Da Oficina: Palio 1.0 16V

Recém-comprado, Fiat trouxe surpresas desagradáveis
  1. Home
  2. Tecnologia
  3. Da Oficina: Palio 1.0 16V
Oficina Brasil
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– Este carro não poderia ser um modelo mais popular: o Fiat Palio disputa palmo a palmo a liderança do mercado com o Volkswagen Gol para ver qual é o automóvel mais vendido do país todos os meses.

Nesta reportagem, a equipe do Oficina Brasil dissecou um Palio 1.0 16V 2002 com 66 mil quilômetros rodados no hodômetro. Durante a avaliação, os técnicos descobriram que, na verdade, o modelo já tinha passado dos 100 mil.

Utilizado no dia-a-dia, o compacto foi adquirido há poucos meses e já precisou de alguns reparos de emergência. A proprietária do hatch afirma, contudo, que o Fiat tem atendido às suas necessidades. Veja, a seguir, o que foi preciso para que o veículo ficasse totalmente em ordem.

Motor

O Palio 1.0 16V da professora Josenilda da Silva Alves Viana, equipado com ar-condicionado e direção hidráulica, foi comprado há pouco tempo. Marcando 66 mil quilômetros, ele rodou apenas 6.000 km com a atual proprietária, que utiliza o veículo diariamente em deslocamentos curtos.

Logo quando foi adquirido, o carro apresentou uma série de irregularidades e precisou de reparos imediatos. Isso ocorreu porque o modelo teve sua quilometragem adulterada para a venda. Durante a avaliação no scanner, a equipe do Oficina Brasil, que realizava os trabalhos no centro automotivo do Grupo Sahara, identificou a verdadeira história do carro: ele já tinha andado nada menos que 119.694 km.

Em um primeiro momento, o Palio apresentou problemas ao carregar seus tuchos. Ao verificar o motor, foi constatada a presença de borra de óleo e carbonização no cabeçote. A peça foi levada a uma retífica, local em que foi desmontada e passou por uma descarbonização. Em seguida, foi realizado o banho químico e o aplainamento, o que deixou o cabeçote pronto para ser instalado novamente. Na mesma ocasião, foram substituídos a correia dentada, o tensionador e a junta de cabeçote, além do antichama e da correia Poly-V.

O modelo teve a injeção eletrônica Bosch ME7.5.3H com acelerador eletrônico Drive-by-Wire escaneada e não apresentou erros. O índice de CO monóxido de carbono do Fiat estava em 1%. Apesar de não ser um valor tão alto não raro a Avaliação do Reparador apresenta modelos com 3% ou mais, ele passou por uma limpeza e equalização dos bicos injetores.

O sensor MAP, mesmo tendo sido limpo quando foi realizado o trabalho no cabeçote, já apresentava acúmulo de resíduos de óleo e passou por nova limpeza. Foram substituídos as velas, os cabos de vela e o filtro de combustível. "É preciso ter atenção ao TBI destes veículos, pois há vários casos de falhas intermitentes causadas por excesso de borra de óleo nesta peças. Caso isso ocorra, ele deve ser limpo com descarbonizante e com o motor em funcionamento, evitando que o produto entre em contato com a parte eletrônica desta peça", indica o consultor Cláudio Cobeio, da Cobeio Car.

O coxim esquerdo inferior do câmbio também foi trocado, já que estava totalmente danificado. "Atenção a esse coxim, pois sua borracha é muita macia, o que causa barulhos constantes que podem ser confundidos com ruídos nos braços auxiliares", indica o consultor Alekssando Viana, do Grupo Sahara. O líquido de arrefecimento, com apenas 10% de aditivo, foi substituído pela solução recomendada pelo fabricante 30% de aditivo e 70% de água.

O Palio avaliado apresenta o sistema V.E.N.I.C.E. Constituído por uma central Body Computer e uma linha de comunicação de rede CAN, ele possibilita a ligação entre diversas centrais do veículo. O Body Computer gerencia as informações trocadas entre as centrais eletrônicas através da rede CAN. Graças ao Body Computer e a rede CAN um único sensor pode transmitir sua informação a diversos módulos eletrônicos do veículo.

"A unidade de controle UCE pode apresentar problemas. A identificação dessas irregularidades pode ser feita pelos seguintes sintomas, que aparecem de forma intermitente: luz de injeção acesa, falhas no motor sem a presença de código de falha ou com código de falta de sinal de RPM como se o motor estivesse desligado e erro na interpretação do sinal do acelerador", alerta o engenheiro Paulo Aguiar, da Engin Engenharia Automotiva.

Freios

A falta de manutenção nos freios do Palio fez com que a equipe do Oficina Brasil encontrasse uma série de problemas no sistema do Fiat avaliado. Os discos estavam bastante desgastados, já que as pastilhas se encontravam praticamente em sua base metálica. Ambos foram trocados.

Os cilindros de roda também foram substituídos. Neste caso, a não substituição do fluido fez com que os reservatórios apresentassem vazamentos. Essa fuga de óleo, por usa vez, comprometeu as lonas, que foram trocadas junto com aos tambores de freio.

Também danificada pelo fluido antigo, a válvula equalizadora de pressão do sistema de freio traseiro foi substituída.

O fluido apresentava temperatura de ebulição ao redor dos 135 °C, enquanto a temperatura recomendada para o DOT-4 é de 250 °C.

Suspensão

Os amortecedores foram trocados, pois apresentavam vazamentos e ainda eram originais. As molas, também originais, foram substituídas. O kits dos amortecedores, com os batentes totalmente danificados, também foram trocados.
As bandejas dianteiras apresentavam folga nas buchas e em seus pivôs, que tinham rachaduras em suas coifas. Em função desses problemas, foram substituídos nos dois lados.

Os braços axiais e o fluido de direção hidráulica também foram trocados.

Dicas

1 - Um dos fatores que podem elevar bastante o nível de emissão de CO é a obstrução do antichamas. O reparador deve checar esse item sempre que for revisar o carro.

2 - A pressão de MAP muito alta pode ocorrer em função de problemas no assentamento de válvulas.

3 - Atenção ao substituir o fluido de freio dos veículos com atuador hidráulico de embreagem. O sistema de embreagem também deve ser sangrado. Se isso não for feito, há o risco de sobrar fluido velho no sistema e danificar o cilindro mestre e o cilindro auxiliar.

4 - Atenção ao substituir o fluido de freio dos veículos com atuador hidráulico de embreagem. O sistema de embreagem também deve ser sangrado. Se isso não for feito, há o risco de sobrar fluido velho no sistema e danificar o cilindro mestre e o cilindro auxiliar.

5 - Quando o sistema de arrefecimento for drenado e reabastecido, a válvula de aquecimento interna deverá estar aberta para que seu preenchimento seja feito de maneira correta.

6 -“O reparador não deve deixar de examinar o suporte da alavanca de câmbio destes veículos, pois essas peças são plásticas e podem se quebrar com facilidade. Se for necessário, substitua pelo suporte dos modelos modernos, que são metálicos e não apresentarão problemas”, indica o consultor Danilo Tinelli.

7 -“Barulhos no acionamento da embreagem geralmente são sintomas de problemas no platô destes veículos”, completa Tinelli.

8 - O reparador deve ter cuidado ao substituir os pivôs da suspensão dianteira. É preciso observar o comprimento e o diâmetro do pino esférico, pois a montagem de um componente fora da especificação indicada pelo fabricante pode ocasionar o desprendimento da peça.

9 - Atenção ao substituir o fluido de freio dos veículos com atuador hidráulico de embreagem. Esse sistema deve ser sangrado também. Caso isso não seja feito, há o risco de sobrar fluido velho no sistema de embreagem e danificar o cilindro mestre e o cilindro auxiliar.

10 - É de suma importância que o reparador obedeça o nível de óleo recomendado pelo fabricante neste caso, 2,7 l com filtro. O excesso de lubrificante pode aumentar o nível de blow-by e causar a contaminação de vários componentes.

11- Atenção a problemas apresentados como os provenientes do catalisador, pois falhas na bobina podem ocasioná-los. Todas as vezes que uma bobina for substituída os cabos de velas também devem ser trocados.

12- Aconselha-se que a retífica das sedes de válvulas seja feita em fresadora e com muito critério. O assentamento de sedes e válvulas não pode estar brilhante, pois neste caso pode ocorrer fuga de chama, diminuindo a eficiência da queima. Outra providência que pode ser utilizada para confirmar problemas no assentamento de válvulas é aplicar descarbonizante no sistema de injeção, que limpará as sedes de válvulas. Se os problemas anteriores retornarem, realize a retirada do cabeçote e sua retífica.

13- Recomenda-se a troca de óleo e filtro a cada 5.000 km. Devido à qualidade da gasolina encontrada no Brasil, o prazo recomendado pela Fiat 15.000 km pode ser muito extenso, causando borra e outros problemas ao motor.

Direto do paredão

Na minha opinião é um bom carro para trabalhar na manutenção preventiva. Porém, se o proprietário for descuidado, o motor gera muita borra, entupindo o pescador, podendo até fundir o motor. Para substituir a válvula termostática e a sonda lambda, recomendo aplicação de peças originais Fiat.
Neilaguna de Laguna – SC

O Palio 1.0 16V é um veículo econômico, chega a fazer até 16 km/l, quando bem regulado. Tomando os devidos cuidados com troca de correias, rolamento, tensor, velas, limpeza de bico, troca de óleo e filtro a cada 5.000 km e aditivo de radiador, o proprietário terá um bom carro por muito tempo.
Emerson Paulo Da Cruz


Leia também

Da oficina: VW Parati

Da oficina: Fiat Strada

Da Oficina: Renault Scénic

Da oficina: Chevrolet Corsa

Da oficina: Ford Focus 1.6

Comentários