Sedãs são mais econômicos que hatches na estrada

Formato tem mais influência no consumo do que peso da carroceria
  1. Home
  2. Tecnologia
  3. Sedãs são mais econômicos que hatches na estrada
Lukas Kenji
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Um modelo pesado com certeza consome mais combustível do que um veículo mais leve, certo? Pode até fazer sentido, mas a história não é bem assim. Nem todo mundo sabe, mas sedãs tendem a ser mais econômicos do que hatches quando estão rodando em estradas, apesar do peso maior por conta do volume extra para o bagageiro.

A explicação para a boa performance dos sedãs está em um conceito básico, muito respeitado nos superesportivos: a aerodinâmica. “Pode parecer estranho, mas o mais importante não é tanto a forma da frente do veículo, mas sim a forma da carroceria no ponto que o ar para de ter contato com a superfície”, esclarece o gerente da Divisão de Motores e Veículos do Instituto Mauá de Tecnologia, Renato Romio.

O desenho dos hatches tem um caimento abrupto em direção ao solo, o que causa uma turbulência logo atrás do veículo, explica o engenheiro. Essa turbulência faz com que o carro precise de mais força para superar o arrasto aerodinâmico, que em outras palavras, é a força do vento contrária à direção do carro. O formato dos sedãs, que têm mais um volume na traseira, faz com que o vento seja escoado, minimizando os efeitos da turbulência.

Existe um teste que revela a eficiência aerodinâmica de um carro chamado de coast down, uma espécie de medição de desaceleração. “Imagine que um veículo é submetido a uma velocidade determinada de 100 km/h, por exemplo. Depois disso, ele é desacelerado naturalmente, sem colocar o pé no freio. A distância que esse modelo precisou para chegar a 0 km/h ajuda a mostrar a eficiência que ele tem para superar a força do vento e, consequentemente, economizar combustível”, elucida o membro da Comissão Técnica de Motores Ciclo Otto da SAE Brasil (Sociedade de Engenheiros da Mobilidade), Henrique Pereira.

Outro teste muito comum é colocar um veículo contra um túnel de vento. A avaliação permite ver o caminho percorrido pelo vendo sobre a carroceria e saber se o desenho do carro está eficiente em termos aerodinâmicos.

A última tabela do Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro mostra alguns exemplos relevantes. Selecionamos o caso dos Volkswagen Gol e Voyage equipados com motor 1.0 de três cilindros que desenvolve 75/82 cv com gasolina e etanol, respectivamente. Os dois são quase idênticos. A mudança mais relevante está no peso: enquanto o hatch pesa 901 kg, o sedã sobe na balança com 947 kg.

Na prática, a gordura extra do Voyage vira poeira. Ele tem consumo médio de 15,4 km/l na estrada, quando abastecido com gasolina. Neste mesmo cenário, o Gol tem desempenho de 14,5 km/l. Isso significa que o sedã consegue rodar quase um quilômetro a mais do que o hatch com um litro de combustível.

Aliás, a eficiência do Voyage é tão grande, que ele é o quarto carro vendido no Brasil com melhor desempenho rodoviário com gasolina. Ele fica atrás somente dos hatches Volkswagen up! e Peugeot 208, além do Híbrido Toyota Prius – o japonês é o campeão da lista com performance de 17 km/l.

No entanto, o especialista pondera que o arrasto tem influência na estrada, mas não faz muita diferença no trânsito urbano. Voltemos ao exemplo da dupla Voyage e Gol. Na cidade, eles têm exatamente o mesmo desempenho de 12,9 km/l com gasolina. Isso ocorre porque na cidade não é implementada velocidade muito alta, o que diminui a força do vento contra o carro.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors