Uso de celular ao volante é como dirigir às cegas

Estudos mostram que teclar no smartphone faz o motorista dirigir por seis segundos como se estivesse com olhos vendados

  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Uso de celular ao volante é como dirigir às cegas
Fernando Miragaya
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

O uso do smartphone ao volante já é a terceira causa de mortes no trânsito no país. O levantamento é da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego (ABramet). A prática perigosa só mata menos nas ruas e estradas do Brasil do que dirigir acima da velocidade permitida ou embriagado. Esse é o nosso tema de hoje da série sobre segurança no mês do Maio Amarelo.

Para o motorista, pode parecer inofensivo teclar no telefone enquanto dirige. Porém, estudos científicos internacionais mostram que um condutor, ao usar o smartphone para escrever mensagens, pode andar de seis a oito segundos com seu carro sem prestar atenção ao trânsito.

Dependendo da velocidade, o motorista distraído pode percorrer até 100 metros totalmente desligado do tráfego. Tempo suficiente para atropelar pedestres, atingir ciclistas e motociclistas ou mesmo colidir com outros veículos.

O Centro de Experimentação e Segurança Viária (Cesvi) chegou a classificar a distração por redes sociais. De acordo com o órgão, a 80 km/h, quando o motorista desvia o olhar para enviar uma mensagem no WhatsApp é o mesmo que dirigir de olhos vendados por um percurso equivalente a um campo de futebol oficial, de um gol ao outro.

icon photo
Legenda: Distração com o uso do celular ao volante pode provocar atropelamentos
Crédito: iStock

“Pesquisas feitas com ressonância magnética mostraram limitações em nossa capacidade cerebral de desempenhar mais de uma função. O ato de dirigir ocupa os neurônios, mas se há demanda de uma segunda atenção, como o celular, o cérebro não acompanha, não duplica sua capacidade neuronal”, alerta Flavio Adura, diretor Científico da Abramet, Associação Brasileira de Medicina de Tráfego.

Outro estudo, desta vez da Organização Mundial da Saúde (OMS), revela que o risco de um acidente de trânsito aumenta em até 400% quando se dirige usando o telefone celular. E levantamento do NHTSA, o principal órgão de segurança viária dos EUA, feito em 2016, revelou que 3.450 pessoas morreram em acidentes causados por distração com o aparelho.

Trânsito brasileiro mata mais que guerra

No Brasil, onde o trânsito mata mais em um ano do que guerras inteiras, tal impacto tende a ser maior. O país está entre os cinco no mundo com mais fatalidades em acidentes de automóveis. Por ano, são entre 45 mil e 55 mil vítimas fatais nas vias e rodovias brasileiras.

Porém, esses números consideram apenas as mortes no local do acidente. Estudos de universidades apontam que a quantidade de óbitos no trânsito no Brasil pode passar dos 80 mil anualmente. Para efeito de comparação, os quatro anos de Guerra da Bósnia (que teve episódios de genocídio de civis) registraram entre 150 mil e 200 mil mortes.

Multa

Além do risco de acidentes, o uso do celular ao volante é proibido pelo Código de Trânsito Brasileiro. A infração gravíssima é passível de multa R$ 293,47 e da perda de 7 pontos na CNH.

 

Comentários