Dia Mundial do Fusca: a "vida" do carro no Brasil

Em 3 de janeiro de 1959 saiu da linha de montagem o veículo que inaugurava a produção do modelo com peças brasileiras

  1. Home
  2. Últimas notícias
  3. Dia Mundial do Fusca: a "vida" do carro no Brasil
Guilherme Silva
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Vamos lembrar nesta terça-feira (22), data em que se comemora o Dia Mundial do Fusca, a trajetória do simpático (e longevo) carrinho no Brasil. Antes, no entanto, vamos falar sobre a data. É lógico que não foi uma escolha aleatória. Foi em 22 de junho de 1934 que Ferdinand Porsche assinou um contrato com a Associação Nacional da Indústria Automobilística Alemã para a fabricação de um carro popular, resistente e barato.

Era o início do governo de Adolf Hitler (1889-1945), que pretendia dar impulso na indústria alemã e teria no carro robusto e com preço popular um trunfo para alcançar os seus objetivos . Começava a concepção do Fusca. Mas os primeiros protótipos foram apresentados somente nos anos seguintes, a princípio com o nome de KdF-Wagen .

Fusca brasileiro nasceu em 1959

O primeiro Fusca fabricado no Brasil com peças nacionais saiu da linha de montagem da antiga fábrica da Volkswagen no bairro do Ipiranga, em São Paulo, no dia 3 de janeiro de 1959. Naquele ano foram vendidas 8.406 unidades do modelo, então chamado de Sedan.

Antes da nacionalização, entre 1953 e 1958, pouco mais de 2.200 Fuscas foram montados no Ipiranga com peças importadas da Alemanha. Na época, a escassez de fornecedores de componentes era o grande desafio da Volkswagen para atingir os 54% de grau de nacionalização exigidos por lei.

 Fábrica da Volkswagen no Ipiranga produziu o primeiro Fusca com peças nacionais no fim da década de 1950
Legenda: Fábrica da Volkswagen no Ipiranga produziu o primeiro Fusca com peças nacionais no fim da década de 1950
Crédito: Divulgação

O Fusca era equipado com o motor boxer (quatro cilindros opostos) refrigerado a ar, de 1.2 litro a gasolina, que entregava modestos 36 cv de potência e levava o “besouro” aos 110 km/h de velocidade máxima. O câmbio manual de quatro marchas não tinha sincronizador (a primeira marcha só podia ser engatada com o carro parado).

Família Matarazzo comprou o primeiro

O primeiro exemplar nacional foi adquirido no dia 7 de janeiro de 1959, pelo empresário Eduardo Andrea Matarazzo, que comprou o carro em uma concessionária no bairro de Santo Amaro por 471.200 cruzeiros, o equivalente a mais de R$ 20 mil em valores atualizados. A abastada família Matarazzo ainda comprou mais 29 Fuscas.

Desde então, o Fusca fez parte da história de milhões de brasileiros. Foram cerca de 3,3 milhões de unidades produzidas no Brasil entre 1959 e 1986, marca que o colocou na liderança do mercado nacional durante 24 anos. O posto de carro preferido dos brasileiros foi perdido para o Gol somente em 1987.

Linha Produçao Fusca
Foram produzidas no Brasil cerca de 3,3 milhões de Fuscas entre 1959 e 1986
Crédito: Divulgação

A fabricação do Fusca em São Bernardo do Campo (SP) chegou a ser retomada, entre 1993 e 1996, a pedido do então Presidente da República Itamar Franco. Mas o “Fusca Itamar” não fez o sucesso esperado devido à concorrência de modelos mais modernos e com preços mais competitivos.

Mundialmente, o Fusca vendeu mais de 21,5 milhões de exemplares. O México foi o último país a encerrar a fabricação do modelo, na fábrica de Puebla, em 2003.

As “reencarnações” modernas do Fusca, conhecidas como New Beetle e Novo Fusca, também tiveram produção mexicana, finalizada em 2019 com uma série especial destinada aos Estados Unidos.

Thumbnail Fusca Moderno
Fusca moderno, produzido no México, teve a produção encerrada em 2019 com série especial
Crédito: Divulgação
Comentários