Aad5d80e Cfaf 4b05 8859 6f77f9797220 630x386 2 0

Testamos o VW up! com câmbio automatizado I-Motion

Compacto parte de R$ 30.990 e mantém poucos itens de série


  1. Home
  2. Testes
  3. Testamos o VW up! com câmbio automatizado I-Motion
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon


Uma opção a ser considerada. Assim pode ser definido o Volkswagen up! com câmbio automatizado I-Motion, veículo que troca de marchas sozinho mais em conta do Brasil, partindo de R$ 30.990.

Durante uma semana, o Webmotors rodou com a versão High up! I-Motion (R$ 37.760) - equipado com o econômico motor 1.0 Totalflex de apenas três cilindros de até 82 cv de potência - e concluiu que, para quem busca um pouco mais de conforto e comodidade no trânsito caótico das grandes cidades, o hatch da Volkswagen pode ser a melhor saída.


Como toda transmissão automatizada sem dupla embreagem - casos também das caixas Dualogic, da Fiat, e Easytronic, da Chevrolet -, a I-Motion entrega trocas lentas e morosas. Incômodas em cetas situações. No entanto, em uma condução suave, de acelerações e frenagens gradativas, ou mesmo no anda e para dos congestionamentos, estes soluços das mudanças são amenizados.

O principal problema desta transmissão, porém, é a leitura equivocada que a central eletrônica faz daquilo que o motorista deseja, especialmente em aclives. Muitas vezes o motor mostra ter fôlego para subir tranquilamente em segunda marcha, mas o sistema reduz para primeira. Além do tranco acentuado, a rotação sobe para a casa dos 5.000 rpm, o ruído do motor invade a cabine e a troca novamente para segunda demora muito a acontecer. As vezes é melhor aliviar o pé do acelerador e subir devagar mesmo, em primeirinha.

Portanto, em algumas situações é o motorista quem tem que se adaptar ao câmbio, e não o contrário. E isso acontece somente após centenas de quilômetros rodados.


Assista ao teste do Volkswagen up! manual



Desempenho Econômico


O up! Surpeende positivamente no dia a dia pelos excelentes índices de consumo de combustível. Rodando com 100% de gasolina, o 1.0 de três cilindros fez, de acordo com o computador de bordo, 15,9 km/l na cidade. Já no perímetro rodoviário, em um trecho de São Paulo a Campinas, o Volks arrebatou com impressionantes 20,1 km/l (média de 110 km/h). De fazer inveja a muito 1.0 por ai...

Rodando a 120 km/h, o up! trabalha próximo dos 4.000 giros. No entanto, apesar da rotação elevada, o nível de ruído é baixo. Nas ultrapassagens, as retomadas são satisfatórias.

Vida a bordo


O up! é um excelente citycar. A cidade é seu reduto. Medindo 3,60 metros, oferece 285 litros no porta-malas, ideal para comprar algumas coisas no mercado, mas distante do básico para uma viagem mais longa. Ponto positivo para o fundo falso do bagageiro,  que ajuda a esconder objetos de valor, se necessário.

O entre-eixos de 2,42 metros é mais que o ideal para transportar pessoas com cerca de 1,80 metro de altura no banco de trás. No entanto, a largura de 1,91 metros impede levar três confortavelmente.

Destaque para a ergonomia. Regulagens de altura da coluna de direção e do banco ajudam a encontrar a melhor posição para condução. Faltou, no entanto, mesmo como opcional, um volante multifuncional.

Em termos de equipamentos de série muito pouco é ofertado pelo preço. Travas elétricas, vidros dianteiros elétricos e direção elétrica de relevante. Ar-condicionado e sistema de som, por exemplo, são opcionais. E deixam o valor desta versão intermediária próximo aos R$ 40.000. Muito. Talvez esteja aqui a principal falha do up!.

Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors