Volkswagen da Alemanha desenvolve ABS para a Kombi

Perua, que completa 60 anos, pode vencer as barreiras da legislação para 2014
  1. Home
  2. Pit-Stop
  3. Volkswagen da Alemanha desenvolve ABS para a Kombi
Auto Informe
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Ao chegar a sua mesa de trabalho, dias atrás, na sede do Grupo Volkswagen em Wolfsburg, o diretor de desenvolvimento de veículos comerciais da empresa, Dietmar Schmitz, deparou-se com o que ele classificou de “um dos pedidos mais estranhos em toda a sua longa carreira de engenheiro”.

A solicitação pedia o desenvolvimento do sistema de freios antiblocantes, o ABS, para o Projeto T1. “T1” é a abreviatura de “Transporter One”, nome original do projeto da perua Kombi.

Incrédulo, Dietmar Schmitz debruçou-se sobre o problema. Mas como adaptar um sistema moderno num veículo que foi projetado há exatamente 60 anos que serão comemorados no próximo dia 8 de março? Para o diretor de desenvolvimento da Volkswagen nada é impossível, mas ele reconheceu que essa tarefa será um dos seus maiores desafios. Ele ainda não conseguiu, por exemplo, achar um espaço no eixo dianteiro para a colocação dos sensores que enviam ao computador central a mensagem para o acionamento do sistema.

A necessidade de ter o equipamento é da legislação brasileira, que prevê a obrigatoriedade do sistema de freios ABS para todos os carros produzidos no Brasil em 2014. A exigência começou este ano, com parte da produção 8% de cada empresa sendo obrigada a ter o ABS de série. A entrada deste equipamento e do air bag nos carros será gradual, sendo que a cada ano aumentará o volume de produção com os dois sistemas.

A resolução do Contran – Conselho Nacional de Trânsito – obriga as fábricas a colocarem freios ABS e airbags em 15% seus carros e comerciais leves a partir de 2011. No ano seguinte serão 30%; em 2013 aumenta para 60% e a partir de 2014 todos os carros vendidos no Brasil terão que ser equipados com o ABS e o airbag. No caso do airbag, os novos projetos já terão que ter o equipamento a partir de 2013.
Assim, o desenvolvimento de ambos os sistemas para a Kombi e não apenas o ABS, por mais insólito que pareça, é condição para a sobrevida do carro mais antigo produzido no Brasil.

O poder de adaptação da velha Kombi à Era da tecnologia não deve ser desprezado. A Kombi já teve os “dias contados” por conta de, presumivelmente, não poder acompanhar a evolução exigida pela legislação. Foi em 2006, quando a Volks teve que parara produção do motor por causa das emissões. A Kombi passou a usar o motor refrigerado a água com catalisador, o 1.4 flex.

O futuro do veículo mais longevo da história não está garantido, mas pode ter certeza que a engenharia da Volkswagen vai fazer de tudo para que a Kombi supere mais essas barreiras: outra delas é a obrigatoriedade de teste de impacto a partir de 2012.

Além de ter um projeto antigo, a Kombi permanece praticamente a mesma nesses 60 anos, não tendo a empresa, portanto, custo de desenvolvimento. Com tudo pago, vender uma tonelada de ferro sem nenhuma tecnologia moderna por R$ 40 mil é lucro fácil.

Além de ter todo o ferramental pago de longa data, a Volkswagen não gasta um tostão de marketing e propaganda para vender um volume invejável, de 2,3 mil unidades mensais. Sem nenhum anúncio nos jornais ou na TV, a Kombi vendeu por mês, no ano passado, mais do que o Vectra da GM; o dobro do que o Citroën C4 Pallas 1.000/mês, mil unidades a mais do que o Focus hatch, o dobro do que vende o sedã Linea, da Fiat e três vezes as vendas do Stilo.

Na própria Volkswagen a Kombi vende mais do que o Polo, Golf e toda a linha de importados.

Terceira Idade

Essa sexagenária chega na Terceira Idade ainda em forma, disputada por milhares de consumidores. Nunca se submeteu a uma plástica, como aconteceu com muitas outras, bem mais jovens. Recebeu apenas uma esticadela aqui, uma maquiagenzinha ali. Nada que desconfigurasse sua aparência original.

Ela nasceu em 1950, na cidade de Wolfsburg, Alemanha, na época do pós-guerra, filha do comerciante holandês Ben Pon. Ainda jovem, levou o seu sobrenome alemão, Nationfahrzeug, a distantes paragens. Atravessou o Atlântico e conquistou os brasileiros. Foi aqui, em terras tropicais, onde, em 2 de setembro de 1957, conquistou sua cidadania, que viveu a maior parte da sua vida.

Siga Joel Leite no Twitter: twitter.com/JoelLeite


________________________________
Joel Leite joelleite@autoinforme.com.br é diretor da Agência AutoInforme, especializada no setor automobilístico, que fornece informações para vários veículos de comunicação. Produz e apresenta o Boletim AutoInforme, das rádios Bandeirantes, Band News e Sul América Trânsito. É formado em jornalismo pela Faculdade Cásper Líbero e pós-graduado em Semiótica e Meio Ambiente.

Leia outras colunas de Joel Leite aqui

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors