Salão do Automóvel de Buenos Aires

Vulcão atrapalha, mas Salão portenho tem atrações
  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Salão do Automóvel de Buenos Aires
Roberto Nasser
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Os eflúvios das nuvens de lava emitidos pelo chileno vulcão Puyehue toldam, atrapalham negócios, diminuem o faturamento turístico da cidade e dos negócios a serem feitos com os expositores, mas não vedam o sucesso do Salão do Automóvel de Buenos Aires, de 17 a 26 de junho.

O número de 500 mil visitantes anteriormente calculados deve se reduzir, assim como o volume de negócios, tudo por condições extramercado. As erupções poluem o ar, tornam perigosos os voos, aumentam o risco de danos às turbinas dos aviões e, com isto, impedem viagens. Jornalistas brasileiros deixaram de encher um avião para assistir às entrevistas da mostra, e muitos negócios deixarão de ser feitos com compradores estrangeiros, impedidos de pousar pelos vôos cancelados, ou evitando a viagem por conta da incerteza da data de retorno.

Feito a cada dois anos – volta após supressão em 2009 – é a mais curiosa dessas mostras: é especializada em picapes, mostrando novidades Ford, Toyota, Volkswagen, Chevrolet, e tem mercado doméstico menor que as compras de seu principal cliente, o Brasil.

Festa bonita nos 35.000 m2 do aclamado espaço da Sociedade La Rural exibe automóveis novos, locais e importados, exuda otimismo com as medidas cooperativas formuladas entre montadoras, importadoras e o governo fcaptional – na verdade uma prensa oficial, um dá-ou-desce facilitador de acordos com dez empresas buscando melhor equilíbrio da balança comercial.

Produtos

Dentre os picapes, o Novo Ranger é a maior novidade da Ford no segmento e das grandes atrações da mostra. Deve ser lembrado, a Ford é a marca de maior tempo e tradição na Argentina, lá há 95 anos. O Ranger é inteiramente novo, projetado na Austrália fundindo palpites mundiais, e um dos pontos interessantes é ser cabine dupla sem ser cabine simples aumentada. Na prática significa não ter a Coluna B, central, pilar de tranca da porta dianteira e das dobradiças da traseira. Ausente, permite entrada e saída mais fáceis. A montadora quer subir de participação nas vendas desde a surpresa com a chegada dos Toyota, e fez convenção prévia com revendedores e fornecedores, mostrando o produto, e interessante versão Raptor, a ser composta com equipamentos fornecidos pela nacional Keko para montagem pelos distribuidores da marca. Produção em 2012.

Sentindo-se provocada, a Toyota quer responder às acicatadas da Volkswagen com sua nunca projetada excursão pelo campo dos picapes com o Amarok. Está melhorando a aparência e a decoração do HiLux, enquanto o Amarok – que nome ... – terá versão cabine simples; a novidade de versão com motor 2.0 gasolina TSI – injeção direta e turbo, o mesmo de Jetta e Tiguan – gerando mais de 200 cv. Endereçada ao Brasil, enfeitada como automóvel de luxo, a versão de sondagem chamada Maxi, com opção de transmissão automática ZF. A marca Chevrolet não pode se omitir na oportunidade e terá o conceito Colorado, substituto do S 10, produzido na Tailândia e, a partir do próximo ano, no Brasil.

Mais

Linha de comportamento são os carros ecológicos, exercícios de estilo, protótipos – daqui a Fiat exporá o Uno conversível, livre pensar, sem ir à produção. Novidades com vários regimes tributários. Daqui, lançado lá, o Renault Duster. De lá para cá trânsito sem impostos, o VW SpaceSport, um trato urbano-aventureiro ... para o Space Fox, ainda argentino; o Peugeot 408 com motor 1.6 Turbo, o mesmo do 3008; e do México, Nissan March, pequeno, 1.0, e o Versa, o novo Tiida 3 volumes. De importados apresentados em primeira mão no subcontinente, o Ford Mondeo com motor Ecoboost – com turbo compressor; Renault Latitude – a quarta edição do Megane, acima do Fluence; e Alfa 8C Spyder – em única unidade para o mercado argentino e, ao sabor do humor platino, já comprado por uma dama misteriosa...

Cinco mil metros quadrados externos são atração adequada ao caráter da mostra, de pista off-road para exibir aptidões de veículos com tração integral.

Roda-a-Roda

Lá – A A href=" http://www.webmotors.com.br/wmpublicador/Testes_Conteudo.vxlpub?hnid=45254" target="_blank"> JAC Motors, com carros chineses baratos e que, como a Coluna previu, se transformou em fator redutor de A href=" http://www.webmotors.com.br/wmpublicador/Mercado_Conteudo.vxlpub?hnid=45604" target="_blank"> preços, anunciou ter iniciado fazer fábrica de caminhões na Argentina, com as Indústrias Metalúrgicas Ferroni, inaugurando-a em setembro. O sítioautoblog.com.ar anuncia modelo específico para o Mercosul, com peças da região e chinesas. Processo inicial simplório.

Compañero – Outra chinesa, a Chery, fará fábrica na Venezuela, para o sucessor do QQ. Será a terceira na América Latina. A da Argentina fica no Uruguai, Brasil em 2013, e Venezuela.

Telhado – Na contramão, o Chevrolet Vectra também terá série especial, a Collection, para ser tratado como veículo de coleção, e pelo caminho do batismo, o Vectra passeia, perigosamente, pela beira do telhado. Aos leitores de língua espanhola da Coluna, a expressão indica estar o Vectra em fim de vida.

Seguidor – Mesmo caminho parece tomado pela boa versão Si do Honda Civic. Porta-voz da fábrica nega, mas no mercado argentino – onde era vendido – saiu da lista de produtos. No Brasil continua, mas sem estoque e, se houver encomendas, a montadora não dá prazo para entrega. Ou seja...

Stanislau – Década de 1960, jornalista e observador de costumes Sérgio Porto, o Stanislau Ponte Preta, compôs o referencial Samba do Crioulo Doido, - a história em fatos, personagens e datas misturados e socados num samba enredo. O mercado de automóveis no Brasil está igual.

Bicéfalo – Como diz o pessoal do ramo, está cheio de carros com duas cabeças, a explicação para a bagunça permitida pelo Denatran no tal de ano-modelo, carros produzidos num ano, mas identificados por outro.

Assim - Neste junho de 2011, você pode comprar carro 2010-2011 – carro produzido em 2010, estocado e vendido em 2011; ou 2011-2011 – produzido e vendido neste exercício; ou ainda 2011-2012 – feito no ano corrente, mas anunciado promocionalmente como se fosse do próximo. Maluquice? É.

... 2 – Pelo visto, esgotado neste ano o argumento de vendas para os carros do próximo, possivelmente os produzidos em 2012 serão 2012-2013, inexistindo os 2012-2012.

Marco – A Renault comemora 1 milhão de veículos licenciados no país. Fez mais, pois se esqueceu de contar os Dauphine, os Gordini, os 1093, os Corcel e Del Rey, os primeiros exatamente iguais aos franceses. Os últimos, interpretações nacionais sobre o Renault R 12.

Coisa estranha - É curiosa a posição da marca no Brasil querendo apagar sua história. Na Argentina, onde se iniciou ao mesmo tempo e da mesma forma que no Brasil, sempre enfatiza sua presença reunindo os Dauphine e os Gordini.

Como – Um anúncio com a montagem real de caminhão em um pasto. Insólito, curioso, a ideia da agência de propaganda Almap-BBDO para o cliente MAN Caminhões era mostrar ao consumidor que os veículos são configuráveis aos diversos tipos de negócio. A href=" http://www.avessotv.com.br/bastidores-construindo-man-caminhoes.html" target="_blank">
Quer ver?


Caminho – Pertencendo ao mesmo grupo controlador da Mitsubishi, a Suzuki repete métodos: organiza passeios fora de estrada com carros da marca. Começou entre Barueri e Campinas, 204 km fora de estrada. Luis Rosenfeld, presidente, está em casa. É do ramo e sabe que o melhor divulgador da marca e habilidades é o proprietário instado a descobri-las.

Observação – Do tricampeão Nelson Piquet: homem gosta de mulher com roupa de couro porque tem cheiro de carro novo...

Ecologia – Enquanto a concorrente e francesa Renault desenvolve carros elétricos e faz acordos com prefeituras mundo a fora para implantar frota de pequenos carros elétricos, a Citroën sai na frente e em casa. Fez o MULTICITY para locação do urbano Citroën C-Zero, elétrico, recarregável em tomada clássica. Em Paris e logo em outras grandes cidades francesas.

Gente – Mauro Pessi, italiano, formado em economia e comércio pela Universidade Bocconi, em Milão, promoção. É o novo CEO da Pirelli para a América do Sul. Tem experiência, foi diretor da marca no Nafta, o mercado que une os EUA e zonas de influencia, Canadá e México.


As opiniões expressas nesta coluna são de responsabilidade de seu autor e não refletem, necessariamente, a opinião do site WebMotors.

Leia outras colunas de Roberto Nasser aqui

_______________________________
Roberto Nasser edita@rnasser.com.br , residente em Brasília, é advogado, especializado em indústria automobilística. Dentre suas ações de utilidade social se destacam a defesa para a obrigatoriedade do uso do cinto de segurança e as propostas da criação da categoria do veículo de coleção, da dispensa de equipamentos modernos pelos carros antigos, da mudança de óptica sobre os colecionadores, da permissão de importação de veículos antigos, além da criação do Museu do Automóvel, na Capital Fcaptional, do qual é curador. Escreve sobre automóveis semanal e ininterruptamente há 41 anos e trata este ofício como diversão e lazer. Sua coluna “De Carro por Aí” é publicada em 15 mídias.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors