A tecnologia do “vôo” eletromagnético

  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. A tecnologia do “vôo” eletromagnético
Karina Autopress
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- O transporte por veículos apoiados sobre rodas parece ter atingido seu limite de velocidade nos trens. As ferrovias nacionais japonesas inicialmente e as européias logo após, demonstraram o limite prático de tração e da resistência centrífuga das rodas de aço - além do aquecimento dos coletores pantográficos de corrente a velocidades perto dos 300 km/h.

Como o ideal é sem duvida o de velocidades bem mais altas, que permita o aparecimento de concorrentes fortes aos aviões em corredores de curtas e médias distâncias, há bem mais de 30 anos são investigadas alternativas à roda em países como Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Reino Unido e Japão. Entre as alternativas estão veículos que se deslocam sobre colchão de ar hovercrafts ingleses, aerotrains franceses, TACVs americanos, levitação magnética atrativa e levitação magnética repulsiva.

A enorme quantidade de resultados de experimentos com todos esses sistemas aponta como a melhor solução o uso de veículos que “voam” a uns 30 centímetros acima e ao redor de trilhos-guia metálicos, apoiados, guiados e impelidos por forças eletromagnéticas. Já na década de 1970, protótipos destes veículos mostravam ser capazes de desenvolver de 300 a 500 km/h e ser capazes de servir economicamente corredores de alta densidade de tráfego, substituindo os aviões aeroportos cada vez mais distantes das grandes metrópoles e os necessariamente lerdos automóveis.

Se até agora, três décadas depois, esses veículos ainda não entraram em operação, isso se deve não só a progressos científicos e tecnológicos ainda inconclusivos sua segurança tem de ser absolutamente superior à dos sistemas tradicionais, mas principalmente a seu custo tão alto ainda hoje desconhecido em seu total que, para ser enfrentado, dependeria de uma férrea desculpem o trocadilho vontade política da parte de muitos países-sócios.

Como quase tudo que hoje existe em tecnologia de ponta, esta também não é uma absoluta novidade: o engenheiro francês Emile Bachelet propôs esta idéia há quase um século, em 1912, mas todos os esquemas que daí advieram foram impraticáveis, em geral devido a seu custo geralmente considerado astronômico.

Hoje, a levitação magnética, ou maglev, pode ser atrativa ferromagnética ou repulsiva induzida. A primeira tem a ver com veículos que possuem eletromagnetos que se atraem, mas sem contato, à parte inferior de um canal, ou trilho, de aço. Ela é inerentemente instável, já que a força de atração é tão mais forte quanto mais próximo do trilho o veículo esteja a cada momento. Precisa então de um sistema de estabilização eletrônica que regule constantemente a corrente no magneto de maneira a impedir o contato. Manter a altura de 2 cm sobre o trilho, porém, é fácil: precisa apenas de uma força de 2 quilowatts por tonelada.

O maior problema é que os trilhos têm de ser milimetricamente, quase nanometricamente exatos, para que o veículo possa atingir as altas velocidades desejadas – a 500 km/h, um desvio mínimo no corpo do trilho significa a possibilidade de um desastre terrível.

A segunda é baseada na repulsão induzida por um magneto que passe sobre uma superfície condutora. O veículo daí resultante é chamado de magneplano. O vôo magnético, como o aerodinâmico, depende da velocidade que um veículo desloque à frente – mas, ao contrário do aerodinâmico, a força de sustentação é tanto maior quanto mais perto do trilho-guia o veículo estiver.

Em fins de setembro último, houve o primeiro acidente de um maglev alemão experimental, o Transrapid, que se chocou contra um veículo de manutenção que não poderia estar ali a cerca de 200 km/h, matando 23 pessoas e ferindo seriamente outras 10. Um acidente que prova mais uma vez a velha Lei de Murphy. De qualquer maneira, o maglev está aí para ficar. E quando ele realmente chegar a trafegar comercialmente, todos poderemos fazer viagens longas em rapidez e conforto hoje apenas sonhados.

Leia outras colunas de José Luiz Vieira aqui
________________________________

Receba as notícias mais quentes e boletins de manutenção de seu carro. Clique aqui e cadastre-se na Agenda do Carro!
________________________________

E-mail: Comente esta coluna

Envie essa coluna para uma amigoa
________________________________
José Luiz Vieira é engenheiro automobilístico e jornalista, diretor de redação da revista Carga & Transporte e do site TechTalk www.techtalk.com.br, sócio-proprietário da empresa JLV Consultoria e um dos mais respeitados jornalistas especializados em automóveis do Brasil. Trabalhou como piloto de testes em várias fábricas e foi diretor de redação da revista Motor3. E-mail: joseluiz@jlvconsultoria.com.br

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors