No duelo entre C4 Picasso e Scénic, detalhes favorecem Citroën

Apesar de ser quase R$2.000 mais cara, a Grand C4 Picasso tem concepção mais moderna e desempenho mais empolgante que o da Renault Grand Scénic


  1. Home
  2. Testes
  3. No duelo entre C4 Picasso e Scénic, detalhes favorecem Citroën
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Uma diferença de quase R$ 2.000, mais exatamente R$ 1.810, pesa em qualquer bolso, mas quando ela se refere a dois veículos com preços de quase R$ 90 mil, a importância dessa diferença diminui. No caso deste comparativo, entre as minivans Renault Grand Scénic e a Citroën Grand C4 Picasso, não só ela perde relevância como até se justifica. As diferenças entre elas podem parecer detalhes, mas poucas vezes detalhes pesaram tanto a favor de um produto contra o outro. Neste caso, a favor da Citroën.

Para começar, as duas são importadas da França. Também têm preços próximos, tamanhos próximos, motores de cilindrada igual e o mesmo número de lugares, para sete passageiros. Quem quiser olhar as fichas técnicas de ambas, logo abaixo, verá também que as suspensões seguem a mesma disposição, que os freios são a disco nas quatro rodas e que até as rodas são da mesma medida, de aro 16”. Teoricamente, comprar uma ou outra seria como trocar seis por meia-dúzia, mas a escolha está longe de ser tão simples.

A razão mais forte para isso é que, apesar de ambas serem novidade no mercado brasileiro, a Renault Grand Scénic está prestes a sofrer mudanças estéticas importantes, o que fará o modelo atual perder valor mais rápido. Considerando sua data de lançamento, ela poderia ter sido trazida ao Brasil bem antes, mas sabemos que foi o câmbio favorável que facilitou sua importação justamente agora. A Grand C4 Picasso, apresentada há menos tempo, se aproveitou do mesmo quadro, mas tem mais tempo de vida pela frente.

Mesmo que fosse só isso o que pesasse a favor da minivan da Citroën, a balança continuaria bastante desequilibrada. O caso é que há mais fatores que tornam a Grand C4 Picasso uma compra mais interessante.

Ao volante

Para começar, a minivan da Citroën tem algo que a Scénic só conseguiria ter com uma reestilização. Trata-se do sistema VisionSpace, que, em miúdos, traz a linha superior do pára-brisas quase até a cabeça do motorista, o que permite uma visibilidade que nunca tivemos em nenhum carro que não fosse conversível, por exemplo. Com isso, motoristas mais altos conseguem enxergar o semáforo quando estão esperando perto da faixa de pedestres, algo realmente extraordinário.

Para evitar que o sol ofusque o condutor em finais de tarde de outono, os pára-sóis correm por trilhos até o nível em que eles ficariam posicionados se o teto não fosse recuado. Com isso, o motorista continua capaz de proteger os olhos sem, com isso, perder seu campo de visão.

Apesar de maior 4,59 m, contra 4,50 m, da Scénic, a Grand C4 Picasso é mais leve 1.560 kg, contra 1.645 kg e mais potente 143 cv, contra 138 cv, com mais torque disponível 200 Nm, contra 187 Nm. As duas minivans contam com câmbios automáticos de apenas quatro marchas, o que prejudica ambas, mas, na Citroën, quase não se nota a falta que uma quinta marcha faz.

A experiência de dirigir as duas é completamente diferente. Enquanto a Grand C4 Picasso responde prontamente aos comandos do acelerador, reduzindo as marchas sempre que o motorista precisa, a Grand Scénic teima em achar que deve deixar o motor crescer de giro sozinho em vez de reduzir a marcha, mesmo quando um caminhão se aproxima rápido demais no lado oposto em uma ultrapassagem. Isso mesmo com o sistema Proactive, que teoricamente aprende a maneira de conduzir da pessoa que está atrás do volante. Das duas, a Citroën é única em que se pode confiar plenamente na estrada.

Em curvas, as duas são tão estáveis quanto a altura permite. E se saem bem, considerando sua proposta familiar. A Grand C4 Picasso se destaca pelo comportamento mais esportivo. A visibilidade é ótima nas duas, com vantagem para a Grand C4 Picasso, e o que não é tão fácil de ver os sensores ajudam a enxergar, especialmente em manobras de estacionamento. Ambas têm sensores na dianteira e na traseira.

A letargia da Grand Scénic não interfere no conforto que ela oferece aos passageiros, que fica no mesmo nível do que a Grand C4 Picasso proporciona. Como já dissemos, as duas carregam até sete pessoas e o espaço interno para os passageiros da segunda fileira de bancos é bem razoável em ambas. Na terceira fileira não se recomenda que adultos viajem, apenas em trajetos curtos. Ali, só gente miúda.

Mercado

Como as duas são importadas, elas, por uma questão de prudência das empresas, vêm só nas cores mais vendidas do mercado, os famosos preto e prata. É a garantia de que o que vier será vendido, ainda que demore um pouco.

Dentre elas, pelo menos a Grand C4 Picasso tem a garantia de ser fabricada aqui por perto, na Argentina, em um prazo relativamente curto. A Renault Grand Scénic, que também poderia ser fabricada na América do Sul, não deve vir devido aos baixos volumes de venda.

Uma prova disso, recente, é o Kangoo, que mudou completamente na Europa e chega agora ao Brasil com a aparência que está saindo de linha no Velho Continente. A desculpa de a plataforma não estar disponível não serve, uma vez que ela é a mesma do Mégane Sedan e da Grand Tour.

Para justificar mais investimentos por aqui, a Renault, primeiro, precisa provar que caiu no gosto dos brasileiros, algo que o Logan e o Sandero estão fazendo por ela. Quem sabe num futuro próximo, com o mercado mantendo o crescimento atual, ela não escolha fazer aqui também modelos mais sofisticados? Será a única maneira de ela enfrentar com igualdade de condições um produto mais moderno, como a Grand C4 Picasso. Ainda que a vitória, como aconteceu neste comparativo, se dê nos detalhes.

FICHA TÉCNICA – Renault Grand Scénic X Citroën Grand C4 Picasso






















ItensRenault Grand ScénicCitroën Grand C4 Picasso
MOTORESQuatro tempos, quatro cilindros em linha, transversal, quatro válvulas por cilindro, refrigeração a água, 1.998cm³ Quatro tempos, quatro cilindros em linha, transversal, quatro válvulas por cilindro, refrigeração a água, 1.997 cm³
POTÊNCIAS138 cv a 5.500 rpm143 cv a 6.000 rpm
TORQUES187 Nm a 3.750 rpm200 Nm a 4.000 rpm
CÂMBIOSAutomático de quatro velocidadesAutomático de quatro velocidades
TRAÇÕESDianteiraDianteira
DIREÇÕES Por pinhão e cremalheira; eletro-hidráulica Por pinhão e cremalheira; eletro-hidráulica
RODAS Dianteiras e traseiras em aro 16”,de liga-leve Dianteiras e traseiras em aro 16”,de liga-leve
PNEUS Dianteiros e traseiros 205/60 R16 Dianteiros e traseiros 215/55 R16
COMPRIMENTOS 4,50 m 4,59 m
ALTURAS 1,64 m 1,71 m
LARGURAS 1,81 m 1,83 m
ENTREEIXOS2,74 m 2,72 m
PORTA-MALAS 550 l 576 l
PESOS em ordem de marcha 1.645 kg 1.560 kg
TANQUES60 l60 l
SUSPENSÕES Dianteira independente, tipo McPherson; traseira com eixo de torção Dianteira independente, tipo McPherson; traseira com eixo de torção
FREIOS Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS Discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS
CORES Cinza Eclipse, Prata Platino e Preto NacréGris Aluminium prata e Noir Onyx preta
PREÇOS R$ 87,99 mil R$ 89,8 mil





Gosta de minivans grandes?

Então veja as ofertas das concorrentes brasileiras da Sharan no WebMotors:

Chevrolet ZafiraCitroën Xsara Picasso

Citroën C8

Citroën Evasion

Renault Scénic

Peugeot 806

Peugeot 807

Leia também:

Sandero Nokia

Fiat Siena ELX 1.4

Novo VW Gol mostra qualidades para conservar liderança

Família Peugeot 207, mas pode chamar de novo 206

Mercedes-Benz ML 320 CDI surpreende pelo silêncio

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors