Renault Kangoo Sportway, a multivan mais que flexível

Multivan, com motor flex e versão off-road, mostra grandes qualidades


  1. Home
  2. Testes
  3. Renault Kangoo Sportway, a multivan mais que flexível
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Que carro cabe em qualquer vaga de garagem e ainda assim pode transportar uma pequena mudança, móveis e todo tipo de tralha? Se você demorou demais para pensar no que se encaixa nessa descrição, certamente nunca ouviu falar das multivans, segmento que, no Brasil, conta com três representantes: Citroën Berlingo, Fiat Doblò e Renault Kangoo. O único dessa turma que tinha motores flex era o modelo da Fiat, mas a Renault lançou recentemente o Kangoo com o excelente motor 1,6-litro 16V Hi-Flex. E o carrinho, com álcool e na versão Sportway, mostrou qualidades bastante interessantes nesta avaliação do WebMotors.

A primeira delas é o preço, mais em conta que o do Doblò Adventure. O Sportway sai por R$ 52,39 mil, enquanto o Doblò vai a R$ 58,69 mil. O Berlingo é o mais barato dos três, custando R$ 48,39 mil, só que não oferece opção de uma aparência mais robusta, ou off-home, como gosta de definir a Renault. Com airbag duplo, seu único opcional, fora a pintura metálica, o Berlingo chega nos R$ 50,58 mil. O Kangoo Sportway traz airbags duplos de série.

Outra vantagem do Sportway foi a modificação de uma de suas características mais controversas: o estilo. Ele, aliás, é algo a que nenhuma das multivans escapava até a chegada ao mercado do Doblò Adventure.

Com rodas maiores e uma aparência mais robusta, o Fiat conseguiu se tornar mais harmônico, corrigindo aquela impressão que o modelo normal dá de ter rodas pequenas demais para suas dimensões. O carro também se mostrou valente para enfrentar piso esburacado e vem conquistando consumidores e taxistas estes últimos ganham corridas melhores por terem um carro considerado “grande” na praça.

Atenta, e reagindo com rapidez em um mercado cada vez mais competitivo, a Renault criou a versão Sportway para ser a nova opção topo de linha para o Kangoo. Apesar de não trazer alterações de suspensão, o Kangoo Sportway traz um pneu de medida maior, 175/70 R14 em vez dos 175/65 R14 das versões Authentique e Expression. Mesmo com essa melhoria, não seria nada mal se o Sportway trouxesse suspensão reforçada ou pelo menos rodas de aro 15”. Se não traz, é porque o volume de vendas não justifica o investimento, além de o carro ser fabricado na Argentina, mercado que não deve exigir uma versão com essas características.

De todo modo, os pneus maiores e as proteções plásticas, além do novo spoiler dianteiro, já dão ao carro um aspecto mais simpático, assim como as barras de teto, para a eventualidade de ser preciso carregar algo no teto do Kangoo. O difícil é imaginar uma situação em que isso será necessário, considerando o espaço interno generoso que o Kangoo oferece.

Com 600 l de porta-malas, o Kangoo pode ter o banco traseiro rebatido e chegar a excelentes 2.600 l de capacidade de carga. A suspensão pode não ter sofrido mudanças, mas se mostrou perfeitamente adequada ao carro mesmo com bastante bagagem. Não se nota ao volante nenhuma mudança de comportamento significativa. E olha que, para um carro com a altura do Kangoo, o comportamento é exemplar.

Logo ao entrar nesta multivan, a sensação que se tem é de muito espaço, mesmo para motoristas com mais de 1,80 m. O teto alto permite, por exemplo, que se veja qualquer semáforo, mesmo parando pertinho da faixa de segurança. Em um Ford Fiesta do modelo antigo ou em um Ka, por exemplo, isso é tarefa impossível, a não ser que o motorista abaixe bem a cabeça.

Faz muita falta, no Kangoo, uma regulagem de altura do banco ou de altura do volante. A posição do volante não favorece a visualização dos mostradores, o que seria sanado facilmente com a possibilidade de qualquer uma destas regulagens. No que se refere aos outros comandos, tudo certo. Mesmo os botões dos vidros dianteiros, localizados na porta do motorista, estão em posição adequada.

Com o carro em marcha, não se pode dizer que a posição alta de dirigir e a altura avantajada do carro inspirem confiança em um primeiro momento, mas é só no primeiro momento mesmo. Por incrível que pareça, o carro aceita fazer curvas um pouco mais fechadas sem reclamar, com bastante estabilidade. Os pneus não chegam a cantar em situação nenhuma.

É evidente que o Kangoo não foi feito para ter um desempenho esportivo, mas ele, mesmo carregado, se mostra muito bem disposto e gostoso de dirigir. O torque máximo do motor é que poderia aparecer um pouquinho antes. Surgindo apenas em 3.750 rpm, ele não chega a atrapalhar, mas o motorista tem de se lembrar de andar com o motor sempre cheio, sob pena de deixá-lo morrer em situações bobas. E bastante constrangedoras, por vezes.

O preço, como se pode imaginar, é o consumo alto. Com o Kangoo, apenas em circuito urbano, o WebMotors conseguiu a marca de 5,5 km/l com álcool. Vale lembrar que o carro rodou com bastante carga e não tem um desenho exatamente aerodinâmico. Mesmo assim, convém ficar atento ao pé direito e manter o giro do motor alto na medida certa, sem abusos. O bolso agradecerá, com certeza.

A velocidade máxima do Kangoo é de 160 km/h com álcool e 158 km/h com gasolina, com um 0 a 100 km/h de 13 s e 13,5 s, respectivamente. De novo, considerando a finalidade a que ele se destina, esses números são bastante bons. Em termos de sensação, o carro realmente se mostra ágil.

Com apenas 4 m de comprimento, o Kangoo tem pouco menos de 10 cm a mais que um VW Gol. Também não é tão mais largo que o carro mais popular do Brasil: 1,67 m, contra 1,62 m. Em miúdos, isso quer dizer que a multivan da Renault pode ser colocada em qualquer vaga de garagem. Ainda mais quando se leva em conta que as portas traseiras são corrediças, o que poupa um belo espaço para abri-las.

Se você precisa de bastante espaço, tem família grande, quer um carro que possa ser abastecido com álcool ou gasolina e que caiba em qualquer lugar, há opções interessantes no mercado. E o Kangoo, certamente, é uma delas.

FICHA TÉCNICA – Renault Kangoo Sportway


MOTOR Quatro tempos, quatro cilindros em linha, transversal, quatro válvulas por cilindro, duplo comando no cabeçote DOHC e refrigeração a água, 1.598 cm³
POTÊNCIA98,3 cv com álcool e 95 cv com gasolina a 5.000 rpm
TORQUE 15,3 kgm com álcool e 15,1 kgm com gasolina a 3.750 rpm
CÂMBIO Manual de cinco velocidades
TRANSMISSÃO Dianteira
DIREÇÃO Hidráulica, por pinhão e cremalheira
RODAS Dianteiras e traseiras em aro 14”, de liga-leve
PNEUS Dianteiros e traseiros 175/70 R14
COMPRIMENTO 4 m
ALTURA 1,86 m
LARGURA 1,67 m
ENTREEIXOS 2,60 m
PORTA-MALAS 600 l
PESO em ordem de marcha 1.140 kg
TANQUE52 l
SUSPENSÃO Dianteira independente, tipo McPherson; traseira com eixo de torção
FREIOS Duplo circuito em “X”, discos ventilados dianteiros, com 259 mm de diâmetro, e tambores na traseira, com 228,6 mm de diâmetro
CONSUMO Não divulgado pela fábrica
PREÇO R$ 52,39 mil


Gosta de multivans?

Então veja as ofertas deste segmento no WebMotors:

Fiat Doblò

Citroën Berlingo

Renault Kangoo

Leia também:

Honda Civic X Chevrolet Vectra

Renault Mégane Sedan 2.0 16V Nissan Sentra 2.0SL x Honda Civic EXS

VW Jetta x Ford Fusion, uma disputa acirrada

VW Bora e Renault Mégane Dynamique 1.6 16V
________________________________

Receba as notícias mais quentes e boletins de manutenção de seu carro. Clique aqui e cadastre-se na Agenda do Carro!
________________________________
E-mail: Comente esta matéria

Envie essa matéria para uma amigoa

Comentários