Ford usa “cães robôs” para escanear fábricas

Dispositivos ajudam a economizar tempo, dinheiro e melhorar a eficiência das unidades da marca norte-americana

  1. Home
  2. Tecnologia
  3. Ford usa “cães robôs” para escanear fábricas
Fabio Perrotta Junior
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

A Ford se vale de um meio bastante diferente e simpático para escanear suas fábricas nos Estados Unidos. Em formato de cães, robôs ajudam a economizar tempo, dinheiro e a melhorar a eficiência das unidades da marca.

Chamados de Fluffy e Spot, os cães robôs têm cerca de 30 kg, cada, e podem se sentar, dar a pata e rolar. Além disso, eles também podem subir rampas, degraus e digitalizar o ambiente com câmeras de 360 graus, para evitar que algum funcionário perca tempo ou se arrisque nessa função.

Ford Fluffy Cão Robô 2
icon photo
Legenda: Além de trabalharem, os cães robôs também se comportam como cachorros e dão até a patinha
Crédito: Divulgação

Alugados da empresa Boston Dynamics – conhecida por criar robôs móveis sofisticados –, os autômatos são usados na fábrica de transmissões da Ford localizada no estado de Michigan.

Eles são equipados com cinco câmeras e podem andar a até 5 km/h com uma bateria com cerca de duas horas de duração. As máquinas "caninas" escaneiam o chão de fábrica para auxiliar os engenheiros a atualizar a planta.

Modos de funcionamento

Ford Fluffy Cão Robô 3
icon photo
Legenda: Um funcionário fica responsável por determinar qual função o robô deve executar
Crédito: Divulgação

Os robôs têm três marchas: caminhada sobre terreno estável, lenta, para terrenos irregulares, e velocidade especial, para escadas. Eles conseguem se agachar e alongar para entrar em áreas de difícil acesso e caminhar em terrenos difíceis.

Se caírem, também têm condições de se levantar e mantêm uma distância definida e segura dos objetos, para evitar colisões. De acordo com a Ford, os robôs economizam cerca de US$ 300 mil, que eram utilizados na hora de mobilizar equipes para escanear a fábrica, além de fazerem o serviço em metade do tempo.

 

Comentários