Nissan Frontier Attack 4x4

Teste: Nissan Frontier Attack 4x4

Aceleramos a nova Nissan Frontier Attack, versão que volta a ser vendida no Brasil; preço ainda não foi divulgado

    • Desempenho
    • Desempenho
    • 45,9/1500 kgfm/rpm
    • Consumo Gasolina
    • Consumo Gasolina
    • Cidade: 8,9 km/litro
      Estrada: 10,1 km/litro
    • Consumo Álcool
    • Consumo Álcool
    • Cidade: N/A
      Estrada: N/A
    • Porta Malas
    • Porta Malas
    • 1054 litros
    • Câmbio
    • Câmbio
    • N/A
8.9

Overview

Nissan Frontier Attack não traz novidades mecânicas, mas aposta em um visual um pouco mais arrojado para conquistar o consumidor pelo olhar.


  • + Suspensão traseira
  • + Design diferenciado
  • + Nova central multimídia
  • - Revestimento dos bancos em tecido
  • - Lista de equipamentos de série
  • - Coluna de direção apenas com ajuste de altura
 
  1. Home
  2. Testes
  3. Teste: Nissan Frontier Attack 4x4
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

Não basta ser bruta, tem que parecer bruta. Para o picapeiro que quer ver e ser visto – sem abrir mão de uma trabalhadora pronta para pegar no pesado de segunda a segunda –, a Nissan traz de volta ao mercado brasileiro a Frontier Attack. O preço será revelado apenas no Salão do Automóvel de São Paulo (entre 8 e 18 de novembro), mas deverá ficar entre R$ 150 mil e R$ 155 mil. As vendas começam este mês (novembro/2018). A Attack terá opção de 4x2 e 4x4, ambas com transmissão automática de sete marchas e com motor 2.3 16V biturbo (diesel com injeção direta de combustível), mas com 160 cv (4x2) e 190 cv (4x4).

icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

Apesar de agregar novidades em termos de equipamentos, tecnologia e refinamentos mecânicos, a grande novidade da Attack é realmente o visual mais arrojado - algo que ficou mais evidente do que nas duas outras duas gerações da Attack, vendidas por aqui em 2006 e em 2012. O capô ganhou apliques pretos e a grade é em black piano, substituindo o tradicional cromado. O preto também está nas molduras dos faróis de neblina e na barra abaixo do para-choque. Os faróis têm máscara negra. Nas ruas, o visual da Frontier, que está em sua 12ª geração, chamou a atenção e arrancou elogios. “Bonitona aquela lá, heim Monega”!

‘Calçadas’ com pneus todo terreno 255/70 R16, as rodas de liga leve de 16 polegadas têm cor chumbo. O rodapé das portas traz o adesivo de alusão à versão (Attack) e na rabeira da caçamba, próximo à lanterna traseira, o adesivo ‘4x4’, indicando a tração da ‘bruta’. Na traseira, mas um adesivo da configuração no canto direito inferior da tampa. Rack , Santo Antônio soleiras também são de série.

Já o interior é dominado pelo preto – apenas o teto é revestido em cor mais clara – e os detalhes em cinza, black piano e cromado. A Nissan abusa dos plásticos duros, o que não desabona a Frontier Attack se analisarmos que se trata de um veículo comercial e não de passeio. Os bancos são revestidos em tecido e o volante, manopla do câmbio e freio de mão em couro. Está tudo muito bem encaixado, mostrando qualidade na montagem da picape, que agora é produzida na Argentina.

 Nissan Frontier Attack 4x4
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

ITENS DE SÉRIE E MAIS TECNOLOGIA

Versão intermediária, abaixo da LE (topo de linha) e XE, a Frontier Attack não é um espanto em termos de equipamento de série, mas oferece bons itens de fábrica. Destaque para a câmera de ré, controlador de velocidade (piloto automático), travas, vidros e espelhos retrovisores elétricos, ar-condicionado e direção hidráulica. A grande atração, porém, é a nova central multimídia A-IVI com tela colorida de 8 polegadas sensível ao toque e compatível com Android Auto e Apple CarPlay. Ponto positivo para assistência de voz e atualizações de software e do aplicativo do GPS via Wi-Fi.

Um ponto positivo desta nova central é o recurso chamado ‘Door-to-door Navigation’, que permite, por meio de um aplicativo já disponível para ambos os sistemas (Android e IOS), localizar onda a Frontier está em um grande estacionada, por exemplo, e também já espelha automaticamente na tela de central o local de destino exibido no smartphone. Tudo é muito intuitivo e fácil de usar.

 Nissan Frontier Attack 4x4
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

RODANDO

Rodamos com a Nissan Frontier Attack 4x4 por uma semana. O conjunto motor/câmbio continua afinado. A transmissão automática de seis velocidades (opção de trocas manuais pela alavanca) consegue entregar conforto nas mudanças de marchas – os trancos são praticamente imperceptíveis em uma tocada mais suave –, ao mesmo tempo que extrai o melhor deste bom motor biturbo de 190 cv, que tem um excelente torque de 45,9 kgf.m já disponível a partir de somente 1.400 rpm e permanece ‘full’ até 2.500 giros. É uma picape de boas acelerações, mas de retomadas ainda mais interessantes.

Como comparação, o motor 2.8 Turbodiesel da Toyota Hilux, picape média mais vendida do Brasil, entrega os mesmos 45,9 kgf.m de torque, mas a partir de 1.600 rotações. Já a Volkswagen Amarok com motor 2.0 oferece 42,8 kgf.m. As referências neste quesito acabam sendo a Ranger, com seu 3.2 de cinco cilindros e 47,9 kgfm, e a Chevrolet S10 com os 51 kgf.m extraídos do bloco 2.8 turbodiesel. Confira as informações técnicas de todas as picapes média no Catálogo 0KM da Webmotors.

icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1
icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

Apesar de ser oferecida também na opção 4x2 – deve chegar apenas em 2019 –, a Attack avaliada era 4x4. A escolha da tração é feita por seletor (Shift On The Fly) e a transição de 4x2 para 4x4 pode ser feita com a bruta rodando a até 100 km/h. Já os números de consumo, de acordo com dados da própria Nissan, ficam em 9,2 km/l na cidade e 10,5 km/l na estrada.

O diferencial da Frontier, no entanto, está na suspensão, que passou por melhorias, como aplicação de uma nova geometria. A dianteira utiliza braço duplo com barra estabilizadora e na traseira ataca de filosofia multilink e barra estabilizadora – tudo com novas molas. Um dos benefícios deste conjunto, que segundo a engenharia da Nissan não perde em nada em termos de robustez, é uma picape muito mais dócil com a caçamba vazia, absorvendo melhor as imperfeições do asfalto e impedindo que a traseira fique pulando, provocando certo desconforto.

icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

Os freios são a disco nas rodas dianteiras e tambor nas traseiras, com cilindros maiores. E como manda a legislação, ABS (antitravamento) são de série – e contam com EBD (distribuição eletrônica da força de frenagem). E só para arredondar as questões de segurança, a Attack tem apenas os airbags frontais, encosto de cabeça para todos os ocupantes, assim como cinto de segurança de três pontos.

O sistema de direção, de acordo com a Nissan, também ganhou novidades. Com assistência hidráulica, a Frontier consegue entregar uma condução mais direta e menos anestesiada que algumas de suas concorrentes. Transmite a sensação de que em longas distâncias o cansaço ao volante será menor.

icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

AO VOLANTE

A Frontier é uma picape que entrega uma boa ergonomia, mesmo com somente ajuste de altura da coluna de direção – fica faltando o de profundidade. O banco do motorista, por sua vez, tem regulagens elétricas longitudinal, de altura e inclinação do encosto. O conforto também chama a atenção pela utilização de uma espuma diferenciada nos assentos. Lembrando que o volante da Frontier Attack é multifuncional.

icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1
icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

TRABALHADORA PARA ‘5’

Frontier não é carro de passeio, mas tem capacidade para até cinco ocupantes. Quem viaja atrás encontra bom espaço para os joelhos e a cabeça. Só que fica na posição central acaba sofrendo mais um pouco – normal. A Nissan tem 5,26 metros de comprimento, sendo 3,15 metros de distância entre os eixos. A largura é de 1,85 metro e a altura, 1,85 metro também.

A caçamba tem capacidade volumétrica de 1.054 litros e capacidade de carga para 1.040 quilos. Seu peso em ordem de marcha é de 2.075 quilos. Em termos de capacidade offroad, o ângulo de entrada é de 30,3°, de saída 27,4° e o vão livre do solo é de 230 milímetros. Números que se mostraram suficientes para quem trabalho em estrada de terra um pouco mais acidentadas.

icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1
icon photo
Legenda: Nissan Frontier Attack 4x4
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

CUSTOS

A Nissan ainda não bateu o martelo com relação ao preço da Frontier Attack. No entanto, o custo das seis primeiras revisões (até 60.000 km) a fabricante já anunciou que é de R$ 5.304.

Ancora: Conclusão Score

CONCLUSÃO

Se o objetivo é chamar a atenção, a Frontier Attack está de parabéns. Não apenas ganha os olhares, mas também arranca elogios. Como picape para o trabalho também não faz feio. O conjunto mecânico é afinado, entregando 'brutalidade' na medida para o trabalho do dia a dia. Ponto positivo para o excelente ajuste da suspensão que faz da Nissan uma picape confortável com a caçamba vazia. Vale a compra? Vai depender do preço. Mas independentemente do valor, você vai de Attack, Chevrolet S10 Midnight, Toyota Hilux Challenger ou Volkswagen Amarok Extreme?

VÍDEO RELACIONADO

  • No Bolso8.8
  • Tecnologia8.9
  • Vida a bordo8.9
  • Desempenho8.9
  • Opinião do repórter8.9
  • + Suspensão traseira
  • + Design diferenciado
  • + Nova central multimídia
  • - Revestimento dos bancos em tecido
  • - Lista de equipamentos de série
  • - Coluna de direção apenas com ajuste de altura
 
8.9

  • Marcelo Monegato
  • Jogador de futebol frustrado, resolveu ser jornalista para escrever sobre tudo que tivesse motor, fizesse (muito ou pouco) barulho e fosse possível de pilotar. Aficionado por superesportivos e clássicos, pensa agora acelerar também sobre duas rodas.
Compartilhar
0
Comentários

Ofertas Relacionadas

logo Webmotors