Da oficina: Renault Scénic

Diz a lenda que os franceses têm mais problemas. Será verdade?
  1. Home
  2. Tecnologia
  3. Da oficina: Renault Scénic
Oficina Brasil
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– No mercado automobilístico nacional, a mecânica dos carros de origem francesa é cercada de mitos. Os principais dizem respeito à pouca durabilidade dos modelos e ao alto preço de manutenção deles. Para desvendar esse mistério, resolvemos analisar a minivan Renault Scénic.

Com 68.000 km rodados, ela foi a amostra perfeita para termos idéia de como se comportam os principais componentes do carro depois de submetidos às duras condições de uso da cidade de São Paulo.

Logo de cara, a equipe do Oficina Brasil encontrou inúmeras dificuldades para achar dados e manuais técnicos do veículo. Com poucas informações à disposição, tivemos de nos desdobrar, consultando mais fontes do que o normal para obter a quantidade de parâmetros de medição padrão dados fornecidos pelos manuais técnicos, posteriormente comparados aos obtidos no scanner para verificar a normalidade ou não do motor.

Confira como o modelo se saiu na análise:

Motor

Um dos itens básicos do check-up do motor encontra-se em um local de difícil acesso: o filtro de ar está atrás do propulsor, obrigando o reparador a desmontar primeiro um tubo plástico e, depois, a caixa, até chegar a um suporte plástico atrás do motor, onde está o elemento do filtro.

Para retirar os bicos injetores, a situação é inversa. Bem projetados, eles necessitam apenas da retirada de um suporte, de alumínio, que recobre a flauta, para serem acessados.

Na Scénic avaliada, foi efetuada a limpeza e equalização dos injetores, nunca realizada anteriormente no veículo. Graças a isso, após o serviço, o proprietário do carro notou algumas melhoras, como a diminuição do consumo de combustível e partidas mais rápidas.

Foi realizada também a substituição dos filtros de ar, óleo e combustível, das velas as antigas estavam com os eletrodos gastos e do lubrificante.

O dono da Scénic é muito atento às trocas de óleo, pois já teve problemas com a borra. “Desde que comprei esse carro, a troca de óleo é uma preocupação maior do que eu tinha com meus veículos anteriores”, explica Renato Rudge.

Para evitar o risco de um grande prejuízo no caso de quebra, foram substituídos a correia dentada e o tensionador. Uma curiosidade: na concessionária autorizada Renault, os dois itens são vendidos juntos, em um pacote de R$ 352. No mercado de reposição, a correia sai por R$ 80 e o tensionador, R$ 180.

Apesar da diferença de preço, é bom estar atento à marca, como explica o engenheiro Paulo Aguiar: “Em certa ocasião, trocamos a correia e o tensionador de um carro. Alguns dias depois, o tensionador travou, a correia pulou e as válvulas ficaram empenadas. Por causa disso, nós, da Engin, tivemos de arcar com um prejuízo na casa de R$ 800 com o cliente entre peças válvulas, e retentores e retífica do cabeçote”. O prejuízo seria ainda maior se fosse embutido o preço da mão-de-obra.

Suspensão

É bom sempre ficar atento aos amortecedores da Scénic: no caso do modelo avaliado, eles apresentavam vazamentos vale lembrar que já haviam sido trocados aos 35 000 km.

O proprietário do veículo optou por colocar peças originais e desembolsou R$ 127,80 por cada um dos componentes dianteiros. No mercado de reposição, um modelo turbogás tem preço em torno de R$ 180. Na parte traseira, a opção também foi por peças genuínas, vendidas a R$ 106 cada o turbogás traseiro sairia por R$ 169.

Em tese, o amortecedor turbogás, embora mais caro, tem maior durabilidade e deixa o carro mais firme. “O proprietário da Scénic, no entanto, quis que o carro ficasse como o original”, explica Paulo Aguiar.

As bandejas estavam com as buchas rasgadas e foram substituídas. Os pivôs, com folga, foram trocados. Terminais, buchas e batentes estavam em ordem. Foi feito o alinhamento.

Freios

Sem problemas nessa parte. Como o proprietário já havia realizado a troca de pastilhas, discos dianteiros e fluido há cerca de 5.000 km, não houve a necessidade de reparo ou manutenção. O freio traseiro não apresentava vazamentos e as lonas estavam ok.

Conclusão

A Scénic se saiu bem. Principalmente se for levada em consideração a péssima imagem da marca com relação ao mercado de reparação. A Renault foi considerada a pior das francesas, ficando apenas à frente da Ford. O que justifica essa situação perante os reparadores são a restrição de informações e a dificuldade de encontrar peças, o que prejudica e encarece o trabalho de manutenção.

Dica 1
Segundo o dono do carro, quando o veículo tinha 30.000 km rodados, ele teve um problema com o painel de instrumentos, que sofreu uma pane no circuito interno. Na autorizada Renault, a troca da peça saiu por R$ 1,2 mil. “Isso já aconteceu com outros clientes meus, mas hoje é possível fazer a reparação do painel em oficinas especializadas em velocímetros por cerca de R$ 250, uma bagatela se compararmos com o preço dessa peça hoje, em torno de R$ 1,6 mil”, explica o Aguiar.

Dica 2
Nunca é demais lembrar: a bateria fica localizada sob o banco do passageiro dianteiro.

Dica 3
O valor do aperto para o sensor de detonação deve estar entre 1,5 Nm e 2,5 Nm. Caso esse valor não esteja dentro do especificado, o veículo pode apresentar falhas no motor, principalmente em velocidades superiores a 100 km/h.

Dica 4
Fizemos uma comparação de preços do conjunto de embreagem disco, platô e rolamento, apesar de as peças não terem sido trocadas. Na concessionária, o jogo fica em R$ 500. No mercado de reposição, sai a R$ 230. Segundo Paulo Aguiar, “uma embreagem dessas dura até 100 mil km, dependendo da utilização do condutor”.


Opinião e a experiência de outros profissionais em relação ao Renault Scénic:

“Um problema comum em toda a linha Renault é o coxim superior do motor, que apresenta muitas quebras. Quando uma Scénic entra na oficina com reclamação de barulho, a primeira coisa que eu olho é essa peça.” - José Bernardino, da SEPE-CAR

“Uma deficiência que sempre pegamos nos carros da Renault é o sensor de rotação com problema. Basta o cliente ligar e dizer que o carro está com dificuldade para pegar e eu aviso que o defeito é nessa peça.” - Washington Mariano, da Washington Motors

Leia também

Guia de compra - Renault Scénic

Da oficina: Toyota Corolla SE-G

Da oficina: VW Golf 1.6 tem seguro e manutenção cara

Da oficina: Citroën Picasso

Da oficina: Ford EcoSport

Da oficina: Chevrolet Meriva

______________________________
Receba as notícias mais quentes e boletins de manutenção de seu carro. Clique aqui e cadastre-se na Agenda do Carro!

________________________________
E-mail: Comente esta matéria

Envie essa matéria para uma amigoa

Comentários