Controle de estabilidade completa 25 anos

Equipamento de segurança ativa já é obrigatório no Brasil para projetos novos de automóveis

  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Controle de estabilidade completa 25 anos
Renan Rodrigues
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

O nosso leitor mais assíduo deve ter reparado diversas matérias falando sobre o controle de estabilidade (ESC ou ESP). O item passou a ser obrigatório em projetos novos a partir deste ano no Brasil, e em 2022 vai equipar todos os veículos 0 km. Mas você sabia que ele já existe há 25 anos?

Isso mesmo, o ESP foi criado pela Bosch e hoje está presente em 82% dos veículos de passeio ou picapes produzidos no mundo. Responsável por salvar inúmeras vidas, o sistema finalmente ganha o merecido reconhecimento no Brasil.

Como surgiu?

A história do controle de estabilidade começou 12 anos antes de seu lançamento. Engenheiros da alemã Bosch começaram a analisar o sistema de frenagem ABS e queriam aperfeiçoá-lo. A ideia era oferecer melhor controle do veículo que em situações de derrapagem.

Em 1991, a Bosch criou uma parceria com a Mercedes-Benz. A partir de então, o sistema começou a uma fase final de desenvolvimento e entrou em produção em 1995. O responsável pela estreia do controle de estabilidade foi o Mercedes-Benz Classe S Coupé. O item era de série nas versões mais caras e opcional nas demais.

Popularização

Como todo item tecnológico, o ESP começou sua história restrita aos carros mais caros. No entanto, graças à revista sueca "Teknikens Värld", que realiza o temido “teste do alce”, o dispositivo de segurança começou a se espalhar.

Ao demonstrar a facilidade com que o recém-lançado Classe A capotava em um desvio abrupto, a revista reprovou o hatch. Assim, a Mercedes-Benz parou a produção do modelo e atualizou o compacto, incluindo o controle de estabilidade como item de série em todas as versões.

Atuação

O controle de estabilidade basicamente usa a matemática e sensores para saber quando atuar. Um software calcula a trajetória do veículo com o ângulo do volante. O sistema, então, determina se deve intervir ou não. Essa operação é realizada 25 vezes por segundo.

Quando entende que precisa intervir para evitar que o carro derrape, o ESP utiliza o controle de tração para, através da central eletrônica de controle do motor, reduzir o torque e aplicar frenagem individual nas rodas, trazendo o carro de volta para a trajetória correta. Por vezes essa interferência sequer é percebida pelo motorista.

Comentários