Logo WM1

O canal de notícias da Webmotors

Limpar buscar
 Aro8965

DNA de respeito rendeu frutos aos Peugeot 208 GT

Motor cheio de apertite e design marcante são heranças do 205 GTi

    • Desempenho
    • Desempenho
    • 24,5/1400 kgfm/rpm
    • Consumo Gasolina
    • Consumo Gasolina
    • Cidade: 8,2 km/litro
      Estrada: 9,5 km/litro
    • Consumo Álcool
    • Consumo Álcool
    • Cidade: N/A
      Estrada: N/A
    • Porta Malas
    • Porta Malas
    • 285 litros
    • Câmbio
    • Câmbio
    • N/A

Overview

A estética requintada e, para alguns, feminino, camufla o apetite que o 208 GT tem por velocidade. Sorte de quem o conduz. Divertido, o hot francês herdou características que fizeram sucesso no oitentista 205 GTi. Estamos falando de um motorzinho furioso, entre-eixos curto e desenho que não passa despercebido.


  • + Motor de picos elásticos promove diversão a cada acelerada
  • + Qualidade do acabamento interno é impecável
  • - Suspensão poderia ser mais baixa e rígida
  • - Preço é cerca de R$ 20.000 superior ao Sandero R.S.
 
  • 4.7 Estrela icone
  • 4.7 de 5 estrelas
  1. Home
  2. Testes
  3. DNA de respeito rendeu frutos aos Peugeot 208 GT
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Aos poucos estamos superando um trauma. Ávidos por foguetinhos em forma hatch, recebíamos das montadoras compactos fantasiados de adesivos de gosto duvidoso e equipados de motores mais sem graça do que as piadas daquele tio metido a comediante. Mas como um toque de mágica, a mentalidade das fabricantes deu uma mudada recentemente e fomos brindados com brinquedos bem divertidos.

Chegaram desde modelos arrojados como o Fiat 500 Abarth a opções mais simples (mas não menos divertidas) como o Renault Sandero R.S. O último hatch legitimamente hot a conviver entre nós foi o Peugeot 208 GT. A quem olha para o rostinho simpático e duvida da esportividade do compacto, ele responde apenas com sua capacidade de chegar aos 100 km/h em 7,6 segundos a partir da inércia.

O compacto tem especificações quase idênticas ao do 208 GTi vendido na Europa – a diferença básica é que o último tem motor que só bebe gasolina e carroceria duas portas, característica legal em termos de esportividade mas que não vende no Brasil. O propulsor 1.6 THP (turbo) flex destaca-se com rendimento de 166/173 cv a 6.000 rpm. Embora o nível de potência seja elástico, o pico de torque é bastante satisfatório. São 24,5 kgf.m disponíveis logo aos 1.400 giros tanto com gasolina quanto com etanol.

173 cv

24,5 kgf.m

7,6 s

potência com etanol

pico de torque com etanol

aceleração de 0 a 100 km/h

Vídeo

DNA DE RESPEITO

O bom acerto mecânico explica-se pelo DNA dos modelos Peugeot que recebem a inscrição GT e GTi, uma história que começou com o 205 GTi. O compacto de 1985 fez sucesso pelo design concebido pelo estúdio Pininfarina, entre-eixos curtinho (2,42 m) e pelos 132 cv desenvolvidos a 6.000 rotações. Para ter uma noção da reputação do francês, ele levou o prêmio de “Melhor Hot Hatch de Todos os Tempos” concedido no salão anual Performance Car Show, realizado em Birmingham, Inglaterra.

Desenho atraente, pico de potência do motor lá em cima e carroceria compacta – 3,97 m de comprimento, 1,47 m de altura e 2,54 m de entre-eixos – também são as qualidades do 208 GT. Mas se o 205 era uma máquina mais aguerrida e com nenhuma outra preocupação a não ser acelerar, o 208 importa-se muito com conforto e requinte.

A suspensão, por exemplo, é moderna e bem acertada para o ciclo urbano. É independente na frente e com travessa deformável atrás e conta ainda com amortecedores hidráulicos pressurizados à gás. O acerto, no entanto, poderia ser mais rígido já que estamos falando de um carrinho que ganha velocidade rapidamente e manda bem nas curvas. Não seria pedir demais também uma suspensão um pouco mais socada no chão. Uma vez que o 208 tem uma gama com várias versões, a mais esportiva delas poderia ter comportamento que fornecesse mais sensação de kart feeling.

Talvez seria a única mudança necessária para um ajuste fino de powertrain, o que ampliaria ainda mais a diversão que o francesinho proporciona. Isso porque o hatch imprime ao condutor uma dinâmica instantânea a cada ignição: pedal no assoalho, turbo enche rápido a câmara de combustão, um espirro suave é emitido pelo escapamento duplo de ponteiras cromadas, seguido de um sorriso iminente por parte do motorista.

Tal processo só é possível graças ao gerenciamento do propulsor feito pela transmissão manual de seis velocidades caracterizada por engates curtos e precisos.

DESIGN GOURMET

Quanto à estética do 208 GT, há diversos mimos que o 205 GTi jamais pensaria em ter. Reflexo dos novos tempos em que um LED é quase item obrigatório. No entanto, tudo é discreto e de bom gosto. Há detalhes em vermelho na grade, rodas de aro 17” com desenho exclusivo, aerofólio traseiro e retrovisores em preto brilhante e LEDs de uso diurno.

Por dentro, o carro transmite um ambiente extremamente agradável, o que é realidade desde a versão mais básica do 208. No GT há um LED vermelho enfeitando o cluster, bancos com revestimento em couro, pedais em aluminío, detalhes em preto brilhante na central multimídia e o agradabilíssimo volantinho revestido em couro e com costuras vermelhas.

icon photo
Legenda: Aro9175 1

Todos estes detalhes somados à vasta lista de itens de série explicam porque o 208 GT custa R$ 80.290. Ele está no mesmo patamos de preço de Suzuki Swift Sport (R$ 79.990) e Citroën DS3 (R$ 82.490), mas é quase R$ 20 mil mais caro do que o Renault Sandero R.S. (R$ 61.509).

O Sandero é muito mais simples do que o 208, mas não deve nada em nível de esportividade. O hatch que carrega propulsor 2.0 de 150 cv (etanol) é só 0,4 s mais lento do que o Peugeot em uma comparação simples de aceleração 0 a 100 km/h.

Revisões

10.000 km

2x R$ 243,50

20.000 km

2x R$ 374

30.000 km

2x R$ 243,50

Se o Renault é uma alternativa mais adequada para quem tem no preço o principal quesito para escolher seu hot hatch, o Peugeot é opção para quem quer um veículo mais completo. Além dos itens estéticos já citados, o 208 GT traz de série ar-condicionado digital de duas zonas, quatro airbags, controle de tração e estabilidade, central multimídia com tela de 7” sensível ao toque e sistema Apple Car Play e Mirror Link, piloto automático, acendimento automático dos faróis e sensores de estacionamento.

Conclusão

O recheio farto de equipamentos, a mecânica que transmite diversão e a estética repleta de mimos tornam o 208 GT o hot hatch até R$ 100 mil mais completo do Brasil. Agrada quem quer conforto nas ruas, mas que pode acelerar com gosto em track days. Já os que colocam a esportividade em primeiro lugar se encaixam mais no perfil de DS3 e Fiat 500 Abarth (R$ 94.000). Mas se o orçamento for mais apertado, não existe receio em escolher o Sandero R.S.

  • No Bolso0.0
  • Tecnologia0.0
  • Vida a bordo0.0
  • Desempenho0.0
  • Opinião do repórter0.0
  • + Motor de picos elásticos promove diversão a cada acelerada
  • + Qualidade do acabamento interno é impecável
  • - Suspensão poderia ser mais baixa e rígida
  • - Preço é cerca de R$ 20.000 superior ao Sandero R.S.
 

  • Lukas Kenji
  • Quando deixa um pouco de lado a carreira brilhante como piloto de Gran Turismo e Fórmula 1 (no Playstation), faz cobertura diária do setor automobilístico. Muscles cars e clássicos dos anos 1990 são as máquinas prediletas.
Compartilhar
0
Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors