O modelo Bamboo

Suíça Rinspeed preparou carro para expor no Salão de Genebra
  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. O modelo Bamboo
Roberto Nasser
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Juristas são bichos especiais e se entendem em linguagem própria, usando garateias do tempo para pescar conceitos, ditados, e brocardos latinos. Um deles, conhecido e praticado pelos tributaristas é Prima Facie. Quer dizer mais ou menos: vale a primeira impressão, o tá na cara. É empregado para classificar e daí aplicar o quantum percentual de imposto determinado artigo irá pagar. Olhou, e o objeto visto é um caminhão, valeu: tome classificação e imposto de caminhão. E por aí vai.

A inventiva suíça Rinspeed preparou carro para expor no Salão de Genebra, março 3 a 13. É o Bamboo. Ou como define, Nomen est omen – o nome diz tudo.
É uma volta às raízes. Desenho simples, carroceria, bancos e muitas partes em fibra de bambu, pequeno motor elétrico com 70 cv, autonomia de 105 km. Nada de firulas, cromados, frescuras, mas projeto para os dias atuais de economia de materiais e danos ecológicos. Não está em produção, mas é fácil demarrá-la como carro de golfe, de praia, transporte em aeroportos. É a proposta. Sabido, Frank Rinderknecht, criativo nº 1 do negócio, ligou o carro a uma BamBoo Community. Na prática mistura o uso do carro com plataformas de comunicação, redes sociais, sustentabilidade. O futuro. O BamBoo nunca será sucesso de vendas, mas a combinação entre necessidades, pressões quanto ao futuro e capacidades tecnológicas será aplicada por todas as marcas.

Na prática

O que é prático, factível, ligando as novidades apresentadas no Salão de Genebra e o consumidor brasileiro? O BamBoo não o será como veículo, mas como proposta.

Das apresentações, o picape Ranger nos é mais próximo. Será feito na Argentina e apresentado até o final do ano. Projetado a partir da Austrália, tem maior porte e capacidade de carga. Dado comum, transmissões mecânica e automática com 6 velocidades, mas as motorizações diesel de 2.2 e 3.2 litros não parecem factíveis, pois não produzidas no Mercosul.

Outros, em menor volume no mercado interno, o Fiat Freemont, na prática o Dodge Journey aqui à venda nas concessionárias Chrysler, com frente e motor Fiat, produzido no México, será importado e distribuído por concessionários Fiat. Audi A3, Hyundai i40; Kia Rio; novos Aston Martin Vantage S e Virage; VW Tiguan em nova grade.

Roda-a-Roda

Lucro – A General Motors Company, nome da empresa após o tsunami de 2008, fez lucros em 2010: antes da dedução de impostos, US$ 4.7 bilhões - US$ 2,89 por ação. Bom resultado ante o drama de 2008 e prejuízo em 2009.

Parcela – A operação sul-americana reduziu lucros em 50%. Em setembro e dezembro de 2010 US$ 0.2 bilhões, contra US$ 0.3 bilhões em idêntico período de 2009.

Razão - A cobrança por resultados deve ter sido a última parcela da conta feita por Denise Johnson, 44, presidente da GM brasileira para demitir-se, encerrando carreira brilhante e ascendente. Outras: ter deixado marido e três filhas entre 14 e 24 anos em Detroit; ter direito a boa soma pela retirada; e a falta de paciência para cobranças sobre a queda de rentabilidade da empresa sob seu comando – resultado colhido, mas não plantado por ela em sete meses de gestão. Internamente, comenta-se sua irritação com os novos projetos da GMB, simplificados e defasados dos concorrentes – razões da crise e apequenamento mundiais.

Futuro – Sergio Marchionne, CEO da Fiat, mostrou protótipo do novo Alfa Romeo 4C: esportivo moldado à mão, jeito de Lotus, motor central e tração traseira. Pesará, diz-se, inacreditáveis 850 kg e, com pequeno motor 1750 cm3, turbo, injeção direta, comandos variáveis, 16V, 200 cv, faz de 0 a 100 km em 6s. Restaura o espírito Alfa: som de motor, tração traseira, emoções e sentidos ao conduzir.

Mídia – Ferdinand Piech, todo poderoso na Volkswagen, disse no Salão de Genebra, que se a Alfa fosse VW venderia quatro vezes mais, 400 mil carros, em cinco anos. Não é declaração negocial, mas para ocupar espaço e desviar atenção quando a justiça alemã questiona, penalmente, o negócio atrapalhado envolvendo compra de ações Porsche e VW.

Hyundai – Por si e sem seu representante CAOA, a Hyundai lançou pedra fundamental de fábrica em Piracicaba, SP. Fará, no 2º semestre de 2012, o HB, automóvel adequado a mercados em desenvolvimento, médio pequeno, e quer, em 2013, ultrapassar a Ford, 4ª colocada em vendas.

Ocasião – Por observar, a Hyundai escolheu data própria para não contar com jornalistas especializados à cerimônia, quando a massa crítica estava fora do país em apresentações da Peugeot, Fiat, Audi e Salão de Genebra.

Faltou - Pela ausência poupou-se explicar como ficou a dívida com a Receita brasileira, e se o padrão assistencial da marca manterá as falhas do atual representante em sua rede particular de distribuição.

De olho – Carros chineses serão aceitos pelo mercado, com seu desencontrado padrão de qualidade e segurança? Se interessado, preste atenção na performance dos JAC. Algumas cidades já os expõem nas concessionárias da marca.

Dia J – A marca será representada pelo engenheiro Sérgio Habib, 52, implantador da Citroën no país e dela operando meia centena de revendas. Com a JAC Habib quer repetir a operação com experiência e meios geometricamente maiores aos empregados há 20 anos. Começa pela interferência na composição dos modelos J3 e J3 Turin, e pela impactante e nunca vista inauguração de 50 revendedores da marca – todas de sua propriedade – no mesmo dia, o Dia J. Com tal impacto, investimento e experiência, a JAC deve puxar a imagem dos chineses.

Versão – Mantendo sua política de criar séries especiais para provocar o mercado e consumidores em busca de veículos personalizados, a Suzuki fez a Limited Edition sobre o Grand Vitara. Aplicou estribos laterais, pintou rodas aro 17” e grade frontal em grafite. Porta ainda aerofólio, entrada para iPod e plaquinha de identificação. Todos com transmissão automática e tração em todas as rodas. Custa R$ 91.000.

Emissões – Senador Clésio Andrade PR-MG, do ramo, apresentou o PL 38/2011 obrigando divulgar valores de emissão de gases poluentes. Orientará os consumidores.

Radar – No Ministério dos Transportes, o DNIT, para dizer o menos, polêmico órgão encarregado de abrir e manter estradas, implantará Programa Nacional de Controle de Velocidade. Quase 3.000 aparelhos serão instalados e a missão parece apenas faturar, como hoje fazem os radares. Nada de educação no trânsito, apenas fazer fluxo de dinheiro.

Evidencias – Dá para acreditar na seriedade de multa por velocidade em estradas esburacadas, intransitáveis, deficientes em sinalização, sinais cobertos por mato, sem apoio e auxílio oficiais? Este pessoal do MT não entendeu que as rebeliões na Tunísia, Egito e Líbia são exatamente pelo desencontro entre excesso de taxas, tributos, maus gastos e falta de retorno dos serviços públicos. Preços de Suécia, serviços de Senegal antes davam reclamação. Hoje, deposição.

Conforto – Nissan Livina e Gran Livina podem ter piloto automático. Da Dalgas, o acessório eletrônico permite cumprir a velocidade estabelecida pelo condutor e pode ser conectado sem alterar a instalação elétrica.

Ampliação – A Moto Honda da Amazônia lançou pedra fundamental de outra unidade industrial na Zona Franca de Manaus, AM. Festa de relevo, presente o CEO da Honda Motor Co. Takanobu Ito. Investimento de R$ 10 milhões, proporcional à construção hígida e rápida para operar em novembro.

Mil - A Kia Motors Uruguay, operação da representante brasileira no oriental país, festeja produzir a milésima unidade comercial leve Kia Bongo K2500. Faz 25 unidades/dia, crescerá para 30 em março.

De novo – Enquanto prepara o lançamento dos Corolla 2012, nestes dias, a Toyota chama a recall os produzidos entre março de 2008 e dezembro de 2010: vazamento no sistema de gasolina para partida a frio pode incendiar o automóvel. Dúvidas? 0800 703 02 06 ou www.toyota.com.br.

Coerência – Nos EUA a Toyota chama 2,2 mil de veículos a recall, adicionais aos já verificados sobre a misteriosa aceleração e acidentes. A empresa foi multada pelo governo dos EUA em US$ 48M – uns R$ 82M - por convocação pouco clara aos consumidores.

Negócio – A proximidade do lançamento dos novos Corolla permite ao consumidor capaz de negociar, conquistar bons descontos e condições com a linha atual, subitamente defasada.

Outra – Anuncia a BMW a criação de submarca: BMW-i. Nela tratará de carros elétricos, como pesquisa desde 2007.

Ad locum – Mora em S Paulo? Gosta de automóveis? Pois homenageie o Luizinho Pereira Bueno, grande piloto brasileiro, ponto de inflexão para o profissionalismo: suas cinzas serão jogadas no Autódromo de Interlagos. Dia 12 de março, sábado, às 10h45. Interlagos sempre pontuou a história do Peroba.

Sinergia – Tecnologia custa caro e o bonde da redução de emissões vem na contramão. Para melhor resultado de investimento x benefício, mesma BMW e PSA Peugeot Citroën farão joint-venture em tecnologias híbridas, aplicando 100M E, e funcionar politicamente correto, em Munique, Alemanha, e em Molsheim, na Alsácia francesa.

Ecologia – Nos EUA a Cummins Inc divulgou o Projeto de Reciclagem de Óleo de Cozinha, tocado pela filial brasileira, estar entre os 15 eleitos do Desafio Mundial de Projetos Sócio-ambientais. Aqui coleta óleo trazido por funcionários e transforma em sabão e biodiesel.

Gente – Eduardo Pinchiger, 41, jornalista, subindo. Deixou a assessoria de imprensa da Mercedes e é o novo número 1 em relações com a imprensa da JAC Motors. Desafio assumir o cargo 10 dias antes da apresentação de marca e produtos. Soraia Franco, administradora, visão ampliada. Antes restrita à Cummins Brasil tocará a área de responsabilidade social na América do Sul.


As opiniões expressas nesta coluna são de responsabilidade de seu autor e não refletem, necessariamente, a opinião do site WebMotors.


Leia outras colunas de Roberto Nasser aqui

_______________________________
Roberto Nasser edita@rnasser.com.br , residente em Brasília, é advogado, especializado em indústria automobilística. Dentre suas ações de utilidade social se destacam a defesa para a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança e as propostas da criação da categoria do veículo de coleção, da dispensa de equipamentos modernos pelos carros antigos, da mudança de óptica sobre os colecionadores, da permissão de importação de veículos antigos, além da criação do Museu do Automóvel, na Capital Fcaptional, do qual é curador. Escreve sobre automóveis semanal e ininterruptamente há 41 anos e trata este ofício como diversão e lazer. Sua coluna “De Carro por Aí” é publicada em 15 mídias.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors