Teste: Honda CB 600 F Hornet

Testamos a nova Honda CB 600F Hornet equipada com freios combinados e sistema ABS. De funcionamento impecável, a versão topo de linha custa R$ 2,3 mil
  1. Home
  2. Motos
  3. Teste: Honda CB 600 F Hornet
Auto Informe
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- A palavra de ordem dentro da divisão de motocicletas da Honda é segurança. O presidente mundial da marca, Takeo Fukui, prometeu que a partir de 2010 todas as motos acima de 250 cc sairão de fábrica equipadas com sistemas de freio mais avançados e eficientes. No Brasil esse primeiro passo foi dado com a chegada da nova CB 600F Hornet equipada com ABS Antilock Brake System e CBS Combined Brake System, opcional incorporado a linha de produção desde maio. Na ponta do lápis, a Hornet com Combined ABS fica R$ 2,3 mil mais cara que a versão standard. O modelo naked top de linha tem preço sugerido de R$ 33.137 estado de São Paulo, sem frete, óleo e seguro.

A mais recente versão da Hornet chegou ao Brasil em abril deste ano, cheia de novidades. A começar pelo novo e mais potente motor de quatro cilindros em linha com 102 cv. O design ousado também é outra marca registrada da nova Hornet. Uma pequena carenagem recobre o farol afunilado e ainda traz o pequeno painel triangular incorporado. O tanque traz vincos que acompanham as linhas do novo modelo. A traseira segue a tendência minimalista e de lanternas com LEDs. A ausência de roupagem e as duas alças para a garupa também são novidades.

Mas neste modelo top de linha a maior novidade é mesmo o sistema de freios. Rodamos com exclusividade na primeira moto Honda de média cilindrada fabricada no Brasil com freios CBS Combined Brake System e ABS. Veja como funciona.

Freios combinados

Além do preço mais salgado do que a versão standard, a Hornet com Combined ABS é quatro quilos mais pesada – 177 kg contra 173 kg – e traz pinças de freio de três pistões na dianteira – na convencional são pinças de dois pistões. Os discos continuam sendo dois de 296 mm de diâmetro na frente e somente um de 240 mm com pinça simples atrás.

A mudança nas pinças dianteiras foi feita em função do sistema de freios combinados, que liga o pedal de freio traseiro ao pistão central da pinça de freio do disco direito. Resumindo: o sistema CBS Combined Brake System aciona uma das pinças do freio dianteiro quando o motociclista pisa firmemente no freio traseiro. Mas o interessante é que essa última versão do CBS não aciona o freio dianteiro em qualquer “pisada” no pedal.

Uma válvula de retardo delay valve posicionada entre o cilindro mestre traseiro e a pinça de freio dianteira é a responsável por garantir o funcionamento desse sistema somente em situações de emergência. Se ao pilotar, o piloto pisar suavemente no freio traseiro vai resultar em pouca ou quase nenhuma ação sobre a pastilha dianteira direita. Dispositivo muito útil em manobras em baixa velocidade ou na entrada de curvas.

Porém se o motociclista “calcar” o pé no freio sem dó, a válvula detecta a pressão excessiva e dosa a frenagem entre a dianteira e a traseira para garantir equilíbrio da moto em uma situação de emergência. Outra válvula de controle proporcional – Proportional Control Valve PCV – assegura uma frenagem progressiva e controlada.

ABS de última geração

O sistema antitravamento dos freios é o primeiro a equipar uma naked de média cilindrada. Compacto e leve minimiza as chances dos pneus derraparem em superfícies escorregadias.

Uma Unidade de Controle Eletrônico ECU regula um modelador motorizado que controla tanto o freio dianteiro como o traseiro. A ECU também monitora constantemente sensores de velocidade acoplados ao centro das duas rodas.

Ao menor sinal de derrapagem que é detectada por meio da velocidade de rotação das rodas dianteira e traseira faz com que a ECU ative o modulador para que ele controle a pressão sobre os freios em um ciclo de soltar-frear-soltar. Isso até que a velocidade de rotação das duas rodas volte a índices normais.

Isso acontece muito rápido a ponto de ser difícil notar a atuação do ABS. Apesar de já ter pilotado outras motos com ABS, confesso que no caso da Hornet foi realmente imperceptível o funcionamento do sistema. Tive que pisar com muita vontade no pedal de freio traseiro quando rodava em um piso escorregadio até que pudesse sentir o pedal fazer o “tuc-tuc” característico do ABS aliviando a pressão do freio.

Realmente o sistema Combined ABS contribui para uma frenagem mais segura e progressiva em diversas situações. Levando-se em conta o preço sugerido das duas versões, vale a pena pagar cerca de 7% a mais por um sistema que pode tirar o motociclista de situações complicadas.

FICHA TÉCNICA – Honda CB 600F Hornet














MOTOR Quatro cilindros em linha, 599,3 cm³, 16 válvulas, DOHC, arrefecimento líquido
TORQUE6,53 kgm a 10.500 rpm
POTÊNCIA102 cv a 12.000 rpm
ALIMENTAÇÃO Injeção eletrônica
CÂMBIO Seis velocidades
TRANSMISSÃO FINAL Corrente
PARTIDA Elétrica
RODAS Dianteira e traseira de aro 17”
PNEUS Dianteiro 120/70 – ZR17 M/C 58W. Traseiro: 180/55 – ZR17 M/C 73W
CHASSI Mono trave superior fundido em alumínio, 2.085 mm de comprimento, 1.435 mm de entreeixos, altura do assento de 804 mm, largura de 760 mm, altura total de 1.090 mm e peso a seco de 177 kg
TANQUE19 l
SUSPENSÃO Dianteira telescópica invertida, 41 mm de diâmetro e 120 mm de curso. Traseira: monoamortecida, 128 mm de curso e sete regulagens na pré-carga da mola
FREIOSDianteiro Discos duplos flutuantes de 296 mm e pinça de três pistões. Traseiro: Disco simples de 240 mm com pinça de pistão simples
PREÇO R$ 33.137 mil


Gosta de motos naked?

Então veja aqui no WebMotors a enorme ofertas de modelos para este segmento:

Honda CB 600F Hornet

Yamaha FZ6N

Yamaha MT-03

Yamaha MT-01

Leia também:

Bimota BD6R Delírio, exclusiva e artesanal

Suzuki mostra a B-King 2008, uma naked vitaminada

Honda CB 1300 Super Four, uma grande moto

Kasinski Comet Phase2

Ducati Monster 695

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors