Duster ou tracker

Duster topo de linha ou Tracker de entrada?

Recém-lançados, ambos os modelos são boas opções para quem busca entrar no segmento de SUVs compactos


  1. Home
  2. Comparativos
  3. Duster topo de linha ou Tracker de entrada?
Compartilhar
    • whats icon
    • bookmark icon

SUVs compactos. Sem sombra de dúvidas, o segmento mais concorrido e desejado do Brasil nos últimos tempos. Os dois mais recentes lançamentos aumentaram ainda mais a competitividade. E você? Iria de Renault Duster topo de linha ou de Chevrolet Tracker de entrada? Confira os prós e contras para tomar a melhor decisão.

Novo Renault Duster 9112
icon photo
Legenda: Novo visual do Renault Duster agrada a maioria das pessoas
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

Preço

O primeiro quesito não poderia deixar de ser o preço. Apesar de concorrerem no mesmo segmento, Duster e Tracker têm posicionamentos um pouco diferentes. Enquanto o Renault começa em uma faixa de valor mais baixa, o Chevrolet mira os concorrentes mais acima.

Ambos se cruzam apenas em uma versão. O Duster mais caro custa a partir de R$ 87.490. Já o Chevrolet Tracker de entrada custa iniciais R$ 85.290. É nesse ponto que as prioridades do comprador devem ser levadas em conta. Ir em um carro mais completo e com projeto mais antiquado, ou levar o projeto mais novo, mas com menos equipamentos.

Tracker de Lateral
icon photo
Legenda: Novo Tracker é líder: SUV acaba de estrear nova geração e é o primeiro entre SUVs compactos
Crédito: Divulgação

Desempenho

Neste quesito, Duster e Tracker deixam evidentes as suas maiores discrepâncias. O Renault segue a velha escolha de motores maiores e aspirado. Usa o motor 1.6 SCe de até 120 cv e 16,2 kgf.m de torque quando abastecido com etanol. O câmbio é do tipo CVT e tem seis marchas simuladas para uma direção menos monótona - conjunto que deixa a desejar para o porte e peso do SUV.

O Tracker aposta no downsizing e usa motor 1.0 turbo mais moderno e eficiente. Rende até 116 cv e 16,8 kgf.m de torque com etanol, e tem bom torque em baixas rotações: 16,8/16,3 kgf.m a 2.000 rpm. Na versão de entrada, o câmbio é manual de seis marchas.

A modernidade do Tracker leva vantagem. O SUV da Chevrolet vai de 0 a 100 km/h em 10,5 s, enquanto o Duster demora 12,4 s na mesma prova. O consumo também é melhor na gravatinha dourada. O Tracker alcança médias de 13/14,8 km/l em ciclo urbano/estrada com gasolina. Enquanto isso, o Duster só consegue 10,7/11,1 km/l, também com gasolina.

Novo Renault Duster 9130
icon photo
Legenda: Duster é mais pesadão para usar um motor 1.6 aspirado de 120 cv
Crédito: Ricardo Rollo/WM1

Espaço

Em termos de espaço, a prioridade é o Duster. Com 2,67 m de entre-eixos, o SUV da Renault tem 10 cm a mais que o Tracker nessa medida. Isso, além de refletir em mais espaço e conforto interno para os ocupantes, também aumenta consideravelmente a capacidade de carga. No Duster são 475 litros de espaço no porta-malas, enquanto o Tracker leva 393 litros.

Novo Tracker Traseira
icon photo
Legenda: Chevrolet Tracker perde em espaço interno e porta-malas
Crédito: Divulgação

Equipamentos

Por se tratar de uma versão topo de linha, é de se esperar que o Duster seja mais completo que a versão de entrada do Tracker. Isso, em parte, é verdade. Porém, o modelo da Chevrolet oferece alguns itens que não estão presentes nem mesmo na versão mais cara do Renault. Como por exemplo, os seis airbags de série, enquanto o Duster tem apenas o airbag duplo obrigatório na versão mais cara.

O Duster, aqui, se sobrassai em mimos. Tem ar-condicionado automático, câmera de ré e 360º para auxiliar manobras, chave presencial, controle de velocidade de cruzeiro, entre outros itens que justificam o valor da versão mais cara.

Comentários