motos
  3. Kasinski Comet 250 agora tem painel digital e cobertura no farol
Auto Informe
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Quem não quiser ser mais um na multidão de motos 250 cm³ com uma Yamaha Fazer YS 250 ou com uma Honda CBX 250 Twister tem na Kasinski Comet 250 uma boa opção. Só para ter uma idéia, até novembro de 2009 foram emplacadas apenas 582 unidades do modelo da Kasinski, contra mais de 70 mil unidades da Twister.

O resultado disso é que o proprietário da Comet 250 roda com mais exclusividade pelas ruas e estradas. Mas essa exclusividade tem um preço – bem maior que as concorrentes. Enquanto a Comet tem preço sugerido de R$ 14,49 mil, a Twister e a Fazer custam em torno dos R$ 10 mil. Ou seja, o modelo de 250 cm³ da Kasinski custa cerca de 40% a mais que as concorrentes. Porém, além de ser um modelo diferenciado com porte de moto maior – uma das principais qualidades apontadas por seus proprietários -, a Comet oferece outros atrativos.

Ainda mais na mais recente versão. Renovada, traz um painel com velocímetro digital e conta-giros de leitura analógica, além de uma pequena cobertura sobre o farol que, segundo a fábrica, oferece maior proteção aerodinâmica. Proteção mínima, como pudemos constatar no teste prático.

Motor V2

O principal quesito que diferencia a Comet 250 das demais é seu motor de dois cilindros em “V”, com comando duplo no cabeçote DOHC e quatro válvulas por cilindro, com refrigeração mista. Já os dois modelos japoneses têm motores de um cilindro apenas.

Nos números de desempenho declarados pelos fabricantes, o V2 da Kasinski na verdade, motor produzido pela sul-coreana Hyosung é bem mais potente que os da concorrência. Oferece 32,5 cv a 10.000 rpm – contra 24 cv da Twister e 21 cv da Fazer. Isso resulta em uma velocidade final bastante superior: a Comet pode chegar a mais de 150 km/h, enquanto Fazer e Twister passam pouco dos 130 km/h.

Um desempenho bastante satisfatório para o uso em estradas e também para os que gostam de pilotar mais esportivamente, com o giro do motor lá em cima, já que a potência máxima das concorrentes aparece em uma faixa de rotação menor.

Mas, quando o quesito é a aceleração, a Comet deixa um pouco a desejar. Segundo as especificações dos fabricantes, o torque das três é bastante semelhante. Na Comet 250 são exatos 2,16 kgm, mas somente a 7.500 giros. Na Yamaha YS 250, por exemplo, o valor é praticamente igual 2,1 kgm de torque máximo, mas aparecendo já nas 6.000 rpm. Levando-se em consideração que motores V2 têm mais “dificuldade” em subir de giro, os monocilíndricos das concorrentes chegam ao par máximo mais rapidamente, o que resulta em uma aceleração maior.

Na prática, em uma saída de semáforo a Fazer deixaria a Comet para trás. Mas o modelo da Kasinski, conforme ganhasse giros, ultrapassaria a concorrente, já que a velocidade final da Comet é maior.

Suspensões invertidas

Mas não é somente o propulsor que diferencia a Comet das outras 250 cm³ street à venda no país. Na ciclística, a moto da Kasinski tem suspensões invertidas upside-down na dianteira, enquanto as concorrentes usam o garfo telescópico convencional. Na traseira, a balança traz um único conjunto mola-amortecedor. O conjunto é bastante rígido, de acordo com a proposta da moto, permitindo uma pilotagem esportiva.

As rodas de liga-leve são calçadas com pneus sem câmara nas medidas 110/70-17, na frente, e exagerados 150/70-17, atrás. Esteticamente o largo pneu traseiro combina com o porte avantajado da naked, porém compromete um pouco a agilidade da moto e pode, na teoria, aumentar o consumo, já que a área de atrito é bem maior. Como realizamos o teste em pista fechada, não pudemos chegar a essa conclusão na prática.

Outro diferencial são os freios. Entre as três concorrentes, a Comet 250 é a única a contar com freio a disco na traseira, além de um grande disco 300 mm de diâmetro mordido por uma pinça de dois pistões, na dianteira. Apesar das boas especificações técnicas, o modelo testado apresentou freios um pouco “borrachudos”, ou seja, que demoravam a entrar em ação.

Estilo

O estilo mais encorpado da Comet 250 é outro ponto positivo, de acordo com os proprietários do modelo. De longe, realmente essa Kasinski parece até ser uma moto de maior capacidade cúbica. Além do pneu largo e das suspensões invertidas, o banco bipartido reforça essa impressão.

Na mais recente versão da naked de 250 cm³, a Kasinski ainda incorporou uma pequena cobertura ao farol na mesma cor da moto. Outra mudança foi o painel digital.

Mas os números de venda não mentem. Apesar do estilo e do seu motor V2, poucos motociclistas estão dispostos a pagar o preço da exclusividade para rodar com essa Kasinski Comet 250.

FICHA TÉCNICA – Kasinski Comet 250

MOTOR Quatro tempos, dois cilindros em “V”, DOHC, quatro válvulas por cilindro, 249 cm³
POTÊNCIA32,5 cv a 10.000 rpm
TORQUE2,16 kgm a 7.500 rpm
ALIMENTAÇÃOCarburador Mikuni BDS26duplo
CÂMBIOCinco velocidades
TRANSMISSÃO FINAL Corrente
PARTIDA Elétrica
RODAS Dianteira e traseira de aro 17”
PNEUS Dianteiro 110/70-17 M/C 54 H; traseiro 150/70-17 M/C 69 H
CHASSIComprimento de 2.080 mm, largura de 760 mm, entreeixos de 1.445 mm, altura de 1.120 mm, altura mínima do solo de 180 mm, altura do assento de 795 mm e peso a seco de 170 kg
TANQUE17 l
SUSPENSÕESDianteira telescópica invertida; traseira monoamortecida, com ajuste de pré-carga da mola
FREIOS Dianteiro com disco ventilado 300 mm, acionamento hidráulico; traseiro com disco ventilado 230 mm, acionamento hidráulico
CORES Azul, amarela, preta e vermelha
PREÇO R$ 14,49 mil


Siga a gente no Twitter! Novidades, segredos e muito mais: www.twitter.com/WebMotors

Gosta de motos 250 cm³?

Então veja aqui no WebMotors a enorme ofertas de modelos para este segmento:

Kasinski Comet 250

Yamaha YS Fazer 250

Honda CBX 250 Twister

Honda XR 250 Tornado

Leia também:

Yamaha MT-03 mistura naked e supermotard em uma moto só

Rodamos com a MV Agusta Brutale 910S

Suzuki B-King 1300: veja como anda a moto do ano de 2008

Ducati Monster 1100, uma big naked italiana

Nova Yamaha YZF-R1 2009 utiliza DNA de MotoGP

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors