Como é o novo carro da Fórmula 1?

Apresentado na última semana, em Silverstone, conceito chega com proposta de tornar as corridas mais disputadas

  1. Home
  2. Últimas notícias
  3. Como é o novo carro da Fórmula 1?
Marcus Celestino
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

A Fórmula 1 apresentou na última semana o que será seu novo carro, que irá estrear na temporada 2022. É claro que é um conceito, uma visão da própria categoria, e terá nuances conforme o idealizado por cada uma das equipes. O novo modelo tem como principal objetivo tornar as corridas mais emocionantes.

Para tornar a disputa mais equilibrada, o novo carro da Fórmula 1 tem muitas diferenças em relação ao modelo atual. O próprio site da categoria listou os grandes destaques do conceito. Trazemos para você, aqui neste texto, quais são.

O novo carro da Fórmula 1

1- O novo carro da Fórmula 1 foi projetado de forma a evitar a absurda perda de downforce que hoje ocorre nos bólidos da categoria. Isso é resultado do ar sujo jogado pelo veículo que está à frente no que o segue.

Atualmente, se estiverem a três carros de distância de outro veículo, os modelos da categoria perdem 35% de downforce. Conforme se aproximam, perdem até 50% — o que dificulta, e muito, as ultrapassagens.

O carro de 2022 traz novamente o conceito de ‘ground effect’, que ajudará, segundo a F1, a reduzir a perda de downforce para 4% em 20 metros de distância e para 18% em 10 metros.

Novo Fórmula 1 B
O novo carro da Fórmula 1 foi projetado de forma a evitar a perda de downforce
Crédito: Divulgação
toggle button

2 - Os novos carros têm winglets sobre as rodas que servirão para “empurrar” o ar para longe da asa traseira. Eles também têm tampas nas rodas - recurso visto pela última vez na categoria em 2009. No entanto, a F1 não permitirá que engenheiros as modifiquem a fim de direcionar o fluxo de ar de forma a atrapalhar o carro que vem atrás.

3 - Elas já estão em testes faz um tempinho e irão estrear no novo carro da Fórmula 1. As rodas de 18 polegadas, com pneus de perfil baixo, foram projetadas para evitar um pouco mais o superaquecimento dos compostos. Além disso, os pneus reduzem mudanças de deflexão da parede lateral.

4 - A asa dianteira foi repensada com o objetivo de gerar downforce mesmo quando um carro perseguir o outro de perto.

Novo Fórmula 1 C
Asa dianteira foi repensada para gerar downforce mesmo quando o carro perseguir outro de perto
Crédito: Divulgação
toggle button

5 - Um recurso aerodinâmico que fez muito sucesso nos anos 1970, após ter sido implementado pela equipe Lotus, voltou. Bom, mais ou menos.

Os carros dos 1970 eram projetados na forma de asas invertidas de avião, de forma a criar muito, muito downforce. Por motivos de segurança, o recurso foi proibido em 1982.

O carro de 2022 traz túneis sob o assoalho de forma a gerar e, especialmente, preservar, downforce. Assim, os pilotos poderão, segundo a categoria, ter disputadas mais equilibradas na pista.

6 - As asas traseiras foram projetadas para direcionar o fluxo de ar para cima e para evitar que o ar sujo vá direto para o carro de trás. Ela cria um fluxo de ar rotacional e forma uma esteira em forma de “cogumelo”.

Novo Fórmula 1 D
Asas traseiras foram projetadas para evitar que o ar sujo vá direto para o carro de trás
Crédito: Divulgação
toggle button

7 - A unidade de potência do novo carro da Fórmula 1 é a mesma da atual temporada. No entanto, o monitoramento das unidades será mais rigoroso, já que a FIA contará com mais sensores para escrutinar.

8 - A proporção de biocomponentes no combustível utilizado terá proporção aumentada para 10%. Atualmente, o combustível contém 5,75%. Com isso, a F1 ruma para um futuro mais sustentável.

9 - O chassi do novo carro da Fórmula 1 ficou mais seguro. Ele é capaz de absorver 48% e 15% a mais de energia nos impactos dianteiros e traseiros, respectivamente.

10 - Até chegar ao que foi apresentado em Silverstone, o carro da F1 2022 passou por cerca de 7.500 simulações, que, juntas, criaram meio petabyte de dados. Isso equivale a um terço dos 10 bilhões de fotos no Facebook — ou a 10 milhões de arquivos de quatro gavetas cheios de documentos.

Comentários