Tripe de segurança

  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Tripe de segurança
Fernando Calmon
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- A iniciativa mais importante de conscientização sobre a importância de um tema para o País não está nas mãos do Governo.

Todo ano criam-se expectativas em torno dos resultados, já em sua 15ª. edição, do Prêmio Volvo de Segurança no Trânsito, coordenado pelo consultor J. Pedro Correa. Essa é uma chama que se mantém viva e está sendo capaz de atrair mais de 300 projetos, vindos de 122 municípios de 17 Estados. “O que nos anima é o fato do interesse se manter crescendo. E tem ocorrido continuidade nas ações, algo muito importante diante da cultura do País de pouco perseverar”, salienta Correa.

Dentro das sete categorias, cuja premiação ocorreu na semana passada em Porto Alegre, RS, Alta Roda destaca quatro. A que melhor retrata o comentário do consultor é a cidade de São Bernardo do Campo, SP com o seu Centro de Reflexão de Trânsito, criado há seis anos como uma das iniciativas para enfrentar o problema. O município venceu por reduzir em 22% os acidentes e em 39% as mortes em 2003, se comparado a 2002.

O índice de fatalidades caiu, em sete anos, de 19 mortos por 100.000 habitantes média nacional vexaminosa ainda hoje para apenas 1,4. São Bernardo canaliza quase a totalidade das multas arrecadadas para educação e melhora do sistema viário, como obriga o Código de Trânsito Brasileiro. Levantou empréstimo no exterior e se tornou a primeira cidade brasileira a implantar uma rede completa de semáforos inteligentes. São Paulo, com uma vizinha frota municipal cinco vezes maior, o sistema nem chegou à metade das necessidades e o mínimo que existe funciona precariamente. Com trânsito menos caótico e lento, ninguém precisa ganhar tempo acelerando mais.

Outra constatação é que segurança também dá retorno financeiro. Que o diga a Unilever, vencedora na categoria Empresa. Em apenas nove meses de atuação do seu Comitê de Prevenção de Acidentes, em programa específico para motoristas de 119 transportadoras, a grande maioria de terceirizados, encolheram de 8 para 2,8 as ocorrências a cada 10.000 embarques. Uma queda de 65% que significou vidas poupadas e diminuição de prejuízos materiais, contábeis e institucionais.

Um exemplo de cidadania foi do motorista profissional, da Viação Águia Branca, José Franque Dantas. Pessoalmente fotografou 15 curvas que considerava muito perigosas da BR 101, entre Itabuna e Salvador. Faltava sinalização, segundo ele. Estudos da Polícia Rodoviária e do DNIT Departamento Nacional de Infra-Estrutura de Transportes concluíram que um terço dos acidentes aconteciam naqueles trechos. Depois de sinalizados os locais, o índice de acidentes graves caiu 10%.

Na categoria Estudante Universitário, o Prêmio Volvo foi vencido pelos alunos de Artes Cênicas da Barão de Mauá, Ribeirão Preto, SP. O programa “Teatro Educando o Cidadão para o Trânsito” em dois anos atingiu mais de 100.000 escolares e um público substancial nas ruas, ônibus, postos de combustíveis e terminais de passageiros. As peças centram-se na mudança de comportamento e na conscientização.

Seja um esforço individual ou coletivo, não importa. Atrair gente para a causa — motoristas e pedestres, autoridades e empresas, estudantes e professores — é a única forma de reforçar a parte mais importante do tripé da segurança no trânsito, que também inclui engenharia e fiscalização.

RODA VIVA
VEM aí nova leve de carros equipados com motores flex. Além do novo Fiesta sedã, com primeiro motor da segunda geração em setembro, o Polo está confirmado para novembro e, logo em seguida, o Gol com motor 1.000. GM antecipa ainda para agosto o Astra tricombustível álcool, gasolina e gás.

RIVALIDADE entre álcool e gás deve se aprofundar. Em geral nada agressivos no marketing do combustível, usineiros começam a se mexer. Rally da Energia Brasileira, em novembro, deve reunir 100 veículos só movidos a álcool. É parte de um programa mais abrangente com patrocínio da Volkswagen nunca interrompeu produção desse tipo de motor e da Dupont.

IMPRESSIONA a capacidade da station Palio Weekend Adventure de passar por valetas, quebra-molas, buracos e outros “prêmios” que o cidadão recebe por pagar impostos altos. Com seus 17 cm de distância livre do solo e suspensões bem acertadas, o motorista demora um pouco a relaxar e mesmo acreditar que pode mesmo ir em frente um pouco mais rápido. Dotação de equipamentos e motor 1.800 são outros destaques.

TOYOTA não está mais totalmente só no oferecimento da pioneira garantia de três anos para produtos nacionais. Em parte, a Volkswagen chegou lá na linha 2005: três anos também, mas apenas para motor e câmbio, sem limite de quilometragem Kombi, 80.000 quilômetros. Na realidade já era tempo de todas as marcas oferecerem esta garantia temporal e integral. Sinalização, agora, parece existir.

CHEIRO de carro novo em automóvel usado. É experiência que a Vauxhall, subsidiária inglesa da GM, implanta em algumas concessionárias no fim do mês. Pesquisas concluíram que o comprador não esquece de suas ligações com um produto novo por meio do olfato. Cientistas criaram este “perfume” e ainda um fixador da fragrância.
___________________________________
E-mail: fernandocalmon@usa.net

Fernando Calmon, engenheiro e jornalista especializado desde 1967. Sua coluna semanal Alta Roda é publicada, desde 1999, em onze jornais brasileiros e no site WebMotors. Assina as colunas Direto da Fábrica na revista Carro e Roda Viva na revista Jornauto. Correspondente para América do Sul do site americano The Car Connection. Diretor editorial das oito revistas automobilísticas da On Line Editora. Consultor técnico, de mercado e de comunicação.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors