Teste: urbana Suzuki GSR150i faz quase 40 km/l na cidade

Econômica e ágil, street da marca japonesa é uma alternativa ao transporte público. O modelo conta com motor injetado e custa R$ 6.829
  1. Home
  2. Motos
  3. Teste: urbana Suzuki GSR150i faz quase 40 km/l na cidade
Agência Infomoto
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Não é segredo para o motociclista brasileiro o fato de que quase 90% do mercado de motos no Brasil é composto pelos modelos de até 150 cilindradas. Além de mais acessíveis, as motos street de baixa cilindrada atendem às necessidades do motociclista que precisa de um veículo ágil, prático e econômico. Dados da Abraciclo associação que reúne os fabricantes de motocicletas mostram que 40% dos proprietários de uma moto, a utilizam como alternativa ao transporte público. E é exatamente esse perfil de motociclista que a Suzuki deseja “abocanhar” com a GSR150i.

Para tanto, a marca japonesa inovou e resolveu oferecer a GSR150i ao consumidor primeiramente por meio do Consórcio Nacional Suzuki. Com parcelas de R$ 123,03/mês em planos de 72 vezes, a marca busca atrair o passageiro do ônibus, trem ou metrô que usa, no mínimo, duas conduções diárias, ou gasta R$ 120 todo mês em São Paulo. Isso sem falar na economia de tempo, que no caso da capital paulista chega a triplicar em relação ao transporte público.

Fabricada na China e montada no Polo Industrial de Manaus PIM pela JToledo Suzuki Motos, a GSR150i chegou com novo motor de 150 cm³ e alguns detalhes que fazem desta “Suzukinha” uma opção também para os fins de semana. Suspensão traseira com reservatório a gás, suporte do bagageiro em alumínio e tampa do cabeçote cromada são alguns detalhes que elevam o status do modelo.

Novo motor
A principal novidade da GSR150i não é o aumento da cilindrada - obtido por intermédio do prolongamento do curso do pistão em 9,8 mm -, mas sim da adoção da injeção eletrônica de combustível, que melhora sua dirigibilidade e a partida a frio do pequeno monocilíndrico. Com essa eletrônica embarcada, a GSR150i ficou com uma aceleração mais linear e com certeza mais econômica. Seu consumo na cidade chegou a registrar média 38 km/litro. O propulsor oferece potência máxima de 12 cv a 8.000 rpm e torque máximo de 1,08 kgf.m a 6.000, números que permanecem iguais aos da Yes, de 125cc, lançada em 2004.

Único entre as streets com câmbio de seis velocidades, esse propulsor exige uma troca de marchas constantes na cidade para que o piloto trabalhe sempre na faixa útil do motor. De semáforo a semáforo, a GSR150i estará em quarta marcha e basta uma curva a esquerda para que a segunda seja requisitada – ou até mesmo a primeira. Todavia, ao entrar na estrada e engatar a sexta marcha, a moto roda com mais tranquilidade. Com relações mais longas, o novo motor pode rodar na mesma velocidade "girando" menos, deixando-a mais econômica.

Outra característica que faz da GSR150i uma opção interessante para o dia a dia é seu sistema de eixo balanceador do motor. Com ele, a vibração e o ruído diminuem, resultando em maior conforto nas viagens longas e poupando os braços na rotina do trabalhador que chega a rodar 50 quilômetros todos os dias.

Conjunto ciclístico
O conjunto ciclístico da GSR150i não apresenta nenhuma grande novidade. Os freios, disco na dianteira e tambor na traseira, não comprometem a pilotagem, mas poderiam ser melhores. O funcionamento do tambor traseiro agradou mais que o disco dianteiro, que se mostrou borrachudo quando muito exigido. Mas temos que levar em conta que a moto testada tinha pouca quilometragem e as pastilhas ainda não tinham se acomodado.

Já as suspensões merecem destaque. O tradicional garfo telescópico na suspensão dianteira não traz nenhuma surpresa, embora trabalhe bem. Mas o amortecimento traseiro pressurizado a gás na suspensão bichoque, dispositivo muito parecido ao utilizado pela Dafra Apache 150, ajuda e muito o piloto, já que a moto não chega ao fim do curso quando passa por um buraco - ou remendo de asfalto, cada vez mais comum pelas ruas das cidades brasileiras.

Os amortecedores traseiros ainda são equipados com sistema de ajuste rápido de pré-carga da mola, com a facilidade e praticidade do acionamento manual, sem a utilização de ferramentas.

Mesma cara
A Suzuki GSR150i atualizou o design da Yes. A semelhança é grande. Muitos criticaram o desenho, outros tantos elogiaram, mas a verdade é que o público brasileiro esperava mudanças mais radicais na nova street da marca japonesa.

Mais refinado, a GSR150i foi preparada para atender tanto ao trabalhador motoboy, quanto ao motociclista de final de semana. Dessa forma, a moto traz tampa do cabeçote cromada, assim como os retrovisores, e o útil bagageiro em alumínio. Há também uma nova tampa de combustível tipo avião e pedaleiras do piloto, ambas articuladas.

O painel de instrumentos é totalmente novo e traz display em LCD que indica hodômetro total e parcial, além de indicador de marcha, permitindo fácil leitura ao piloto. A luz indicadora de falha no sistema de injeção de combustível também foi integrada ao painel. Outro ponto que merece destaque é o banco em dois níveis, muito confortável para piloto e garupa.

Disputa acirrada
A GSR150i tem preço sugerido de R$ 6.829 e está disponível nas cores amarela, vermelha, preta e prata. Sua missão é bastante difícil: desbancar as líderes.

Só para ser ter uma ideia, a Honda CG 150 R$ 6.680, versão Fan ESDi teve 458.340 unidades emplacadas em 2011. Seguida de perto pela irmã menor, a CG 125 R$ 5.696, versão Fan ES que vendeu 405.179 unidades ano passado. Em terceiro vem a Yamaha YBR 125 Factor R$ 6.851, versão ED, com 123.183 unidades licenciadas em 2011. A Suzuki EN 125 Yes aparece na quarta colocação em número de emplacamentos do Denatran, com 17.311 emplacadas ano passado — lembrando que o modelo de 125cc da Suzuki continua a ser vendida por R$ 5.890.

O segmento conta ainda com a Dafra Riva 150 R$ 4.990, que foi lançada este ano, e a Kasinski Comet 150 R$ 5.390, que oferece três anos de garantia. A disputa está cada dia mais acirrada e quem ganha com tantas opções é, sem dúvida, o motociclista brasileiro.

Ficha Técnica
Suzuki GSR150i
Motor Quatro tempos, monocilíndrico, 2 válvulas, OHC, refrigeração a ar e sistema de eixo balanceador
Potência máxima 12 cv a 8.000 rpm
Torque máximo 1,08 kgf.m a 6.000 rpm
Cilindrada 149,5 cm³
Diâmetro x Curso 57,0 X 58,6 mm
Taxa de Compressão 9,1 : 1
Transmissão 6 velocidades
Sist. de Transmissão Corrente
Sistema de Lubrificação Cárter Úmido
Alimentação Injeção Eletrônica
Partida Elétrica
Comprimento Total 2.055 mm
Largura Total 730 mm
Altura Total 1.090 mm
Entre-eixos 1.270 mm
Distância do Solo 165 mm
Altura do Assento 730 mm
Peso 132 Kg por ordem de marcha
Suspensão
Dianteira Telescópica de amortecimento hidráulico, mola helicoidal
Traseira Balança articulada, com amortecedores hidráulicos/pressurizados a gás, molas helicoidais, com ajustes de pré-carga das molas
Freio
Dianteiro Disco
Traseiro Tambor
Pneu
Dianteiro 2.75-18 M/C 42P, sem câmara
Traseiro 90/90-18 M/C 57P, sem câmara
Tanque 14 litros
Óleo do Motor 1.100 ml com troca de filtro
Cores Amarela, vermelha e preta
Preço R$ 6.829

__________________________________

Agenda da Moto Twitter
__________________________________

_________________

Twitter
_________________


Gosta de motos superesportivas?

Então veja aqui no WebMotors as ofertas de motos com esse estilo:

Ducati 1098

Ducati 999

Honda 1000 RR Fireblade

Kawasaki ZX Ninja

Yamaha YZF R1

Suzuki 1300R Hayabusa

Leia também:

Suzuki GSX 1300R Hayabusa

Rodamos com a MV Agusta Brutale 910S

Suzuki B-King 1300: veja como anda a moto do ano de 2008

Ducati Monster 1100, uma big naked italiana

Nova Yamaha YZF-R1 2009 utiliza DNA de MotoGP

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors