Nasce a primeira big trail da Harley-Davidson

A aventureira Pan America 1.250 chega para quebrar paradigmas e dar um sopro de renovação no line-up da marca

  1. Home
  2. Motos
  3. Nasce a primeira big trail da Harley-Davidson
Roberto Dutra
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Lá se vão quase três anos desde que a Harley-Davidson começou a falar que pretendia entrar em novos segmentos, ainda sob a batuta do ex-presidente Matt Levatich e o plano estratégico "More Roads do Harley". De lá pra cá muita coisa mudou na matriz - inclusive o CEO e o plano estratégico -, mas a big trail Pan America sobreviveu e, agora, finalmente, tem seu lançamento mundial.

Thumbnail 2. Pan America Standard
A Pan America 1.250 será vendida em duas versões. Esta é a standard, a mais barata
Crédito: Divulgação

Muitos detalhes da Pan America já eram conhecidos. O design do modelo de produção não mudou e permanece bruto, imponente e algo exótico, com farol principal retangular de LED que lembra o da mais recente geração da Fat Bob. Ele é envolvido por uma pequena carenagem, que embute uma luz de posição DRL logo acima e, lá no alto, recebe um para-brisa de medidas generosas.

Ali atrás, piloto e garupa têm bancos com duas alturas e bem separados. O painel de instrumentos está em sintonia com os tempos atuais: é uma tela de TFT com 6,8 polegadas, que exibe as informações necessárias de maneira simples e eficiente.

3. Motor Pan America
O motor da Pan America é o Revolution Max, com 150 cv de potência
Crédito: Divulgação

O motor da big trail é o Revolution Max, o estreante de uma nova família de propulsores da Harley-Davidson. Tem 1.252 cm³, refrigeração líquida, 150 cv de potência a 9.000 rpm e torque de 12,9 kgf.m a 6.750 rpm. O câmbio tem seis marchas e, para horror dos harleyros mais conservadores, a transmissão secundária será por corrente, e não por correia como nas outras motos da marca.

Com esse conjunto, a moto promete um consumo médio de 19,6 km/l com a gasolina americana. Há uma versão menor deste motor Revolution Max, com 975 cm³, que seria usada na streetfighter Bronx. Esse outro modelo nasceria junto com a Pan America mas, por enquanto, foi deixado de lado pela Harley-Davidson. Mas uma custom cruiser com cara de drag bike foi confirmada pela marca para ainda este ano, equipada com o mesmo V2 da Pan America.

Thumbnail 4. Pan America Special
A versão Special vem com mais equipamentos, como a suspensão semi-ativa com gerenciamento eletrônico
Crédito: Divulgação

Serão duas versões da big trail da Harley-Davidson

A Pan America será vendida nos Estados Unidos em duas versões, standard e Special. A Special tem alguns quitutes a mais, como protetores de mãos e laterais, monitoramento de pressão dos pneus, cavalete central, pedal do freio com posição ajustável, punhos aquecidos, amortecedor de direção, rodas raiadas que calçam pneus sem câmara e suspensão semi-ativa, entre outros.

Thumbnail 5. Painel De Instrumentos
O painel é uma tela de TFT. Nesta imagem, vemos os quatro modos de exibição das informações, inclusive com GPS
Crédito: Divulgação

Vale destacar que essa suspensão semi-ativa adaptativa tem gerenciamento eletrônico. Nas paradas, o dispositivo evita o afundamento excessivo na frente e mantém a altura atrás. Já nas partidas, impede o afundamento traseiro e o "empinamento" dianteiro. E, claro, como toda Harley, esta também terá um sem-número de opcionais, como faróis auxiliares e os indefectíveis baús quadrados de alumínio - típicos das big trails.

Thumbnail 6. Pan America
As duas versões vêm com protetor de cárter, um acessório muito útil
Crédito: Divulgação

Alguns números e recursos são importantes para entender até que ponto vai a pegada off-road da big trail da Harley-Davidson. A moto tem protetor de cárter, tanque para bons 21,1 litros, freios com ABS desligável, distância livre do solo de 21,1 cm, suspensões com 19,1 cm de curso (número que não decepciona mas também não impressiona) e peso seco de 228 kg, também na média do segmento.

A moto terá três opções de maleiros - todos vendidos à parte: baús rígidos, baús de inox e malas flexíveis
Crédito: Divulgação

A distância do assento ao solo, de 80,7cm a 86,9cm, vai incomodar os pilotos de baixa estatura. Nas duas versões as rodas são de liga leve, que calçam pneus de uso misto Michelin Scorcher Adventure sem câmara, nas medidas 120/70 R19 e 170/60 R17.

A moto pode receber vários acessórios, como os faróis auxiliares na parte frontal inferior
Crédito: Divulgação

Ainda não há previsão para o lançamento da Pan America aqui no Brasil. A expectativa é de que a big trail seja exibida no Salão Duas Rodas de São Paulo, previsto para acontecer em novembro. Se isso realmente ocorrer, aumentam as possiblidades da moto chegar por aqui em 2022.

Os preços nos EUA

Lá nos EUA os preços iniciais são de US$ 17.319 (standard) e US$ 19.999 (Special) - cerca de R$ 94.700 a R$ 109.400. Com esses valores, a primeira big trail da Harley-Davidson está em posição competitiva diante das futuras rivais. Por lá, a BMW R 1.250 GS custa US$ 18 mil na versão standard e US$ 20.300 na Adventure, a Ducati Multistrada vai de US$ 20 mil na versão V4 a US$ 22 mil na Enduro, e a KTM 1.290 Super Adventure parte de US$ 18.600 nas versões S e R. Apenas a Triumph Tiger 1.200 básica, a R, é mais barata (US$ 16.500) - mas a XRx, mais completinha, já vai a US$ 18.900.

Comentários