Transfusão de sangue uruguaio para brasileiro fez

Hatch melhorou com produção em São Paulo, mas ainda segue com concepção ultrapassada


  1. Home
  2. Testes
  3. Transfusão de sangue uruguaio para brasileiro fez
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon


A transfusão de sangue do Chery Celer foi feita aos trancos e barrancos devido aos problemas na fábrica de Jacareí (SP), mas no fim das contas, foi bem sucedida. A tropicalização de montagem e componentes agregou qualidade ao acabamento do veículo, o que diminuiu a margem de erros como rebarbas, plásticos mal colocados ou peças separadas.

A operação desenvolvida no interior de São Paulo, no entanto, não fez milagres. A qualidade dos materiais continua mediana, o que fica claro em simples atitudes como regular a altura do volante. O acionamento é duro e a direção desce com tudo, podendo até machucar o condutor.

Os bancos têm material de preenchimento fino e desconfortável, enquanto o forro do porta-malas é duro e mal ajustado. Mas os problemas de construção que realmente afetam a rotina são o câmbio de manopla bamba mesmo quando engatada e a embreagem curta – o coitado do carro ‘morre’ várias vezes até criar costume com o pedal.

No mais, a troca do sangue uruguaio (o Celer era produzido era produzido no país vizinho até maio) para o brasileiro surtiu poucas mudanças, uma vez que o motor 1.5 já era bicombustível.

Aliás, o propulsor de 109 cv, abastecido de gasolina, e 113 cv bebendo etanol continua com a desenvoltura que não deixa o motorista na mão, mas que incomoda pelo alto nível de ruídos ao trabalhar sempre em giro alto – o pico de potência é alcançado aos 6.000 rpm.

O torque também é entregue com o conta-giros lá em cima (4.000 rpm), mas oferece números decentes: 14,3 e 15,5 kgf.m na ordem gasolina e etanol. Ajustado ao câmbio manual de cinco velocidades, vai bem em retomadas, embora peque nas ultrapassagens em alta, uma vez que a transmissão de escalonagem longa trabalha bem somente nas primeiras marchas. Na quarta e quinta velocidades, o sistema demora a embalar.

Mas o maior problema do trem de força está na eficiência energética. O hatch recebeu avaliação ‘C’ do Programa Brasileiro de Etiquetagem do Inmetro quando comparado a todos os veículos avaliados pelo instituto. Quando a comparação foi feita levando em consideração apenas a concorrência, o desempenho foi ainda menos animador. Nota ‘E’, a pior possível, pelos 9,2 e 6,3 km/l desenvolvidos em ciclo urbano. Em ciclo misto, desempenho de 12,1 e 8,3 km/l com gasolina e etanol, respectivamente. A mesma performance vale para a variante sedã.

O desempenho medíocredo motor beberrão foi comprovado na prática. O tanque de 50 litros cheio abastecido na Zona Leste de São Paulo chegou na metade em Campos do Jordão, no Vale do Paraíba. Vale ressaltar que o trajeto feito predominantemente pela Rodovia Governador Carvalho Pinto não continha trechos íngremes nem tráfego intenso.

Ponto positvo para a suspensão 10 milímetros mais alta em relação ao modelo uruguaio. Apesar da tecnologia padrão (McPherson com mola helicoidal na dianteira e semi-independente na traseira), mostrou-se confortável e relativamente segura em curvas  de alta.

IMAGE

CUSTO-BENEFÍCIO

O ponto alto do modelo de 4,28 metros de comprimento, como (ainda) não poderia deixar de ser ao falar de um veículo de origem chinesa, está no custo-benefício. Se de um lado temos um veículo com baixo nível de qualidade de equipamentos, rede de reposição de peças pequena e motor beberrão, do outro vemos um hatch que parte de R$ 34.990 na versão base e chega aos R$ 36.990 na configuração ACT, aqui avaliada.

Os R$ 2.000 a mais são devidos a rodas de liga leve de 15 polegadas, faróis de neblina, alarme antifurto, rádio com CD player player e seis alto-falantes.

Ambas as versões oferecem direção hidráulica, ar-condicionado, vidros, travas, retrovisores e ajuste do faróis por acionamento elétrico e sensor de estacionamento traseiro.

Inevitavelmente, o Chery Celer continua sendo uma opção para quem tem pouca grana e faz questão de comprar um carro zero-quilômetro. O volumoso e disputado segmento de hatches compactos oferece modelos mais modernos tanto em relação a trem de força, quanto em relação a materiais de acabamento e conectividade. 

Comentários