Renovada, Peugeot Escapade não escapa de defeitos antigos

Quando se tornou 207 em vez de 206, perua carregou consigo algumas falhas do modelo anterior, além de ter perdido equipamentos


  1. Home
  2. Testes
  3. Renovada, Peugeot Escapade não escapa de defeitos antigos
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

- Em setembro de 2006, a Peugeot entrou no segmento chamado de off-roads lights com a Peugeot 206 Escapade. Na reportagem que escrevemos na época, o carro custava R$ 49,85 mil em sua versão mais simples, com pintura sólida. A sucessora da 206 Escapade, a 207 Escapade, custa R$ 46,1 mil. A receita para a redução do preço pode ter sido a nacionalização de muitas peças, mas o empobrecimento do veículo, que agora não traz mais ABS nem freios a disco nas quatro rodas, também conta para isso.

Esse empobrecimento, aliás, é algo menos perceptível para quem fica mais atento apenas a equipamentos de conforto e conveniência. A 207 Escapade, por exemplo, traz vidros traseiros elétricos, algo que a primeira Escapade não oferecia. Também não oferecia sensores de luminosidade e de chuva, para acionar respectivamente os faróis e os limpadores de pára-brisa sozinha. De todo modo, no pacote isso custa relativamente pouco.

O ABS é um item mais importante, que sai por R$ 1.890 e inclui freios a disco nas rodas traseiras. Airbags na frente são opcionais, mas, ao configurar o carro na internet, não conseguimos saber quanto estes itens custariam porque eles não estão disponíveis.

A explicação para o preço do carro ainda ser mais baixo do que o do modelo de 2006, mesmo com ABS e pintura metálica, é a redução de IPI de que os carros gozam atualmente.

É fato que o consumidor mediano dá pouca importância a itens de segurança e não sente a falta deles. Isso ajuda a 207 Escapade a manter mais ou menos a mesma fama que a 206 Escapade tinha no mercado, a de um automóvel bastante completo. Neste ponto, não há como negar que quem procura um veículo com bom número de itens de série, como ar-condicionado digital, direção hidráulica, vidros, travas e retrovisores elétricos, tem na 207 Escapade uma opção a considerar.

Em todo caso, mesmo o consumidor menos preocupado com segurança sentirá a economia de alguns itens na 207 Escapade. O veículo não tem rádio, por exemplo, apenas a preparação para sua instalação. O toca-CD com MP3 é acessório, vendido pelas concessionárias, o que ajuda a rentabilizar a operação dos distribuidores autorizados.

Aparência

Em termos visuais, a 207 Escapade até poder parecer um veículo novo, mas basta uma olhada mais atenta para ver porque a mudança de nome do carro foi tão atacada. Em primeiro lugar, porque a 207 Escapade é basicamente um 206 com dianteira igual à do 207 verdadeiro, vendido na Europa, e lanternas traseiras de lentes transparentes, no estilo “Altezza”.

Com isso, a maior parte do que poderia ser corrigido do modelo antigo para o atual virou herança. A ergonomia, por exemplo, seria muito favorecida com a adoção de um volante com regulagem em distância, algo que não se faz apenas por uma questão de custos. O Citroën C3, que usa a mesma plataforma do 207 nacional, oferece esse dispositivo.

Outro problema ergonômico é o lugar reservado aos comandos dos vidros elétricos. Tudo bem eles ficarem no console central. Essa é a posição defendida por engenheiros como a mais adequada não só por precisar de menos fios e gerar economia, mas por ser um local mais protegido. O problema é ficarem quase junto ao quadril do motorista, perto da base do freio de mão. Acionar os vidros exige manobras de contorcionismo.

O porta-malas, de apenas 313 l, é menor do que o do Renault Sandero, que tem 320 l. Quando pensamos que o modelo da Renault também tem sua versão aventureira, a Stepway, a opção pela perua da Peugeot só faz sentido para quem tem uma queda especial pelo estilo da 207 Escapade ou por seu interior mais refinado.

O acabamento interno, parecido com o do 307, dá ao modelo um estilo mais imponente. É como se o motorista estivesse a bordo de um carro mais sofisticado. Se isso causa excelente impressão em um primeiro contato, pode ser frustrante no convívio com o carro. A família 206 era conhecida por ter muitos barulhos internos, algo que a Peugeot diz ter corrigido bastante na reestilização dos modelos. Se isso é verdade ou não, só o tempo poderá dizer.

Ao volante

Quando se dá a partida na 207 Escapade, também se nota uma herança positiva deixada pelo modelo anterior. O motor 1,6-litro 16V reage bem aos comandos do motorista, ainda que, em dias frios, exija um pouco mais de paciência para ser ligado se estiver usando álcool.

A suspensão alta, que garante 24 cm de vão livre, não se intimida diante de lombadas, valetas e saídas de garagem. A desenvoltura com que encara esses obstáculos é a principal razão pela qual alguém deveria se interessar por ela.

Apesar de mais alta que a 207 SW, a Escapade passa confiança no asfalto. Dá até para dizer que a sensação é de que a “perua de salto alto” consegue correr tanto quanto a que usa sapato baixo, com a mesma segurança. Isso, evidentemente, dentro dos limites de velocidade permitidos, de no máximo 120 km/h nas melhores estradas brasileiras. É possível que, em velocidades mais altas, a diferença salte mais ao olhos.

Uma coisa que incomodava nos veículos da Peugeot e da Citroën e parece ter voltado à tona na 207 Escapade é o tempo de resposta longo dos comandos eletrônicos. Culpa do sistema multiplex, que passa o controle de farol, buzina e limpadores de pára-brisa, entre outros, para uma central eletrônica.

A vantagem é eliminar custos, fios e peso do carro. A desvantagem é a sensação de que o carro pensa antes de atender a um comando do motorista. Toques na buzina só são correspondidos por sons um tempo depois do gesto. Lampejos de farol alto do mesmo modo. Pode ser que a resposta venha em milissegundos, mas a demora é muito nítida. E incômoda.

Em termos de espaço, como já dissemos, a 207 Escapade perde para o Sandero Stepway não só em porta-malas, mas também no banco traseiro e no interior. Em compensação, o hatch da Renault, com nível de acabamento semelhante ao da perua que avaliamos, sai por R$ 51,44 mil. Mais caro que a Peugeot.

Esse valor inclui airbags frontais, volante em couro, toca-CD com MP3 e rodas de liga-leve de aro 16”. Isso parece explicar a diferença de preço a favor da 207 Escapade, mas, sem poder afirmar isso, a vantagem de preço fica mesmo para a perua da Peugeot.

Diante disso, resta ao consumidor pesar bastante bem se as qualidades que apontamos na perua são suficientes para que ele vá direto a uma concessionária da Peugeot ou se o melhor não seria olhar com mais cuidado os possíveis concorrentes de mais este off-road light no mercado.

FICHA TÉCNICA – Peugeot 207 Escapade

MOTORQuatro tempos, quatro cilindros em linha, transversal, quatro válvulas por cilindro, refrigeração a água, a gasolina, 1.587 cm³
POTÊNCIA113 cv álcool e 110 cv gasolina a 5.600 rpm
TORQUE152 Nm álcool e 139 Nm gasolina a 4.000 rpm
CÂMBIOManual de cinco velocidades
TRAÇÃODianteira
DIREÇÃO Por pinhão e cremalheira; hidráulica
RODAS Dianteiras e traseiras em aro 14”,de liga-leve
PNEUS Dianteiros e traseiros 175/70 R14, de uso misto
COMPRIMENTO 4,07 m
ALTURA 1,48 m
LARGURA 1,67 m
ENTREEIXOS 2,44 m
PORTA-MALAS313 l
PESO em ordem de marcha 1.148 kg
TANQUE50 l
SUSPENSÃO Dianteira independente, tipo pseudo McPherson; traseira com eixo de torção
FREIOS Discos ventilados na dianteira e tambores na traseira; opcionalmente, discos ventilados na dianteira e sólidos na traseira, com ABS
CORES Vermelho Aden sólida, Cinza Aluminium, Cinza Manitoba, Cinza Fer, Cinza Grafito, Preto Perla Nera e Azul Neysha sob encomenda
PREÇO R$ 48,89 mil como avaliado

_____________________________________

TwitterTwitter
_____________________________________Gosta dos “off-road lights”?

Então veja abaixo as melhores ofertas dos veículos deste segmento:

Peugeot 207 Escapade

Peugeot 206 Escapade

Renault Sandero Stepway

Fiat Palio Adventure

Fiat Doblò Adventure

Volkswagen CrossFox

Volkswagen Parati Crossover

Volkswagen Saveiro Crossover

Ford EcoSport

Leia também:

Ford Fusion 2010 mostra como o bom pode melhorar


Motor 2-litros flex do Peugeot 307 gosta de álcool

MINI chega ao Brasil com charme e preço um tanto alto

Nissan Livina anda bem e tem espaço para conquistar clientes

Renault Symbol é melhor que o Clio Sedan, mas leva herança ruim

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors