Dcebf0f5 B4cb 4285 B6e3 5faa2257e8f2 630x386 2 0

JAC T6 tem porte e disposição para encarar a concorrência

Modelo com jeitão de Hyundai ix35 será vendido no Brasil no fim de 2014


  1. Home
  2. Testes
  3. JAC T6 tem porte e disposição para encarar a concorrência
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon


A JAC Motors não esconde que pretende lançar no Brasil o seu SUV, chamado de T6, até o final deste ano. Será a grande aposta da marca para um segmento que ganha participação de mercado com agilidade. Tamanha deve ser a expectativa sobre o modelo que a marca chinesa, em um movimento raro no mercado automotivo, decidiu disponibilizar para o WebMotors, meses antes do lançamento, uma unidade trazida da China.


O modelo foi apresentado no Salão de Pequim em 2013 como S5, porém aqui o nome deverá ser mesmo T6, já que a Audi vende o S5. É bom dizer que a unidade disponibilizada para avaliação não passou por nenhum processo de tropicalização (adaptação ao piso brasileiro, ao combustível, etc). Chegou na redação da mesma forma que é comercializado na China. O sistema multimídia, por exemplo, que traz tela sensível ao toque só funcionava na língua nativa do veículo, o mandarim.


Outra diferença do modelo que será vendido aqui é o conjunto motriz. A unidade testada trazia um 2.0L 16v turbo-supercharged que entregava até 177 cavalos de potência máxima. Quando for vendido aqui, o propulsor será um 2.0L JetFlex aspirado, emprestado da minivan J6, que terá em torno de 140 cv e será flex. O câmbio de seis marchas manual do modelo avaliado dificilmente será adotado no nosso mercado. O público brasileiro, que busca este tipo de veículo, costuma preferir uma caixa automática.


Parece mas não é

Ressalvas feitas, vamos ao teste. O primeiro olhar sugere que as linhas do T6 guardam muita semelhança com o concorrente Hyundai ix35. Também não é para menos, a lateral segue uma linha ascendente, como no rival, e uma frente recortada com capô vincado. Já a traseira lembra o recorte do Audi Q5.


Isso explica, por exemplo, o fato de o veículo não chamar tanta a atenção nas ruas, mesmo sendo um modelo inédito. Não houve uma pessoa que perguntasse ou sacasse o celular para tirar uma foto. Apesar das semelhanças, este JAC traz um visual moderno e atual. As soluções adotadas criaram uma identidade própria para o modelo.


O T6 também é um pouco maior no comprimento na comparação com o ix35(são 4,43 metros contra 4,41 metros do coreano), e também um centímetro mais alto (1,66m). Somente no entre-eixos (2,64 metros) existe uma paridade. No embate com o Ford EcoSport o modelo chinês leva boa vantagem. São 19 centímetros a mais no comprimento e oito centímetros a mais no entre-eixos.


O espaço interno é um dos pontos fortes do modelo. Quatro adultos viajam com conforto e as malas vão folgadas no porta-malas. O revestimento em couro sintético em duas tonalidades (um laranja berrante contrastado com o preto) deve ficar restrito ao mercado chinês. As peças de plástico rugoso tinham bom encaixe e os equipamentos estão disponíveis próximos a mão. Aliás, a ergonomia também merece destaque na avaliação.


Equipamentos

Como bom chinês, o T6 cedido estava bem equipado. Entre os itens de segurança uma sopa de letras (ABS, EBD, EBA, TCS,HDC, TCS e HAC), além disso, airbags e sistema Isofix para a cadeira do bebê. Entre os itens de comodidade, o JAC trazia lanternas traseiras em LED, sistema multimídia com GPS integrado, volante multifunção, entrada para USB e conexão bluetooth, rodas de liga leve aro 17 (225/60), freios a disco nas quatro rodas e faróis de neblina.


Ainda não é possível dizer quais equipamento estarão na versão vendida por aqui, mas a julgar pelo histórico da marca é bem provável que o T6 chegue “completão”.


Como anda?

O T6 gosta de acelerar forte, pelo menos com este motor 2.0L turbo de 177 cv. Apesar de não costumar ser o foco de um SUV médio, o modelo tem disposição para andar rápido. O câmbio manual se apresentou um tanto duro nas trocas de marcha, mas contribuiu para a performance do modelo. Em acelerações mais forte era fácil os pneus dianteiros quererem destracionar e o sistema de tração ter que atuar.


Com tamanha disposição, o consumo médio, entre cidade e estrada, ficou em 8 km/l (sempre abastecido com gasolina). O que não chega a ser um valor ruim, já que o utilitário pesa mais de 1.800 quilos.


A suspensão do T6 claramente não estava regulada para o piso brasileiro. Bastante dura e barulhenta vai precisar de uma adaptação para encarar os nossos buracos. A vedação também deverá ser aprimorada. Com o motor 2.0L roncando alto o barulho chega a incomodar dentro da cabine. Na estrada, o JAC seguiu com desenvoltura, mas poderia ter um piloto automático para tornar a viagem mais prazerosa.


Preço

O preço, sem dúvida, vai ser um grande ponto para determinar o sucesso ou não do T6 nas vendas. Pelo mesmo porte e equipamentos, a concorrência cobra entre R$ 75 mil e R$ 90 mil. Se chegar com um preço competitivo (por volta dos R$ 70 mil), o T6 tem bons atributos para impressionar e se dar bem no Brasil. 

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors