Da oficina: Ford Focus 1.6

Hatch tinha alguns reparos para fazer no motor, enquanto a suspensão precisou passar por uma revisão geral
  1. Home
  2. Tecnologia
  3. Da oficina: Ford Focus 1.6
Oficina Brasil
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– O Ford Focus é um dos carros mais "injustiçados" no Brasil. Importado da Argentina desde 2000, o modelo da fábrica norte-americana destaca-se pela excelente relação custo/benefício e ainda apresenta mecânica robusta, principalmente na versão com motor 1.6 de 8 válvulas – mesmo assim, suas vendas nunca decolaram da forma como esperava a Ford.

Antes oferecido com propulsores 1.8 16V 115 cv e 2.0 16V 130 cv, ele ganhou o atual motor 1.6 de 8 válvulas de 103 cv de potência e 14,6 kgfm de torque a 2.750 rpm em outubro de 2003 – a chegada do excelente Duratec 2.0 16V ocorreu em junho de 2005.

Essa mudança foi uma ótima sacada: mais complexo, o 1.8 com 16 válvulas gastava mais combustível e apresentava custo de manutenção superior se comparado ao Zetec RoCam SOHC comando simples 1.6, que empurra a carroceria do hatch com eficiência.

No modelo avaliado pelo Oficina Brasil, o destaque positivo foi justamente o motor, que apresentou apenas os desgastes naturais de 68.000 km rodados. A suspensão, porém, sofreu um pouco mais e foi alvo de boa parte da discussão entre os consultores durante a avaliação. Acompanhe.

Motor

O propulsor do Focus não apresentou significantes problemas depois de quase 70.000 km de uso. Quando chegou à Engin Engenharia Automotiva para deixar seu carro, a proprietária reclamou de um ruído na hora da partida, de consumo de combustível acima da média registrado por ela desde que comprou o carro e rigidez no pedal da embreagem.

Com a troca do coxim inferior, que estava desgastado, o barulho foi eliminado. "Esse é outro problema que acontece com certa freqüência no Focus", explica o consultor Danilo Tinelli.

O conjunto de embreagem precisou ser trocado, já que ainda era original e os sinais de deterioração, como o pedal duro, eram evidentes. Foram realizadas as trocas de platô e disco, desgastados, e do atuador hidráulico por prevenção.
As velas, com os eletrodos gastos, foram trocadas a Ford recomenda a mudança a cada 40.000 km.

Os cabos, com fuga de corrente, também precisaram ser substituídos, os bicos injetores foram limpos apesar de terem teflon em sua composição, a gasolina ainda deixa resíduos, e a limpeza é necessária e o filtro de combustível, muito obstruído, foi trocado. Com isso, a pressão da bomba ficou em 2,9 bar esse índice deve estar entre 2,8 bar e 3,2 bar. A Engin realizou também a limpeza do corpo de borboleta.

Em seguida, o Focus recebeu novo óleo para o motor especificação 5W30. "É importante ressaltar que esse é o lubrificante correto para o carro. Se for usado outro, ele pode não funcionar perfeitamente, apresentando até mesmo perda de potência", diz Paulo Aguiar.

Após todas essas modificações, o índice de emissão de CO monóxido de carbono apurado pelo scanner caiu drasticamente: de 3% para cerca de 0,1% o ideal é que esse número seja inferior a 0,5%. Os reparos e acertos também contribuíram para a redução no consumo de combustível, já que agora ele será usado de forma mais eficiente.

Suspensão e freios

O sistema de suspensão do Focus foi a parte que mais recebeu reparos. Com os quatro amortecedores apresentando vazamento de fluido, o Focus não tinha ação suficiente para absorver os buracos e irregularidades do piso, transmitindo todo o desconforto aos ocupantes.

Na hora de efetuar a troca dos amortecedores, vale uma dica ao reparador: checar os descontos das peças originais nas autorizadas, que, na maioria das vezes, conseguem praticar preços mais baixos que os do mercado de reposição para esses itens.

A inspeção feita pela equipe da Engin ainda constatou avarias em outros itens: batentes superiores, que foram trocados com os rolamentos e provavelmente eram a maior fonte dos barulhos, e bandejas, que já estavam com as buchas desgastadas e algumas até mesmo rasgadas, além de folgas nos pivôs as bandejas novas já acompanham os pivôs e foram substituídas.

As bieletas também não serviam mais. "Já troquei bieletas de Focus com 30.000 km. É normal", alerta o engenheiro Paulo Aguiar sobre a fragilidade desse item. "Nesse caso, as peças originais também têm preços competitivos", completa Aguiar.

O sistema de freios do Focus passou por reparos recentemente. Nessa revisão foi apenas checado e não houve a necessidade de troca de peças ou realização de serviços.

Dica 1
Na hora da troca das bieletas, necessária no carro avaliado, o reparador deve ficar atento à especificação correta das peças e à adequação delas ao modelo, já que as diferentes versões do Focus podem ter peças com características distintas.

Dica 2
Mesmo com pouca quilometragem, o Focus muitas vezes apresenta ruído vindo do rolamento acima do normal. Isso pode ocorrer tanto por desgaste nos rolamentos de roda como nos rolamentos de semi-eixo.

Dica 3
O reparador deve ficar atento na hora da troca do filtro de óleo. Muitos costumam utilizar o filtro do motor 1.6 Endura para o 1.6 Zetec RoCam, mas isso não deve ser feito, já que o filtro do Endura é menor e diminuirá a quantidade total de lubrificante em circulação, prejudicando o funcionamento do motor.

Dica 4
Atenção especial também na hora de mudar o filtro de combustível. A peça do EcoSport também serve no Focus, mas não deve ser usada, pois sua especificação é diferente.

Dica 5
O Focus usa corrente de comando no lugar da correia dentada. De acordo com a Ford, essa peça não precisa ser trocada e deve ter a mesma vida útil do motor, mas é recomendável checá-la a cada 120.000 km.

Dica 6
O sensor do cânister está localizado junto à parede corta-fogo, enquanto o reservatório fica na parte superior do tanque de combustível. Para ter acesso a ele, é preciso remover o tanque.

Direto do Paredão, a opinião de outros reparadores sobre o Focus:

É um carro excelente com design, à frente do seu tempo na época em que foi lançado. Seu maior mal é a retífica do motor, que se não for bem feita, acaba deixando ruídos desagradáveis no seu funcionamento. Apesar de não ser um veículo muito vendido, também não é mal falado, agora com a Ford começando a se recuperar no mercado nacional, cairia bem uma nova versão.
Letto

Ótimo veículo, com baixa manutenção muito confortável, com sistema elétrico eficaz. O motor excelente tem estrutura e ótimo desempenho. São poucas as manutenções deste veículo. Difícil de ver parado em oficinas por defeitos sérios. Tenho reparado somente para troca de óleo e reparos no sistema de freios, entre outros.
Magrão

Trabalhei em uma concessionária Ford e juro que esse carro não dava manutenção, aliás, em minha opinião, esse é o melhor carro da Ford.
Maef

Leia também

Da oficina: Palio Weekend 1.6 16V

Da Oficina: Renault Scénic

Da oficina: Toyota Corolla SE-G

Da oficina: VW Golf 1.6

Da oficina: Citroën Picasso

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors