Nos EUA, concessionárias se preparam para o elétrico

Para Ed Tokim, professor da N.A.D.A. University, criar uma infraestrutura é urgente: em dez anos os Estados Unidos terão 1,4 milhão de VE
  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Nos EUA, concessionárias se preparam para o elétrico
Auto Informe
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– A rede de concessionárias dos Estados Unidos se prepara para a chegada do carro elétrico, uma demanda que vai exigir mudanças radicais no atendimento ao cliente, por suas peculiaridades e necessidades, bem diferentes do comprador de carro com motor a combustão.

E a preparação para esse novo momento da indústria automobilística é urgente. Pesquisa feita nos Estados Unidos mostra que 61% dos consumidores têm interesse pelo carro elétrico, embora a maioria seja “muito sensível ao preço”, isto é: aprovam, mas não pagariam a mais para ter um.

O fato é que o carro elétrico está se tornando realidade e portanto é preciso preparar o setor para atender uma demanda que crescerá rapidamente nos próximos dez anos. Para Ed Tokim, professor da N.A.D.A. University, a criação dessa infraestrutura é necessária e urgente. Ele estima que até 2020 estarão rodando nas ruas dos Estados Unidos 1,4 milhão de VE veículos elétricos. Hoje são 50 mil.

Ed Tokim apresentou aos concessionários estadunidenses um quadro da infraestrutura necessária para atender esse novo cliente durante o congresso da National Automobily Dealers Association associação dos concessionários, em fevereiro, em São Francisco.

Para ele, o maior desafio para colocar o carro elétrico no mercado será da concessionária, pois ela terá que ensinar o consumidor a operar o carro e será responsável pela instalação do sistema de alimentação na casa do cliente ou no local de trabalho, bem como terá que ensinar a fazer a manutenção do sistema.

Existem três sistemas de carregamento do carro elétrico: o lento, o rápido e um terceiro que fica no carro para uma emergência. O motorista fica conectado a uma central e recebe informação pelo celular indicando posto de serviço mais próximo, para que faça a reserva, quer dizer, marque a hora que vai deixar o carro para carregar a bateria.

Segundo Ed Tokim, ao vender o carro a concessionária será responsável para instalar a estrutura na casa do cliente antes dele levar o carro pra casa.
E isso será um custo adicional para o comprador.

As 17 maiores cidades dos Estados Unidos – a maioria na Costa Oeste - já têm o sistema em desenvolvimento para atender a chegada do carro elétrico, num total de 12mil carregadores, sendo oito mil residenciais e quatro mil comerciais.
Segundo o professor Tokim, o aperfeiçoamento do sistema de baterias está no recarregamento e não no desenvolvimento de baterias mais duráveis:

“A proposta é, em vez de criar uma bateria que dure mais, desenvolver um sistema que permita o motorista recarregar a bateria mais rapidamente, muitas vezes ao dia, de forma que possa ampliar a autonomia”, disse.

Chevrolet e Nissan são as empresas que estão mais avançados nesse processo, segundo Ed Tokim, que aponta o abastecimento como o maior desafio dessa nova etapa do setor automobilístico:

“A angústia do carro elétrico é o abastecimento, aí está o grande desafio.”

________________________________

Joel Leite joelleite@autoinforme.com.br é diretor da Agência AutoInforme, especializada no setor automobilístico, que fornece informações para vários veículos de comunicação. Produz e apresenta o Boletim AutoInforme, das rádios Bandeirantes, Band News e Sul América Trânsito. É formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e pós-graduado em Semiótica e Meio Ambiente.

Leia outras colunas de Joel Leite aqui

____________________
Siga o Joel Leite no Twitter

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors