Honda WR-V 2021

Teste: Honda WR-V muda de cara e fica mais seguro

Linha 2021 do crossover aventureiro, que mistura corpo de Fit com suspensão de HR-V, é opção a VW Nivus e outros SUVs

    • Desempenho
    • Desempenho
    • 15,3/4800 kgfm/rpm
    • Consumo Gasolina
    • Consumo Gasolina
    • Cidade: 8,1 km/litro
      Estrada: 8,8 km/litro
    • Consumo Álcool
    • Consumo Álcool
    • Cidade: N/A
      Estrada: N/A
    • Porta Malas
    • Porta Malas
    • 363 litros
    • Câmbio
    • Câmbio
    • N/A
7.9

Overview

Crossover que une o corpo do Fit à suspensão do HR-V pode ser opção para quem é fã de Honda e não tem dinheiro para levar o SUV compacto para casa.


  • + Versatilidade
  • + Confiança na marca
  • - Desenho
  • - Preço
  • - Mecânica defasada
 
  • 0.0 Estrela icone
  • 0.0 de 5 estrelas
  1. Home
  2. Testes
  3. Teste: Honda WR-V muda de cara e fica mais seguro
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

No teste de hoje vamos conhecer as novidades do Honda WR-V 2021, em sua versão topo de linha, a EXL, que traz absolutamente tudo que o modelo consegue oferecer. Ficou melhor? O que mudou? Tem alteração interna? Pois agora você vai saber de tudo.

Vamos começar pelos valores, que já não são os mesmos que há dois meses. Agora o WR-V 2021 custa R$ 84.900 na versão de entrada LX; sobe para R$ 91.800 na intermediária EX e termina em R$ 96.200 na configuração EXL testada. A principal novidade mecânica, como já dito aqui pelo WM1, foi o acréscimo dos essenciais controles eletrônicos de tração e estabilidade.

O que é o WR-V?

Vamos relembrar que o WR-V foi a solução que a Honda encontrou para criar uma opção mais barata que o HR-V para quem procurava um carro aventureiro e não tinha grana pra assinar o cheque do SUV compacto. Até visualmente dá para notar que o modelo não é bem um utilitário, como a marca diz, mas sim uma mescla, que une a carroceria do Fit com a suspensão do HR-V.

Na linha 2021, são só três versões, todas equipadas com os controles eletrônicos de segurança que antes não eram oferecidos nem como opcional. Além disso, o modelo ganhou assistente de partida em rampa, recurso que dá aquela ajudinha para que o carro não dê aquela descidinha em uma subida mais íngreme.

E o visual?

Como apresentado em setembro, o WR-V também recebe algumas mudanças estéticas. Na frente, os canhões de luz dos faróis são novos e mais invocados e, nessa versão mais cara, EXL, são inteiros de LED – inclusive os de neblina. A grade também é nova e tem acabamento em preto brilhante. Mas concordamos que é tudo bem discreto e quase não dá para reparar.

Já na traseira, bem, as lanternas ganharam um remanejo visual (luzes de seta e ré agora ficam na parte de baixo da peça) e também podem ser de LED no que depender da versão, como as do nosso carro, mas mantiveram o desenho controverso que rendeu bastante polêmica durante a época de lançamento, em 2017. Segundo a Honda, essas lanternas são inspiradas nas do CR-V.

Motor 1.5 flex de 116 cv

Sob o capô, o crossover manteve o motor 1.5 flex de até 116 cv e 15,3 kgf.m de torque e o câmbio automático do tipo CVT - mesmo conjunto em todas as versões.

Ao rodar com o carro, o que conseguimos sentir é que ele é suficiente para a cidade, mas é preciso ter um pouco mais de paciência para pegar estrada ou mesmo fazer ultrapassagens. Isso é sentido pela ausência de um motor turbinado, como vários concorrentes já possuem – como o Nivus, e as versões de entrada do Tracker, seus principais rivais.

