Moto: 5 motivos para não atravessar uma enchente

Os alagamentos podem destruir o motor ou causar curto-circuito na parte elétrica da motocicleta; veja outras dicas

  1. Home
  2. Motos
  3. Moto: 5 motivos para não atravessar uma enchente
Agência Infomoto
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

“A moto foi feita para rodar na chuva e não dentro da água”. A frase do mecânico paulista Alexandre Sauro alerta para os riscos de atravessar enchentes e alagamentos. Os problemas são muitos e podem ir de um simples mau cheiro, passando pela oxidação interna do escapamento até o travamento do motor.

Durante as recentes tempestades que atingiram São Paulo na última semana, vimos muitos motociclistas correrem o risco de tentar atravessar áreas alagadas ou enxurradas. A dica mais valiosa nesses casos é “não faça isso”; veja porque.

ADEUS MOTOR

Já ouviu falar de calço hidráulico? Esse nome complicado pode levar a resultados catastróficos para o motor da sua moto. Ele acontece quando o nível da água fica acima da entrada de ar do filtro. Nesse caso, a água entra na câmara de combustão e o motor “morre”. Ao tentar dar partida novamente, o pistão comprime a água que não tem como sair e força biela, pistão e outras partes móveis do motor. “Caso a moto morra, não tente ligar ou dar tranco, ponha em ponto-morto e empurre até um local seguro”, ensina Alexandre.

icon photo
Legenda: Não atravesse uma enchente de moto
Crédito: Divulgação

ESCAPAMENTO SEM SAÍDA

Além da entrada para o filtro de ar a água também pode entrar no motor pelo escapamento. Isso acontece quando o motor “apaga” ou a moto é arrastada pela enxurrada. Se desconfiar que a moto ficou debaixo d’água o ideal é não dar partida ou tranco, pois pode haver água dentro do motor.

Mesmo que a água não tenha atingido o motor ela pode oxidar o escapamento e destruir o catalisador causando grandes prejuízos. Por isso, evite estacionar em locais onde há alagamentos. Mas caso isso aconteça e você desconfie de que possa ter entrado água no escapamento, não ligue a moto e leve-a para um mecânico verificar.

icon photo
Legenda: Não atravesse uma enchente de moto
Crédito: Agência Infomoto

CURTO CIRCUITO

Uma das partes mais sensíveis da moto, e que não convive bem com a água, é o sistema elétrico. Nos vídeos de enchentes vemos que, em muitos casos, os carros e motos estão com farol aceso ou piscas funcionando. Alexandre lembra que isso é o resultado da água que “fecha” os circuitos e causa curtos, danificando módulos e afetando componentes eletrônicos nas motos modernas. “Nas motos carburadas, o CDI pode ser afetado” alerta o mecânico.

CÂMBIO, DESLIGADO

Os donos de scooters devem tomar ainda mais cuidado com o nível da água, pois a entrada de ar nesses veículos fica numa posição mais baixa do que nas motos. Além do risco ao motor e escapamento, os scooters usam câmbio do tipo automático – conhecido como CVT. Se o componente ficar abaixo da linha da água a caixa de engrenagem será afetada assim como o óleo será contaminado com lama. Rodar com o scooter nessas condições pode comprometer todo o conjunto do câmbio e causar um grande prejuízo.

 Não atravesse uma enchente de moto
Legenda: Não atravesse uma enchente de moto
Crédito: Agência Infomoto

MARCAS ETERNAS

“A enchente deixa marcas eternas na moto”, o mecânico lembra que a água entra em partes de difícil acesso – como interior do quadro, por exemplo. Com o passar do tempo, essa água pode oxidar e corroer o metal sem que você veja. O mesmo acontece com o painel que perde sua cor ou fica com restos de lama na parte interna. Farol, lanterna e piscas podem ficar esbranquiçados. A água também pode encharcar a espuma do banco e, caso não fique ao sol para secar apropriadamente, pode deixar um mau cheiro que será a lembrança de atravessar um alagamento ou de que a sua moto ficou debaixo da água.

VÍDEO RELACIONADO

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors