Citroën Xsara Picasso muda para segurar mercado para o C4

Modelo 2008 ganha nova dianteira e detalhes pequenos enquanto Citroën espera melhor momento para lançar o sucessor natural, o C4 Picasso


  1. Home
  2. Testes
  3. Citroën Xsara Picasso muda para segurar mercado para o C4
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

* - Foi apresentada ontem oficialmente à imprensa a linha 2008 da Xsara Picasso. As leves modificações na dianteira e no interior servem a um propósito básico: segurar mercado para a Citroën enquanto a sucessora natural da Xsara, a C4 Picasso de cinco lugares, não passa a ser fabricada no Mercosul.

O próprio diretor da marca no Brasil, Sérgio Habib, admite que manter participação em um mercado em crescimento equivale a perder mercado. Também sabe que segmento que cresce é segmento que traz novidades para o consumidor. Daí, por exemplo, o ressurgimento das peruas, com o recente lançamento da Renault Mégane Grand Tour. Por que, então, não lançar logo uma nova minivan, a C4 Picasso, que já está à venda na Europa?

Simples: questões industriais. No ano passado, o então geral da PSA-Peugeot Citroën no Brasil, Pierre-Michel Fauconnier, anunciou que o Brasil receberia novos produtos o 307 Sedan e o 206 Sedan, ainda a ser lançado e que o país se especializaria em plataformas pequenas, enquanto a Argentina produziria os modelos grandes e médios da empresa leia mais sobre isso aqui.

O problema é que, para que esse plano se concretize, a Xsara Picasso terá de deixar de ser produzida no Brasil. Em vez de fabricá-la na Argentina, faz mais sentido investir na fabricação de sua sucessora, a C4 Picasso, cuja plataforma já foi nacionalizada no país vizinho, como demonstra a produção do C4 Pallas ali. Segundo Habib, a Citroën lançará, até 2011, um produto novo fabricado no Mercosul por ano. A maioria será novidade por aqui, mas haverá os substitutos. Deve ser o caso da C4 e da Xsara.

Vale dizer que a C4 Picasso deve ser importada para o Brasil na versão de sete lugares, o que a colocaria acima da Xsara Picasso e evitaria a canibalização do modelo nacional, que só deve sair de cena, mesmo, quando a versão de cinco lugares for produzida na Argentina.

A questão é que empresa nenhuma, em sã consciência, tira do mercado um produto que vende e que, mais do que isso, é líder em seu segmento de mercado. Prova disso são a Kombi e o Mille. Para que a Xsara Picasso deixe de ser produzida, quem deve exigir isso é consumidor e, por enquanto, ele continua comprando a minivan com apetite.

Pode ser que, com a produção da C4 Picasso na Argentina, a fabricação da Xsara Picasso no Brasil seja desativada depois de algum tempo para permitir à fábrica brasileira ampliar a produção de veículos pequenos ou mesmo receber produtos novos, como o sucessor do C3 ou mesmo outro modelo, como o C2 ou o C1, muito bem aceitos na Europa.

Especulações à parte, a Citroën acredita que a nova grade dianteira da minivan, seu novo interior e os detalhes cromados nos pára-choques serão suficientes para um aumento de vendas de 200 unidades/mês, passando das atuais 800 para 1.000. Ainda mais considerando que os preços se mantiveram os mesmos.

A versão 1.6 GLX, com motor flexível, parte dos R$ 58.315, enquanto a 1.6 Exclusive começa nos R$ 64,08 mil. Com motorização 2-litros, que se tornará flex em meados do ano que vem, a versão GLX manual custa R$ 61,27 mil com câmbio automático, o preço bate nos R$ 68,18 mil. Já a versão Exclusive, também com motor 2-litros, custa R$ 67.935 com câmbio manual e R$ 73,38 mil com o automático.

Se fosse uma grande novidade, a manutenção do preço poderia ter um apelo enorme, mas essa estratégia vem sendo seguida por todas as montadoras, o que praticamente obriga a Citroën a seguir o mesmo padrão. Sem que o consumidor, necessariamente, reconheça nisso uma vantagem.

Externamente, a Xsara Picasso passou a adotar a nova identidade visual da marca, com o “doble chevron” servindo também como um divisor do capô e do pára-choque. Em cada canto da carroceria, um arremate cromado empresta à minivan um toque de sofisticação. Atrás, o pára-choque se tornou mais envolvente e dá à Picasso uma aparência mais sólida.

Por dentro, a minivan ganhou plásticos pretos, que podem ser muito mais elegantes, como a Citroën argumenta, mas também esquentam mais e podem desbotar mais facilmente com o tempo e a exposição excessiva ao sol. Não se pode negar, contudo, que é uma cor de bom gosto e bastante sóbria, o que deve agradar.

No mais, quem já conhece a Picasso não vai se surpreender com o novo modelo quando ficar atrás do volante. Ele se comporta exatamente igual aos anteriores: o 1,6-litro sente falta de mais potência e torque, o engate do câmbio manual é tão suave que chega a ser impreciso e o 2-litros é espetacular, especialmente com câmbio manual o automático, só de quatro marchas, tira a agilidade que caracteriza o motor.

A posição de dirigir, alta, é um prato cheio para quem quer ver e ser visto no trânsito algo que agrada especialmente às mulheres, mas é algo incômoda para quem prefere uma condução mais esportiva. O espaço interno continua o maior trunfo da Xsara Picasso, especialmente seu enorme porta-malas de 550 l.

Quem procurava um carro com essas características continua a encontrá-lo na minivan da Citroën. Quem queria algo diferente vai ter de esperar por novidades da concorrência ou da própria Citroën, mas não há nada no horizonte por pelo menos alguns anos...

*Alterado no dia 02/08/2007M


FICHA TÉCNICA – Citroën Xsara Picasso 2008

MOTOR Quatro tempos, quatro cilindros em linha, transversal, duas e quatro válvulas por cilindro, refrigeração a água, 1.597 cm³ e 1.998 cm³
POTÊNCIA113 cv com álcool e 110 cv com gasolina a 5.600 rpm para o 1,6-litro e 138 cv a 6.000 rpm para o 2-litros
TORQUE 15,8 kgm com álcool e 14,5 kgm com gasolina a 4.000 rpm para o 1,6-litro e 20 kgm a 4.100 rpm para o 2-litro
CÂMBIO Manual de cinco velocidades ou automático de quatro
TRANSMISSÃO Dianteira
DIREÇÃO Hidráulica, por pinhão e cremalheira
RODAS Dianteiras e traseiras em aro 15”, de liga-leve ou de aço
PNEUS Dianteiros e traseiros Michelin XH-AS 185/65 R15 88H
COMPRIMENTO 4,27 m
ALTURA 1,63 m
LARGURA 1,75 m
ENTREEIXOS 2,76 m
PORTA-MALAS 550 l
PESO em ordem de marcha 1.308 kg a 1.326 kg
TANQUE55 l
SUSPENSÃO Dianteira independente, tipo McPherson; traseira com braços arrastados
FREIOS Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira
PREÇO De R$ 58.315 1.6 GLX a R$ 73,38 mil 2.0 Exclusive BVA


Gosta de minivans e peruas médias?

Então veja aqui em nossos estoques a melhor oferta para você:

Citroën Xsara Picasso

Renault Scénic

Chevrolet Zafira

Renault Mégane Grand Tour

Toyota FielderFiat Marea Weekend

Leia também:

Fiat Palio 1.0 ELX

Nissan Tiida promete agitar mercado de hatches médios

Saturn Sky Red Line, o roadster puro-sangue

Fiat 500 retoma o passado para garantir o futuro

Logan, o “carro do povo” da Renault
________________________________

Receba as notícias mais quentes e boletins de manutenção de seu carro. Clique aqui e cadastre-se na Agenda do Carro!
________________________________
E-mail: Comente esta matéria

Envie essa matéria para uma amigoa

Comentários