Outra coisa muito pacata é a calibração da caixa de câmbio, o que faz com que o carro tenha um desempenho bastante anestesiado. Isso não significa que seja ruim: a suspensão emprestada do irmão maior, por exemplo, é ótima pois consegue ser extremamente equilibrada em nosso asfalto - nem tão dura e nem tão macia.

Na prática, a tradução disso quer dizer que o WR-V quer entregar conforto, não esportividade. Por isso seus números também são bem tímidos: aceleração de 0 a 100 km/h em 12,3 segundos e velocidade máxima de 168 km/h. No consumo, segundo o Inmetro, o carro consegue fazer 8,1 km/l na cidade e 8,8 km/l na estrada com etanol e 11,7 km/l e 12,4 km/l, respectivamente, com gasolina.

Com esses números e tanque de 45 litros, o WR-V consegue rodar até 558 quilômetros com um tanque cheio do combustível fóssil. Em nossas medições, nossa média ficou abaixo do que o anunciado: 7,7 km/l em percurso predominantemente urbano, sempre com o ar-condicionado ligado.

Honda Wr V 2021 (46)
Traseira mudou, mas pouco: lanternas agora têm nova disposição de luzes
Crédito: Guilherme Silva/WM1

E por dentro?

Nessa versão mais cara, o WR-V vem com seis airbags (só o EXL), retrovisor eletrocrômico, sensor de estacionamento dianteiro e traseiro, bancos de couro e até GPS na central multimídia.

Aliás, precisamos dizer que agora a central multimídia consegue projetar o celular na tela, via AndroidAuto e Carplay, o que é um avanço e, digamos, também extremamente necessário já que sua maneabilidade não é tão simples como os sistemas de entretenimento de alguns carros rivais.

Mas o WR-V tenta compensar esse jeito desengonçado de lidar com a conectividade com um recurso extremamente versátil nos bancos de trás, que a Honda chama de Magic Seat: os bancos traseiros conseguem ser rebatidos para a frente e para a trás. Isso é ótimo - quem já teve ou conhece esse sistema do Fit, sabe bem como funciona.

Outra coisa importante foi que a sensação de conforto e luxo melhorou com o novo acabamento em preto brilhante e as barras cromadas no lugar do revestimento mais jipeiro que víamos na linha anterior, que tinha um material que imitava metal escovado. Até o couro dos bancos de agora passa um feeling mais agradável.

Acabamento é bom, mas WR-V já começa a mostrar sinais da idade (do Fit). Confiança na Honda é sua maior virtude
Crédito: Guilherme Silva/WM1

Conclusão

Meio óbvio o que vamos escrever por aqui, mas o WR-V melhorou muito na linha 2021, embora tenha ficado mais caro. Não oferecer os controles de tração e estabilidade era algo quase que imperdoável para um carro desse preço, mas esse detalhe foi corrigido e com isso o carro consegue se nivelar aos concorrentes, ainda que tenha um projeto mais antigo.

Outra coisa que precisamos falar é sobre o fato de ele trazer a insígnia da Honda, uma das marcas de maior índice de confiabilidade e de bons valores de revenda no Brasil. Isso significa o seguinte: se você estava de olho nele, pode ter certeza de que, se fechar a compra a partir de agora, a garantia de segurança, conforto e confiança será bem maior do que antes.

Ancora: Conclusão Score

Ficha Técnica

HONDA - WR-V - 2019
1.5 16V FLEXONE EXL CVT
R$ 87900

Motor / Desempenho / Consumo +

  • Cilindrada cm³
  • 1497
  • Disposição dos cilindros
  • Linha
  • Número de cilindros
  • 4
  • Taxa de compressão
  • 11,4:1
  • Número de válvulas por cilindro
  • 4
  • Número de válvulas (comercial)
  • 16V
  • Comando de Válvulas
  • SOHC
  • Comando de válvulas variável
  • Sim
  • Combustível (comercial)
  • FlexOne
  • Combustível secundário
  • Gasolina
  • Alimentação
  • Aspirado
  • Nomenclatura do motor (comercial)
  • i-VTEC
  • Potência (cv/rpm)
  • 116/6000
  • Torque (kgfm/rpm)
  • 15,3/4800
  • Potência secundária (cv/rpm)
  • 115/6000
  • Torque secundário (kgfm/rpm)
  • 15,2/4800
  • Velocidade máxima (km/hora)
  • 168
  • Aceleração 0-100 km/h (segundos)
  • 12,3
  • Consumo cidade (km/litro) - Combustível 1
  • 8,1
  • Consumo estrada (km/litro) - Combustível 1
  • 8,8
  • Consumo cidade (km/litro) - Combustível 2
  • 11,7
  • Consumo estrada (km/litro) - Combustível 2
  • 12,4
  • Fonte consumo
  • INMETRO

Transmissão +

  • Transmissão
  • CVT
  • Nomenclatura da transmissão (comercial)
  • CVT
  • Localização do câmbio
  • Assoalho
  • Tração
  • Dianteira

Freios / Suspensão / Direção +

  • Freios dianteiros
  • Disco ventilado
  • Freios traseiros
  • Tambor
  • Freio de estacionamento
  • Manual
  • Suspensão - Dianteira
  • McPherson
  • Suspensão - Molas dianteiras
  • Helicoidal
  • Suspensão - Traseira
  • Eixo de torção
  • Suspensão - Molas traseiras
  • Helicoidal
  • Direção - Assistência
  • Elétrica
  • Direção - Ajustes
  • Altura e profundidade

Dimensões e Capacidades +

  • Comprimento (mm)
  • 4000
  • Largura (mm)
  • 1695
  • Altura (mm)
  • 1599
  • Entre-eixos (mm)
  • 2555
  • Altura em relação ao solo (mm)
  • 207
  • Diâmetro de giro (mm)
  • 10600
  • Ângulo de ataque (graus)
  • 21º
  • Ângulo de saída (graus)
  • 33º
  • Capacidade tanque de combustível (litros)
  • 45
  • Capacidade do porta-malas (litros)
  • 363
  • Peso bruto (kg)
  • 1590
  • Peso líquido em ordem de marcha (kg)
  • 1130
  • Carga útil (kg)
  • 460

Tecnologia / Conectividade +

  • Sistema de áudio - Tipo
  • Multifunções
  • USB
  • Sim
  • AUX-in
  • Sim
  • Bluetooth
  • Função Streaming
  • Tela de entretenimento - Tamanho da tela (pol.)
  • 7
  • Tela de entretenimento - Sensível ao toque
  • Sim
  • Tela de entretenimento - Espelhamento com smartphone
  • Apple CarPlay + Google Android Auto
  • Tela de entretenimento - Navegação (GPS)
  • Via espelhamento (smartphone)
  • Controle de áudio
  • No volante
  • Alto-falantes - Quantidade
  • 4
  • Alto-falantes - Tweeters
  • 2

Rodas e Pneus +

  • Tipo de roda - Tipo de roda
  • Liga leve
  • Tipo de roda - Design/cor
  • Dois tons
  • Dianteira - Aro (pol.)
  • 16
  • Dianteira - Pneus (largura/perfil/aro)
  • 195/60
  • Traseira - Aro (pol.)
  • 16
  • Traseira - Pneus (largura/perfil)
  • 195/60
  • Estepe
  • Space saver

Garantia +

  • Garantia total do veículo - Duração (meses)
  • 36
  • Garantia de motor e transmissão - Duração (meses)
  • 36
  • No Bolso8.2
  • Tecnologia7.7
  • Vida a bordo8.7
  • Desempenho7.4
  • Opinião do repórter7.5
  • + Versatilidade
  • + Confiança na marca
  • - Desenho
  • - Preço
  • - Mecânica defasada
 
7.9

Compartilhar
0
Comentários