Motor 2-litros flex do Peugeot 307 gosta de álcool

Prestes a ser substituído pelo Peugeot 308, hatch médio apresenta um preço bastante atraente


  1. Home
  2. Testes
  3. Motor 2-litros flex do Peugeot 307 gosta de álcool
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Dentre as opções de hatches médios no Brasil, a versão Feline automática do Peugeot 307 2.0 Flex, a mais sofisticada da linha, surge com um dos preços mais atraentes do mercado. Completo, sem opcionais, o carro custa R$ 68,5 mil. É mais barato que o novíssimo Ford Focus Ghia com câmbio automático, que custa R$ 69.385. Preço adicional, só se ele vier com pintura metálica ou perolizada mais R$ 1.000. A explicação para o preço mais em conta é que o carro deve sair de linha em breve. Ele dará lugar ao Peugeot 308, que já faz seus testes finais no país. Com isso em vista, ele é uma compra que compensa?

Vamos devagar na análise. Em primeiro lugar, é importante ressaltar o bom pacote de itens de série do carro e o fato de eles virem todos embalados em uma versão, a Feline, o que ajuda o carro a valorizar na hora da revenda. Na cotação de preços, todos os equipamentos entrarão na conta, o que torna o investimento mais fácil de recuperar ou, pelo menos, de não desperdiçá-lo, como acontece quando se equipa o carro com opcionais.

Entre os itens que vale destacar estão o ar-condicionado digital bizona, direção assistida, ABS, dois airbags dianteiros, computador de bordo, vidros e travas elétricos nas quatro portas, rodas de liga-leve de aro 16”, sensor de luminosidade que acende os faróis em caso de necessidade, controlador de velocidade e toca-CD com MP3 e Bluetooth integrado. É um excelente pacote pelo valor a que o carro é oferecido, sem contar o belo porta-malas de 420 l.

Outro ponto positivo a destacar no hatch é o motor 2-litros de 143 cv com gasolina e de 151 cv com álcool. É o mesmo que o Citroën C4, recém-lançado, apresenta, ainda que o câmbio de quatro marchas apresente um comportamento alguma coisa diferente no Peugeot.

Ao volante

Essa diferença é uma tendência maior a dar trancos que o câmbio do C4. Conosco, o do C4 não deu nenhum, mas o do 307 nos deu alguns socos. Também lidou pior com os quase 70 kg a mais que o Peugeot apresenta em relação ao Citroën. Ainda que tenha bom comportamento em relação ao câmbio automático dos concorrentes especialmente em relação ao do Ford Focus, tranquilamente o pior do segmento, a regulagem da transmissão do 307 fica devendo à usada no C4.

Em relação à posição de dirigir, não há do que se queixar no hatch. Ele tem regulagem de altura e distância do volante, além de ajuste da altura do banco do motorista. Não é nada difícil se acomodar bem na condução do carro.

O câmbio automático de quatro marchas do 307 é bom, em grande medida, por conta da excelência do motor, que se dá bem com gasolina e muito melhor com álcool. Elástico, bem disposto e redondo, ele dá a impressão de que se daria bem até com um câmbio de três marchas, mas não vale forçar a natureza. O ideal seria uma transmissão de pelo menos cinco marchas, mesmo.

No Peugeot não chegamos a sentir as oscilações de funcionamento que o C4 apresentou com o motor frio, mas isso também pode acontecer com o 307 em dias com temperatura mais baixa. Bom será ter o sistema que equipa o VW Polo E-Flex mais bem desenvolvido e disponível para outras empresas.

Em termos de espaço, o 307 é grande, por dentro, algo que fica ainda mais enaltecido pelo teto alto, que dá a impressão de amplitude e garante espaço para a cabeça dos mais altos. No banco traseiro, o espaço é bom para dois passageiros. O terceiro viaja apertado. O porta-malas, como já dissemos, se destaca. Ele tem 100 l a mais do que o do C4 420 l, contra 320 l, algo que vale ressaltar por conta de os carros compartilharem tanto, inclusive a mesma plataforma.

Sendo os dois carros tão parecidos, vale comprar o 307 na iminência de sua saída de linha? Só para quem for apaixonado pelo carro, quiser um hatch médio flex e for ficar com ele por pelo menos uns três anos. Quem comprá-lo e quiser revendê-lo em menos tempo vai sofrer duplamente. Primeiro, com a desvalorização que a competição com qualquer modelo novo já oferece. Segundo, pelo fato de o Peugeot 308 já estar chegando, o que torna o 307 obsoleto e mais propenso à desvalorização.

FICHA TÉCNICA – Peugeot 307 Feline 2.0 Flex

MOTORQuatro tempos, quatro cilindros em linha, transversal, quatro válvulas por cilindro, refrigeração a água, a gasolina, 1.997 cm³
POTÊNCIA151 cv álcool e 143 cv gasolina a 6.000 rpm
TORQUE212 Nm álcool e 200 Nm gasolina a 4.000 rpm
CÂMBIOAutomático de quatro velocidades
TRAÇÃODianteira
DIREÇÃO Por pinhão e cremalheira; eletro-hidráulica
RODAS Dianteiras e traseiras em aro 16”,de liga-leve
PNEUS Dianteiros e traseiros 205/55 R16
COMPRIMENTO 4,21 m
ALTURA 1,52 m
LARGURA 1,76 m
ENTREEIXOS 2,61 m
PORTA-MALAS 420 l
PESO em ordem de marcha 1.368 kg
TANQUE60 l
SUSPENSÃO Dianteira independente, tipo McPherson; traseira com eixo de torção
FREIOS Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira
CORES Branco Banquise, Vermelho Aden, Vermelho Luc, Cinza Aluminium, Cinza Manitoba, Preto Perla Nera, Cinza Fer, Cinza Cendré
PREÇO R$ 69,5 mil como avaliado


Gosta de hatches médios?

Então veja aqui no WebMotors as melhores ofertas para esse segmento:

Peugeot 307

Peugeot 306

Volkswagen Golf

Renault Mégane

Chevrolet Astra

Ford Focus

Fiat StiloChevrolet Vectra GT

Citroën C4

Citroën Xsara

Leia também:

MINI chega ao Brasil com charme e preço um tanto alto

Nissan Livina anda bem e tem espaço para conquistar clientes

Renault Symbol é melhor que o Clio Sedan, mas leva herança ruim

Fiat Punto T-JET não quer saber de giro baixo

Chevrolet Vectra Next Edition dá um passo à frente

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors