JAC renasce com SUVs e fim de cotas de importação

Chinesa aproveita fim do 'Super IPI' em 2018 com 4 lançamentos e meta de vender 10 mil unidades. Fábrica, só CKD em 2019

  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. JAC renasce com SUVs e fim de cotas de importação
Redação WM1
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

No começo de 2018, acaba no Brasil a sobretaxa de 30 pontos percentuais de IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) para automóveis importados, além do limite por cotas mensais, vigentes desde 2012 por determinação do Inovar-Auto, regime automotivo que expira este ano. Com o fim da restrição, surge um novo alento para marcas que não têm fábrica no país e viram as vendas despencarem aqui durante os últimos seis anos, também por conta de fatores como a alta do dólar e a própria retração do mercado local.

A JAC Motors, que em 2011, logo no seu ano de estreia no Brasil, chegou a ser a 13ª montadora em unidades comercializadas, com cerca de 23,7 mil emplacamentos, hoje é apenas uma figurante, porém com expectativa de vender todas as 4,8 mil unidades restritas por cota este ano. Os planos são de subir para 10 mil veículos em 2018, com foco quase total nos SUVs e utilitários - os hatches J3 e J2 e o sedã J3 Turin, que marcaram a chegada da marca ao país, com propaganda do Faustão, nem são mais oferecidos no site oficial da operação brasileira e não devem voltar.

"Com o fim do 'Super IPI', não haverá mais essa diferenciação tributária maluca entre importadoras e fabricantes nacionais, que é ilegal e inclusive resultou na condenação do Brasil pela OMC (Organização Mundial do Comércio). Agora, vamos poder vender o que temos competência para comercializar. Só não lançamos ainda o T40 automático por causa das cotas", afirma Sergio Habib, presidente do Grupo SHC, detentor da representação local da JAC Motors. "Decidimos focar o segmento de SUVs porque é o que mais cresce, representava 5% do mercado de automóveis há cinco anos e agora responde por mais de 23%", justifica o empresário.

Desde o começo da operação da JAC no país, foram comercializadas pouco mais de 80 mil unidades de veículos da marca, das quais aproximadamente 75 mil são dos três modelos que saíram de linha  - cujo pós venda segue "normal", com todo o atendimento garantido, de acordo com a companhia.

icon photo
Legenda: JAC T40 é o novo SUV da marca chinesa
Crédito: JAC T40 é o novo SUV da marca chinesa

Para o ano que vem, "independentemente" da recuperação do mercado, a JAC, que até lançou novo logotipo, programa quatro lançamentos para o país, com a expectativa de repetir a boa receptividade ao hatch aventureiro T40 (ou SUV compacto, dependendo do ponto de vista, na foto acima), recém chegado ao país, e do T5, que ganhou a opção de câmbio CVT em novembro passado.

Jac motors T5 reestilizado

LANÇAMENTOS PARA 2018

Em março do ano que vem, o T40 CVT chega ao Brasil com a missão de ser o modelo mais vendido da. JAC aqui - hoje disponível apenas com câmbio manual de cinco marchas, tem preço inicial de R$ 56.990. Também no primeiro trimestre, a marca traz o T5 reestilizado (foto acima) que apareceu pela primeira vez em abril passado, no Salão de Xangai (China), tanto com transmissão manual tanto quanto com CVT.

Jac motors T20 J2

No segundo semestre, será a vez de lançar o T20 (foto acima) para ser o "mini SUV" da JAC, posicionado em preço e porte abaixo do T40. Trata-se de uma versão com visual "cross" do J2, mantendo a mecânica com motor 1.4 flex  de 108 cv com caixa de marchas manual. Se conseguir chegar com preço inicial na faixa de R$ 40 mil, será candidato a roubar clientes do Renault Kwid, que tem porte semelhante e porta-malas maior - 290 litros contra apenas 121 litros do J2 que serve de base para o T20.

Por fim, a JAC também vai trazer no segundo semestre de 2018 uma picape diesel 4x4 com cabine dupla e tração 4x4 chamada de T6 Pick-up (foto abaixo) na China, cuja importação já foi apontada pelo WM1. A picape já tem unidades rodando em testes no país a fim de ser nacionalizadas - processo que, de acordo com fonte ouvida pela reportagem, terá mudanças visuais, sobretudo na grade dianteira. Será uma concorrente da Actyon Sports da Ssangyong, que também tem lançamento confirmado pela marca sul-coreana para o ano que vem.

icon photo
Legenda: Jac motors T6 Pick-up picape
Crédito: Jac motors T6 Pick-up picape

FÁBRICA, CKD EM 2019

E quanto à fábrica prometida para 2014 em Camaçari, com investimento de R$ 1 bilhão, capital da matriz chinesa e capacidade para produzir 100 mil veículos por ano, que ainda não saiu do papel e rendeu multa de mais de R$ 100 milhões de parte do MDIC (Ministério de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior)?

A construção da fábrica está mantida, de acordo com Sergio Habib, porém com metas mais modestas e sem o dinheiro chinês. "Vamos construir em sistema CKD, com todas as peças importadas da China e montadas no Brasil. Iremos inicialmente montar o T40 aqui. Ainda não estimamos volume", informa o chefão da operação local da JAC Motors - a montadora apresentou em 2015 ao ministério o novo plano da planta, que prevê aporte de R$ 200 milhões e montagem de 20 mil unidades por ano. Fontes consultadas afirmam que a fábrica não deve entrar em atividade antes de 2019, no entanto.

Em junho de 2016, a JAC chegou a ter a habilitação no Inovar-Auto cancelada pelo MDIC, que também pediu a devolução de créditos fiscais concedidos (a citada multa) por não cumprir a promessa da fábrica em 2014. A empresa recorreu em seguida e conseguiu derrubar a portaria via liminar judicial, mantendo o registro de operação no país.

O número de concessionárias, que chegou a cerca de 70 nos bons tempos e caiu para aproximadamente 30 atualmente, também vai crescer. "Nunca pensamos em sair do Brasil. Temos um compromisso com o consumidor e devemos ampliar o número de concessionárias em 12 unidades até o fim do ano que vem. Agora vamos voltar a crescer e a oferecer bons produtos a preços competitivos. O inverno passou", promete o empresário.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors