Mercedes Amg Eqs 53 4matic+, 2021 Mercedes Amg Eqs 53 4matic+, 2021

Mercedes EQS 53 chega como o primeiro AMG elétrico

Sedã da marca alemã é lançado no Brasil com motorização de até 761 cv e bateria para rodar mais de 580 quilômetros


  1. Home
  2. Testes
  3. Mercedes EQS 53 chega como o primeiro AMG elétrico
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

"Elétrico" e "AMG" eram duas palavras que, até há pouco tempo, não se viam em uma mesma frase. Pois a Mercedes lança neste mês de julho no mercado brasileiro o EQS 53 4Matic+, o primeiro automóvel movido a bateria com a chancela da divisão esportiva da marca alemã.

 

 

Mercedes Amg Eqs 53 4matic+, 2021 Mercedes Amg Eqs 53 4matic+, 2021
O Mercedes-AMG EQS 53 combina porte de sedã grande com desempenho digno de esportivo
toggle button

O sedã de linhas aerodinâmicas chega ao Brasil com preço sugerido de R$ 1.350.900. Com 5,22 m de comprimento, 2,13 m de largura e 1,51 m de altura, o EQS 53 impressiona pelo tamanho e também pela cavalaria. São dois motores elétricos (um para cada eixo) com potência combinada de 658 cv e torque de 96,9 kgf.m, alimentados por uma bateria de 107,8 kWh.

A combinação permite ao modelo rodar até 586 quilômetros com uma carga e acelerar de zero a 100 km/h em 3,8 segundos. Segundo a Mercedes, é possível obter um alcance de 300 quilômetros com o veículo plugado por 19 minutos em um carregador rápido com corrente contínua de 200 kW.

 

 

Mercedes Amg Eqs 53 4matic+, 2021 Mercedes Amg Eqs 53 4matic+, 2021
O sedã EQS 53 vai de zero a 100 km/h em 3,4 segundos quando equipado com o pacote AMG Dynamic Plus
toggle button

Achou pouco? Pois por mais R$ 60 mil o comprador pode pedir o pacote AMG Dynamic Plus, que eleva a potência do motor para 761 cv e o torque para 104 kgf.m. Sem mexer no alcance, permite ao EQS acelerar até os 100 km/h em 3,4 segundos. E ainda vem acompanhado de controle de largada e do AMG Sound Experience (sistema que emula - parte - da experiência sonora dos AMG a combustão).

O pacote é um dos itens de personalização oferecidos pela Mercedes para o EQS no mercado brasileiro, numa lista que inclui também opções de rodas de até 22 polegadas. Outros elementos presentes no modelo são as rodas traseiras direcionais e a suspensão pneumática com amortecedores adaptativos.

 

 

A Hyperscreen transforma o painel em uma placa de vidro com três telas de alta resolução
toggle button

Hyperscreen

Como não poderia deixar de ser em um AMG topo de linha, os acabamentos internos são de alto nível. O interior tem forrações em couro Artico e napa, enquanto o porta-malas leva bons 580 litros. Já o volante multifuncional tem botões de atalho para o seletor de modos de condução, para alterar a sonoridade do automóvel e borboletas que, diferentemente do que acontece de um carro automático comum, não trocam marchas: são usadas para variar a atuação do sistema de frenagem regenerativa.

Mas o grande destaque do EQS 53 é a Hyperscreen, que transforma o painel do carro em uma superfície plana de vidro. Embaixo dela são instaladas três telas de alta resolução.

Uma é dedicada aos instrumentos, outra à multimídia e a terceira ao passageiro, que pode usá-la como atalho para acessar uma série de funcionalidades do veículo, como o sistema de navegação GPS e o sistema de massagem nos bancos.

Além dessa espécie de "outdoor digital" à disposição dos ocupantes dos bancos da frente, o motorista pode ainda consultar as informações essenciais de condução por meio do Head-Up Display, que as projeta no para-brisa.

 

 

O "meu" EQS 53: rodas de 21 polegadas e o conjunto motriz com 761 cv de potência e 104 kgf.m de torque
toggle button

Impressões

Tivemos um brevíssimo contato com o Mercedes-AMG EQS 53, em um passeio de cerca de 30 minutos (como motorista e passageiro) pelas ruas e em meio ao trânsito da região de Vila Nova Conceição, na capital paulista.

Apesar do conforto e da cabine que agrada ao olhar, um ponto que pode gerar incômodo para os motoristas mais baixos (tenho 1,65 m) é justamente o painel Hyperscreen, que fica em posição bem alta e obriga o condutor de baixa estatura a elevar bastante a altura do assento para olhar o mundo exterior.

Por outro lado, a experiência sonora fornecida pelo AMG Sound Experience (em seu modo Powerful) é digna de nota. Você sabe que aquilo tudo é artificial, já que um carro elétrico não tem o mesmo ronco de um carro a combustão.

Mas o característico som (uma mistura de esportivo V8 com nave espacial) anima o motorista a pisar fundo no acelerador. Ao que o carro responde com um coice digno dos mais de 100 quilos de torque (e apesar dos 2.655 quilos de peso).

Com tudo isso, ficou a sensação de que faltou uma estrada (na verdade, algumas estradas) no caminho do "meu" AMG. E aquele gostinho de quero mais. Fica para a próxima,  EQS 53!

Comentários