Nissan Frontier quer subir nas vendas à força

Com custo-benefício razoável, picape aproveita motor mais potente da categoria


  1. Home
  2. Testes
  3. Nissan Frontier quer subir nas vendas à força
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

– O segmento de picapes médias é dividido em dois grupos distintos. O primeiro, "de entrada", é composto por Ford Ranger e pela líder Chevrolet S10. Ambas apostam no custo-benefício para vender altos volumes. Mais acima literalmente há a "elite", formada principalmente pelos modelos asiáticos com cabine dupla, conforto de automóvel e preço acima dos R$ 100 mil. Neste grupo se encontra a Nissan Frontier, avaliada pelo WebMotors na versão LE 4x4 manual.

Partindo de quase R$ 115 mil, o modelo se posiciona abaixo dos seus principais concorrentes. Líder deste nicho, o Toyota Hilux equivalente parte de R$ 123 mil, com Mitubishi L200 Triton R$ 122 mil e VW Amarok Highline R$ 120 mil logo abaixo. Vale lembrar que os valores se referem às versões topo de linha com transmissão manual. Apesar de ser mais barato, o Frontier possui menos eletrônica embarcada do que seus concorrentes. Mas essa diferença a picape supera na força bruta.

Turbo o quê?
Com 172 cv de potência, o motor de 2,5 litros turbodiesel do Frontier é o mais potente da categoria, virtude destacada em todos os anúncios do modelo. Só falta dizer que para isso o motorista precisa ter pé de chumbo. O motivo é que a turbina usada no propulsor trabalha com alta pressão, requerendo giros elevados para o aumento de potência ser perceptível.

Até 2.500 rpm o quatro-cilindros tem funcionamento pacato - até demais, considerando o peso de duas toneladas do Frontier. A letargia só desaparece quando o turbo entra em ação, a partir dos 3.000 rpm. Vale destacar que esse índice é elevado para um motor de ciclo diesel, cujo funcionamento normalmente se dá em rotações menores do que em motores a gasolina ou flex. O outro problema do atraso da turbina turbo lag é que sua entrada se dá de maneira brusca, como se um "nitro" houvesse sido acionado.

Essa característica incomoda no início, principalmente em saídas de ladeiras, exigindo que o motorista acelere mais do que o usual antes de iniciar o arranque. O ponto positivo fica pelo freio de mão convencional em forma de alavanca, e não de pedal, que facilita a tarefa. Mas basta o condutor se acostumar com o comportamento um tanto temperamental do Frontier para aproveitar do fôlego de sobra da picape.

Sem antiapressado
Suspensão, direção e freios ABS seguem o comportamento dos rivais. Com calibragem mais macia, o Frontier absorve bem buracos e valetas típicas do asfalto brasileiro. Por "mais macia", entenda-se "menos dura do que o Ranger e S10". Para ser mais confortável o Nissan teria que prejudicar ainda mais a estabilidade, que já é debilitada por conta do porte do modelo. Outro ponto negativo é que, apesar de ter potência de sobra, o Frontier não conta com controle de estabilidade, recurso útil para evitar desastre entre os mais afoitos ao volante.

Volante que, aliás, não conta com controles do sistema de som - característica comum na maioria das picapes deste segmento. Apesar do desenho conservador, a cabine conta com materiais de boa qualidade e ergonomia quase comparável com a de um automóvel. "Quase" porque em um carro dificilmente é necessário descolar do banco do motorista para fechar o difusor do passageiro. Todos os itens esperados para um carro desta categoria estão lá: ABS, airbag duplo, trio elétrico, direção hidráulica e ar-condicionado manual.

Outro ponto infelizmente comum na categoria é o espaço interno traseiro. O problema ali não é nos joelhos ou na cabeça, e sim, nas costas. Muito vertical, o encosto do banco cansa rapidamente os passageiros que se aventurarem por lá.

De polícia
Observando racionalmente, o Frontier oferece praticamente os mesmos itens do que a concorrência sem cobrar a mais por isso. Mesmo assim, suas vendas ainda ficam abaixo das asiáticas, só superando o Amarok, que ainda não conta com o câmbio automático. A lógica deste Nissan funciona em licitações para frotas oficiais, como a Polícia Fcaptional, mas nem tanto para o consumidor. A solução para o Frontier seria apelar para a emoção, mas com cuidado. Até porque o exagerado comercial que satirizava a Hilux e Amarok não funcionou.

Motor

Quatro cilindros em linha, dianteiro, longitudinal, 16 válvulas, 2.488 cm³, turbo

Potência

172 cv diesel a 4.000 rpm

Torque

403 Nm / 41,1 kgfm diesel a 2.000 rpm

Câmbio

Manual, com seis marchas

Tração

4x4, com reduzida

Direção

Por pinhão e cremalheira, com assistência elétrica

Rodas

Dianteiras e traseiras em aro 16” de liga-leve

Pneus

Dianteiros e traseiros 255/70 R16

Comprimento

5,23 m

Altura

1,78 m

Largura

1,85 m

Entre-eixos

3,20 m

Caçamba

1.026 L - até 1.005 kg

Peso em ordem de marcha

2.010 kg

Tanque

80 l

Suspensão

Dianteira independente, tipo braços sobrepostos; traseira dependente, tipo eixo rígido

Freios

Disco ventilado na dianteira e tambor na traseira

Preço

R$ 114.490
_________________
Comente esta materia no Facebook e concorra a brindes do filme Carros 2



Gosta de picapes médias?

Então veja aqui no WebMotors a melhor oferta para você:

Mitsubishi L200

Nissan Frontier

Toyota Hilux

Chevrolet S10

Ford Ranger

Volkswagen Amarok

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors