Da Oficina: Chevrolet Astra

Surpresas no conhecido motor 1.8 em modelo com 70 mil km
  1. Home
  2. Tecnologia
  3. Da Oficina: Chevrolet Astra
Oficina Brasil
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– O Chevrolet Astra passou a ser fabricado no Brasil no final de 1998 e teve uma geração anterior importada da Bélgica. Sob a lupa de nossa equipe, o modelo com aproximadamente 70 mil quilômetros rodados trouxe boas informações sobre as partes que merecem mais atenção do reparador.

Motor

Sob a supervisão do consultor do Oficina Brasil, engenheiro Paulo Aguiar, o teste foi iniciado com a análise dos gases emitidos pelo motor. Nessa etapa, a verificação identificou um índice de emissão de 2,5%, leitura acima do valor máximo de CO monóxido de carbono que pode ser liberado na atmosfera deveria ser menor que 0,5%. Durante essa fase da análise, foi possível verificar também que a sonda lambda estava trabalhando com uma mistura muito rica.
Nas conversas com a equipe que realizou o teste, a proprietária do veículo reclamava da variação anormal da marcha lenta quando o carro parava em semáforos e no trânsito.

Para iniciar a correção desses problemas, a vela de ignição foi retirada e substituída por um novo conjunto da Bosch, modelo WR7DC, já que as antigas estavam com os eletrodos gastos. A folga nas novas peças é de 0,8mm. Os cabos de velas estavam com fuga de corrente e foram substituídos por novos modelos, também fabricados pela Bosch. Os bicos injetores foram retirados e levados para máquina de limpeza. Após a realização desse trabalho, foi analisada a vazão, vedação e equalização das peças. O corpo de borboleta estava sujo, o que exigiu sua retirada e limpeza. É recomendável que o reparador sempre tome cuidado com os sensores acoplados quando for realizar essa tarefa é importante nunca deixar que eles entrem em contato com os produtos utilizados na limpeza.

Após todo o procedimento, o veículo foi levado ao scanner e não apresentou nenhuma irregularidade. O atuador da marcha lenta foi removido e verificado, e o diagnóstico apontou falhas em seu funcionamento. A substituição por uma nova peça da Bosch aumentou o orçamento.

Para que o reparador efetue a remoção do atuador da marcha lenta e da flauta, basta retirar o filtro de ar e seu tubo, soltar os conectores dos sensores, remover a flauta e retirar o corpo da borboleta. Este reparo não apresentará dificuldades para um reparador experiente.

Outros itens importantes que devem ser analisados são os sensores Map massa de ar e de temperatura do ar, que devem ser retirados e verificados para a remoção de possíveis resíduos. Caso haja sujeira, ela pode influenciar a interpretação da leitura feita pela unidade de comando centralina Bosch Motronic 1.55, localizada ao lado da bateria.

A pressão da bomba de combustível era de 2,8 bar, quando os parâmetros exigidos pedem que ela fique entre 2,8 e 3,2 bar. A vazão deve ser superior a 1,5 litros por hora e estava dentro do que pede o manual técnico. Com indícios de entupimento, o filtro de combustível foi substituído. Após todos os reparos, o índice de CO baixou para apenas 0,1%, muito abaixo do permitido, o que mostra uma queima que aproveita mais o combustível. Resultado: menos consumo.

Completando o procedimento, o óleo do motor foi substituído por um de especificação 15W40 SL. Com 70 mil quilômetros rodados e sem trocas de correia dentada e tensionador no histórico de manutenção, o Astra teve as peças substituídas preventivamente.

Saturado, o filtro de ar também foi trocado. Para ter acesso ao purificador do ar-condicionado, é preciso desmontar o porta-luvas. Nesse caso, ele ainda tinha vida útil a ser explorada. Outra reclamação da proprietária do veículo era o pedal da embreagem. Segundo ela, de difícil acionamento e com algumas trepidações, o que exigiu a troca do platô, disco e rolamento. A embreagem colocada foi uma original Chevrolet.

Suspensão

Sem problemas nesse quesito. Amortecedores e bandejas foram substituídos em manutenção corretiva máximo dos 59 mil quilômetros. Verificados, os batentes não apresentavam folgas. Os terminais e pivôs também estavam em perfeitas condições. Com coifas, braços auxiliares, caixa de direção e amortecedores traseiros em condições normais para o uso, bastou realizar o alinhamento e balanceamento para que o carro ficasse totalmente em ordem.


Busque outras avaliações Da Oficina aqui!

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors